Abusos sexuais: Igreja Católica tem dever moral de afastar Dom Alberto Taveira do Arcebispado de Belém

Publicado em 24 de dezembro de 2020

Não tem outra alternativa.

Papa Francisco necessita, urgentemente, afastar o Dom Alberto Taveira de suas funções à frente do Arcebispado de Belém.

As denúncias contra ele de abusos sexuais são detalhadas.

Moralmente, o  sacerdote não tem a mínima condição de permanecer comandando o rebanho católico paraense.

A reportagem publicada no último domingo pelo jornal espanhol El Pais escancara de vez o escândalo na igreja, com  relatos de dois dos quatro denunciantes que foram ao MP: eles deram detalhes das acusações e dizem que situações ocorreram também em anos anteriores.

Como já foi amplamente divulgado, quatro ex-integrantes do Seminário São Pio X formalizaram denúncia ao Ministério Público em agosto deste ano acusando Dom Alberto Taveira Corrêa de usar suposta terapia para ‘curar’ a homossexualidade como pretexto para tocar seus corpos nus e promover abusos como testes à ‘tentação’ do sexo.

Ver matéria   A Q U I.

 

Durante o dia de ontem,  23, trinta e sete entidades divulgaram nota pública  manifestando apoio às investigações que apuram acusações de abuso sexual praticadas pelo arcebispo.

Em um dos trechos da nota, o documento afirma:

“As instituições abaixo listadas vêm, perante a sociedade civil e as autoridades competentes, manifestar-se em apoio às investigações, requerendo que seja observado o direito à ampla defesa e ao contraditório do Sr. Arcebispo, mas também que sejam garantidos os direitos das vítimas ao devido processo legal e acesso à justiça, sem interferências indevidas”.

Diz ainda a nota que “as entidades recomendam o imediato afastamento do Arcebispo de Belém Dom Alberto Taveira de suas funções até o final das investigações e de eventual processo”.

A seguir, listagem das instituições signatárias do documento.

 

 

  • ABRAPSO – Núcleo Santarém
  • Articulação de Mulheres Brasileiras- AMB
  • Associação Brasileira de Organizações não Governamentais – ABONG
  • Associação Brasileira dos Juristas pela Democracia – ABJD Núcleo Pará
  • Capítulo Brasileiro do Observatório Latino-americano sobre Tráfico de Pessoas e Contrabando de Migrantes
  • Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB/PARÁ
  • Centro de Defesa do Negro no Pará (CEDENPA)
  • Coletivo Apartidário VENTIMBORAJOVEM – Belém
  • Coletivo Sapato Preto – Negras Amazônidas
  • Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Santarém
  • Conselho Regional de Psicologia da 10a Região – Pará e Amapá (CRP10)
  • Conselho Regional de Serviço Social- Pa
  • Federação Estadual dos Centros Comunitários e Associação dos Moradores do Pará – FECAMPA
  • Fórum de Mulheres da Amazônia Paraense – FMAP
  • GEMPAC – Grupo De Mulheres Prostitutas Do Estado Do Pará
  • Grupo de estudos “Direito a Igualdade e Valorização das Sexualidades” (DIVaS/UFPA)
  • Grupo de Estudos e Pesquisas Direito Penal e Democracia (UFPa)
  • Grupo de Estudos sobre Currículo e Formação de Professores na Perspectiva da Inclusão- INCLUDERE/UFPA
  • Grupo Inquietações: Arte, Saúde e Educação (UFPA)
  • Instituto Cartografando saberes
  • Instituto Jovem Positivo do Pará (IJOPPA)
  • Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos
  • Instituto Popular Eduardo Lauande
  • Instituto Universidade Popular (UNIPOP)
  • Movimento Atitude Afro – Pará
  • Movimento de Mulheres do Campo e da Cidade – MMCC
  • Movimento de Mulheres Negras de Santarém
  • Movimento LGBTI+ do Pará
  • Movimento República do Emaús/ Centro De Defesa Da Criança E Adolescente- CEDECA
  • Mulheres contra o Fascismo
  • NOSMULHERES, pela equidade de gênero étnico racial – UFPA
  • Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Violência na Amazônia (NEIVA/UFPa)
  • ONG Só Direitos
  • Projeto Saúde, Cidadania e Direitos Humanos – IQ/UFPA
  • Rede de Comunicadores por Direitos Humanos no Pará
  • Sociedade de Defesa dos Direitos Sexuais na Amazônia- SODIREITOS
  • Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH)
Helder se mobiliza para garantir ao Pará vacina contra Covid

Publicado em 17 de dezembro de 2020

O Ministério da Saúde vai assinar, ainda esta semana, contrato com o Instituto Butantã para a compra de 45 milhões de doses da Coronavac, desenvolvida em parceria com a chinesa Sinovac, segundo informou nesta quarta-feira, 16, o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), após reunião com técnicos da Pasta. Ele também disse que o acordo terá uma cláusula exigindo que a totalidade da produção da vacina pelo centro de pesquisa vinculado ao governo de São Paulo seja destinada para o Plano Nacional de Imunização.

As doses contratadas serão entregues gradualmente já a partir de janeiro, chegando à quantidade final até março, acrescentou o chefe do Executivo paraense, que, assim como outros governadores, foi a Brasília para a cerimônia de lançamento do plano nacional. Do total de 45 milhões, o Butantã conseguiria disponibilizar ao governo federal 20 milhões de doses até 30 de janeiro.

Há, além disso, sinalização da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de entregar 15 milhões de doses da vacina oriunda de parceria entre a farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford, segundo afirmou o governador do Pará. A previsão informada por ele é de que o pedido de registro desse imunizante seja feito à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a partir de 21 de janeiro e o início da vacinação com ele ocorra em torno de 10 de fevereiro.

O emedebista abordou ainda outras negociações do Ministério da Saúde, como a que envolve 500 mil doses da vacina da Pfizer/BioNTech, que dependeria da chegada de insumos ao Brasil.

“Também temos outra situação. Dependendo de um diálogo diplomático, existe a possibilidade de virem para o Brasil entre 1 e 2 milhões de doses do Laboratório AstraZeneca, que desenvolve a vacina da Oxford, já prontas para envase e aplicação”, completou Barbalho.

Oposição vence eleição no Sindicato dos Jornalista, em Belém

Publicado em 16 de dezembro de 2020

Há tempos que os jornalistas paraenses não se mobilizavam como fizeram nesta terça-feira, 15.

Grupos, antes antagônicos, se juntaram, se organizaram e se movimentaram por uma causa, e o resultado é que a Chapa 2, eleita para dirigir o Sindicato dos Jornalistas do Pará (Sinjor-PA), reflete uma saudável pluralidade de ideias e é integrada por profissionais – repórteres de rádio, TV, mídias digitais, fotográficos e cinematográficos, editores, professores, pesquisadores e assessores de comunicação – engajados na luta pelas liberdades democráticas.

Os votos da eleição foram depositados em urnas nas sedes do Sinjor-PA, O Liberal e Diário do Pará, os três localizados no bairro do Marco, em Belém; e na representação regional do Sinjor-PA em Santarém.

A chapa 2, oposicionista, foi a vencedora.

Ao final, a Chapa 2 obteve 130 votos e a Chapa 1 levou 113 votos.

A votação geral ficou assim:

Sede do Sinjor

Chapa 2 – 86
Chapa 1 – 88

O Liberal 

Chapa 2 – 25
Chapa 1 – 7

Diário do Pará

Chapa 2 – 12
Chapa 1 – 5

Santarém

Chapa 2 –   7 votos
Chapa 1 – 13 votos

RESULTADO FINAL

Chapa 2 – 130 votos
Chapa 1 –  113 votos

 

Confiram os eleitos para a Diretoria:

Presidente – Vito Gemaque (O Liberal)

Vice-presidente – Rose Gomes (Alepa)

Secretário-Geral – Elias Serejo (PPGCOM/UFPA)

1ª Tesoureira – Carol Pombo (Sinasefe)

2ª Tesoureira – Geisi Dias (Sintepp)

Secretário de Mobilização – Evandro Pantoja (TV RBA)

Secretário de Sindicalização – Cláudio Pinheiro (O Liberal)

Secretária de Interiorização – Talita Baena (UFOPA)

1ª Suplente – Sandra Rocha (FADESP/UFPA)

2º Suplente – Adison Santos (IFT)

3ª Suplente – Shirley Penaforte (FEAPA)

 

Delegação junto à Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) 

Titular – Max Costa (ADUFPA)

Suplente – Helena Saria (Alepa)

 

Comissão de Ética

Alexandre Lins (Funtelpa)

Ana Prado (FACOM/UFPA)

Carlos Boução (Alepa)

Ivana Oliveira (UNAMA)

Jecyone Pinheiro (SEBRAE)

 

Conselho Fiscal

Alexandre da Silva (IURD TV)

Élida Galvão (FASE)

Ieda Jucá (Alepa)

Ivan Duarte (O Liberal)

Nielson Bargas (Autônomo)

Corrupção na Polícia Federal: agente em Santarém recebia propina de garimpeiros

Publicado em 16 de dezembro de 2020

O delegado da Polícia Federal  Alexandro Cristian dos Santos Dutra , preso em Santarém, estaria envolvido em esquema de corrupção, agendado por uma organização de garimpeiros.

Pelo menos R$ 150 mil o PF já teria embolsado de garimpeiros sediados em Itaituba.

A grana repassada ao policial tinha objetivo de usá-lo como informante das ações das autoridades em batidas realizadas nos garimpos ilegais da região do Tapajós.

A prisão de Alexandro ocorreu nesta terça-feira, 15, em Santarém, numa operação da própria Polícia Federal denominada  “Fools Gold”.

Encontrado corpo de professora desaparecida em Moju. Dívida de R$ 30 mil pode ter motivado o assassinato

Publicado em 16 de dezembro de 2020

O corpo da professora Maria Eunice Nunes de Medeiros, de 42 anos, conhecida como Nice Salvatory,  que estava desaparecida desde a última sexta-feira (11), quando saiu de casa para cobrar uma dívida, foi localizado em um ramal próximo a Moju.

O cadáver estava enterrado em uma cova rasa e foi encontrado no início da tarde desta segunda-feira (14), próximo da Vila Poacê, na rodovia dos Quilombolas, a 9 km da sede da cidade, localizada na Região do Baixo Tocantins, nordeste paraense.

Uma dívida de 30 mil reais pode ser a motivação para a morte da professora Nice Salvatory.

A suspeita é da família, que entregou à Polícia Civil imagens de câmeras de segurança que mostram a vítima sendo seguida após sair de uma residência onde esteve para cobrar o valor. Nice saiu de casa na sexta-feira, 11, para fazer cobranças de empréstimos e não retornou. O veículo da vítima e a bolsa da professora foram encontrados horas depois.

Foi o marido de Nice, Jhon Lenon Pereira, que solicitou as imagens aos proprietários das residências ao longo do trajeto percorrido pela esposa.

Segundo ele, em um dos arquivos é possível observar o carro da professora sendo seguido por um veículo de cor prata, inclusive com a identificação da placa.

O empréstimo de 30 mil reais teria sido feito à empresários da cidade ligados ao ramo da construção civil.

Um caderno de anotações referentes as diversas dívidas também estão em posse da Polícia.

Nice não lecionava há dois anos e obtinha renda por meio de vendas de roupas, cosméticos e empréstimos de dinheiro a juros.

O  enterro da professora será nesta quarta-feira, 16, na cidade de Concórdia.