Versão e contra-versão

Publicado em 31 de agosto de 2009

Desde o momento em que este blog publicou cópia de um contra cheque de servidor do chamado TAF da receita estadual, mostrando um dos níveis dos vencimentos da categoria, alguns comentários agressivos passaram a ser enviados ao poster, certamente gerados no seio sindicalista que trava quebra de braço com o governo.

Agora a pouco, o presidente do Sinditaf, Charles Alcântara, bastante nervoso ao telefone, cobrou do blog “seriedade às notícias aqui divulgadas em relação ao movimento grevista”, alegando que o teor do post Greve sem greve, definha-se, “é capciosa” e que a fonte “faltou com a verdade”.

Charles negou a ida a uma mesa de bar, no Itinga do Maranhão, dos colegas grevistas, afirmando que esse fato nunca existiu. “O que existiu foi agressão aos nossos companheiros, escorraçados pela polícia do posto da CECOMT, vítimas de spray de pimenta”.

Ao ser perguntado se também é mentiroso o teor do registro em boletim de ocorrência, feito esta manhã, em Belém, com acusação de que ele, Charles Alcântara, teria agredido com uma cabeçada ao servidor Marcos Barros, na entrada da Cerat Belém, na Gentil Bitencourt, ao tentar impedir o acesso do colega ao órgão, Alcântara reagiu com a mesma frase de que “é facciosa e mentirosa” a acusação.

Em relação ao contra cheque publicado no blog, o presidente do Sinditaf procurou o jornalista Guilherme Augusto, do Diário do Pará, para contestar a extensão do documento, chegando a dizer ao colega colunista que o recibo de vencimentos teria sido fornecido irregularmente pela Sead.

Agora à tarde, ao ser indagado se havia mesmo dado uma cabeçada num colega de trabalho, o quase sempre comedido Charles Alcântara, além de declarar ser capciosa a denúncia registrada em BO, acusou o poster de estar sendo alimentado por “informações mentirosas geradas dentro da Sefa”.

Se tivesse acessado a caixa de comentários do blog iria se deparar com a notícia liberada por um anônimo. Somente depois da mediação do comentário, o poster entrou em contato com a SEFA, em Belém, obtendo o telefone de Marcos Barros, que ratificou a agressão e detalhes de como ocorreu. Inclusive, levando até a delegacia de polícia, testemunho de um cabo da PM que teria assistido a cena de violência.

Ou seja, o blog ouviu a vítima, uma pessoa que fez exame de corpo de delito no IML e tem em mãos um documento policial descrevendo a agressão, com testemunha e tudo mais.

Está parecendo aquela velha máxima que diz em todo fato haver três versões: a dele, a tua e a verdadeira.
O tacape de Bernadete

Publicado em 31 de agosto de 2009

Chegou às mãos do poster um panfleto assinado pela tendência “PT Pra Valer”, que tem a deputada estadual Bernadte ten Caten como sua representante maior no Sul do Pará, descascando impropérios em cima do Superintendente do Sul do Pará do Incra, Raimundo Oliveira. Colocado na chefia do órgão agrário pela própria Bernadete, o rapaz é chamado, de “traidor” pela coordenação da corrente petista, além de ser convocado a abandonar a superintendência.

Um dos trechos do panfleto, distribuído durante o mês de julho, diz:

A coordenação regional do PT pra Valer solicita publicamente que ele (Raimundo) tenha a ombridade – isso, escrito dessa forma mesmo -, de devolver o cargo até o final do mês de julho do corrente ano”.

O pedido de devolução do cargo de Raimundo é uma reação de Bernadete à suposta candidatura a deputado estadual do superintendente que, caso confirmada, fulminaria o retorno da rancorosa petista à Assembléia Legislativa. A sem-vergonhice retratada no texto do panfleto chega a ponto de referendar a premissa de que, com o afastamento de Raimundo, até a data delimitada, “os mandatos proporcionais de Bernadete e Zé Geraldo” ficarão com suas bases políticas fortalecidas. Ou seja, os dois jurássicos do “PT Pra Valer” não correm risco de derrota nas eleições.

A atitude vergonhasa da deputada estadual Bernadete Caten, com apoio explícito de seu parceiro umbilical, Zé Geraldo, é uma demonstração de como se constroem caciques políticos no interior do Estado.

Antidemocrático e imoral, por tentar impedir a consecução de uma candidatura legítima e nociva aos interesses dos chefes do PT Pra Vale, o comportamento da deputada estadual é um desses seguidos exemplos de como ela faz política de forma raivosa, arrogante e usando o tacape como recursos principal para ferir seus supostos adversários.

NB: O conteúdo duro deste post em nada subtrai a disposição do blog apoiar a proposta de Bernadete de investigar o monopólio da empresa Transabrasiliana.

Prefeito quer vender CEFEM

Publicado em 31 de agosto de 2009

População de Canaã dos Carajás se reúne em praça pública para denunciar o prefeito Anuar Alves da Silva (PDT) por tentativa de venda dos créditos da CEFEM (royalties), pagos pela Vale à prefeitura, pela exploração de jazidas de cobre no território municipal. Mais de três mil pessoas engrossaram o berro contra o desastrado prefeito.

Manifestação ocorreu à noite desse domingo, 30.

Pressão dos oradores, de cima de um palanque, foi para que a Câmara Municipal revogue o ato de autorização de venda dos créditos aprovado pelos vereadores, cuja licitação foi marcada para o dia 8 de setembro.

A Associação Comercial de Canaã realiza nesta quinta-feira, 3, ato de protesto, com a convocação de fechamento dos estabelecimentos comericiais. Em outra frente, a população acompanhará as sessões da Câmara Municipal e um grupo foi encarregado de organizar a interdição da estrada que liga a sede do município ao Projeto Sossego, da Vale.

Durante o ato público de ontem, o ex-deputado Paulo Dutra foi agredido, supostamente, por seguranças do prefeito Anuar Silva, o popular “Sô”.

Pela agressão, são acusados um sub-tenente conhecido por Gonçalves, Durval Negão, João do Clodoaldo,além de um segurança do diretor do Serviço Autônomo de Água de Canaã, Dermivaldo Pingo.

Fronteiras viçosas

Publicado em 30 de agosto de 2009

Interessante: a maioria dos followers (seguidores) dos tuiteiros do Oeste do Pará (Santarém, Juriti, Oriximiná, etc) são de Manaus.

——–

atualização

Favor, ao lerem “a maioria dos followers (seguidores) dos tuiteiros do Oeste do Pará (Santarém, Juriti, Oriximiná, etc) são de Manaus, pelo amor de Deus, leiam a maioria é de Manaus.

Esse aí é o pior erro das concordâncias.

Erro cavalar.

Greve sem greve, definha-se.

Publicado em 30 de agosto de 2009

Agora no final da tarde de domingo, recebi telefonema de amigo residente em Dom Eliseu.

Aqui o movimento não durou duas horas. Quando passou das 11h30, os fiscais grevistas da Sefa abandonaram seus postos e foram pro Itinga do Maranhão tomar umas cervejinhas. Ficaram por lá se divertindo em alegre bate-papo, experimentando uma deliciosa galinha caipira que faz muito sucesso num barzinho conhecido do outro lado da fronteira.

A informação do colega que atua na imprensa da BR-222 resume a paralisação de um movimento paredista destinado a durar até o próximo dia 2 de setembro, com objetivo de sangrar a arrecadação do Estado, conforme pretendia o presidente do Sinditaf (Sindicato dos Trabalhadores do Fisco do Pará), Charles Alcântara, pleiteando uma série de reivindicações.

O fracasso estrondoso do movimento que nem chegou assim a se caracterizar estava previsto.

Aforamente os servidores presentes às assembléias da classe, manifestações de auditores e fiscais lotados em diversos municípios do Estado consideravam o confronto, declarado pelo sindicato, prejudicial aos servidores, considerando – conforme atestam em depoimentos – que a atual gestão avançou muito mais do que os últimos governos em muitas propostas discutidas – apesar da necessidade de ser legalizar o mais rápido possível os avanços discutidos.

Na barreira da SEFA no Itinga, informa a fonte de Dom Eliseu, o constrangimento foi bem maior porque enquanto os fiscais grevistas se dirigiram para o lado maranhense buscando algumas horas de lazer, seus colegas de plantão ficaram no batente, processando notas fiscais dos caminhões que entravam e saiam do Estado.