Vacinação  avança na zona rural de São João o Araguaia

A prefeitura municipal de São João do Araguaia tem adotado medidas alternativas objetivando otimizar  a programação de vacinação contra Covid-19.

Com uma população predominante na zona rural, a secretaria de Saúde do município trabalha a gestão da  imunização priorizando, em algumas situações, comunidades distantes da sede do município.

Nesta sexta-feira, como exemplo, técnicos da secretaria municipal de Saúde esteveram na  Vila Ponta de Pedras do Araguaia, distante da cidade, vacinando grupo de 40 anos acima – embora a campanha de vacinação ainda não tenha concluído usuários com 50 anos acima.

A propósito, essa demanda da vacinação em municípios com grande parte da população vivendo na zona rural, ainda estagnada na faixa etária  de 50 anos,   vem sendo alertada pelo blog, inclusive com pedido ao governador Helder Barbalho para acompanhar a questão com  cuidado especial.

Registre-se que a ação de vacinação na Vila Ponta de Pedras do Araguaia não levou apenas imunização à comunidade.

A secretaria de Saúde de São João do Araguaia aproveitou para levar atendimento Odontológico à comunidade (abaixo).

Sezostrys da Costa (foto acima acompanhando ações de saúde na vila), titular da secretaria, explica sobre a ação de vacinação na vila Ponta de  Pedras do Araguaia:

 

– “Baixamos para 40 anos, somente  na zona rural, nas localidades mais distantes. Fizemos ação de vacinação hoje, 30, na Vila Ponta de Pedras do Araguaia, contando com uma equipe comprometida. Posso dizer que registramos  boa procura pelos usuários, além de termos contado com o apoio dos vereadores Marcos Melo e Sebastião Mercê, que nos ajudaram na ação. Fizemos publico de 40 anos acima, como falei antes, porque são comunidades mais distantes do centro urbano,  mas é preciso deixar claro que ainda continuamos trabalhando para concluir a faixa de 50 anos acima na sede de São João e nas vilas no entorno”.

Caso de variante Delta pode ter sido identificado no Pará

Alerta foi dado pela infectologista Helena Brígido, vice-presidente da Sociedade Paraense de Infectologia (SPI.

Um caso suspeito no Pará da variante Delta – uma das mais agressivas da covid-19.

Mais precisamente em Belém.

A médica publicou, por meio do Twitter, um documento vinculado ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs), da Secretaria de Saúde do Estado do Pará (Sespa), sobre a suspeita em paciente  internado na Unidade de Tratamento Intenso (UTI) de um hospital particular da capital paraense.

Ele reside nos Estados Unidos, e apresentou sintomas de dor de garganta e tosse logo após desembarcar em Belém, na última quinta-feira (22).

O quadro evoluiu rapidamente e ele precisou de internação hospitalar. Ainda conforme o documento, a esposa do paciente “também apresentou sintomas como febre, cefaleia, vômito e mialgia e foi orientada pela equipe a ficar em isolamento”.

Uma amostra foi analisada pelo Laboratório Central do Estado do Pará (Lacen/Pa) e o resultado foi positivo para SARS-COV-2, ou seja, o paciente está infectado com covid-19.

A partir disso, ainda segundo a notificação, foi solicitado o envio da amostra para o sequenciamento genético, o que deve esclarer se trata-se da variante Delta, ou não.

Helder anunciará R$ 50 milhões para prefeitura construir terceira ponte sobre o Itacaiúnas

O goverandor bateu o martelo.

O Estado destinará R$ 50 milhões para a prefeitura de Marabá construir a terceira ponte sobre o rio Itacaiúnas, ligando a avenida 2000 à Folha 33,  exatamente onde existia o matadouro municipal.

O próprio Helder Barbalho determinou o agendamento de viagem dele a Marabá,  na primeira semana de agosto, para assinar convênio com o prefeito Tião Miranda.

Como o projeto executivo da ponte já está pronto, é provável que as obras de construção da obra tenham inicio ainda este ano.

Além dessa terceira ponte a ser construída com recursos do Estado, a prefeitura anunciou esta semana que uma quarta ponte será construída também sobre o rio Itacaiúnas, ligando o bairro do Amapá, no Núcleo Cidade Nova,  a Cidade Velha, no chamado Porto das Canoínhas.

Colisão de duas carretas mata motorista na BR-316

Um caminhoneiro morreu em grave acidente de trânsito no final da noite desta quarta-feira, na rodovia BR-316, na altura do KM-32, em Santa Izabel do Pará.

O motorista de um dos veículos, que seguia em direção à Santa Izabel, acessou um  retorno para mudar de rota.

Outra carreta, que vinha em velocidade alta e ia em direção à Belém, não reduziu perto do retorno e acabou colidindo com a traseira do outro veículo no meio da manobra.

O motorista do veículo pesado que se chocou com o outro morreu no local.

Como o corpo ficou preso nas ferragens, os bombeiros do 12º GBM atuaram nos trabalhos de desencarceramento para que o Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, unidade regional de Castanhal, pudesse removê-lo.

A colisão foi por volta das 23h, em um retorno um pouco antes da entrada do município da Região Metropolitana de Belém.

HRS reforça importância da saúde e da segurança no trabalho em tempos de pandemia

Com o foco na saúde do colaborador, e na prevenção de acidentes de trabalho, o Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá, realiza até a próxima sexta-feira (30) a 13º Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT).

A iniciativa, organizada pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (CIPA), irá promover palestras sobre uso correto dos equipamentos de proteção individual (EPIs), saúde mental, segurança do trabalho e biossegurança.

De acordo com a enfermeira Paula Dorighetto, presidente da CIPA no HRSP, um dos objetivos da SIPAT é fazer com que os mais de 700 trabalhadores da unidade tomem conhecimento dos riscos ocupacionais que estão submetidos, e dos devidos cuidados que devem ter, diariamente, no exercício de suas funções.

“As medidas de prevenção promovidas na SIPAT contribuem para a redução dos acidentes e doenças ocupacionais, diminuição dos índices de afastamento por tratamento, dentre outros benefícios que favorecem a saúde de todos os colaboradores”, afirma.

A profissional ainda ressalta que, para garantir a segurança dos participantes da ação, a unidade irá adotar todos os protocolos de proteção e higienização, preconizados pelo Ministério da Saúde. A ação integra os programas de desenvolvimento do Regional do Sudeste do Pará, unidade pertencente ao Governo do Pará, sendo gerenciada pela entidade filantrópica Pró-Saúde.

Segundo Benjamin Ferreira diretor administrativo e financeiro do HRSP, por conta da pandemia, as medidas de segurança adotadas na instituição foram intensificadas pelos Serviços de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMET), e Controle de Infecção Hospitalar (SCIH).

“Nossos colaboradores, desde o início da pandemia, sempre estiverem com todos os EPI,s necessários a sua disposição para trabalhar com segurança no tratamento e combate da doença. Com as medidas que adotamos na unidade, até o momento, não perdemos nenhum colaborador”, ressaltou.

O Regional do Sudeste do Pará é uma unidade hospitalar que presta atendimento 100% gratuito pelo SUS (Sistema Único de Saúde), sendo referência para mais de 1 milhão de pessoas de 23 cidades da região.