Aglomeração em sala de embarque no aeroporto de Marabá preocupa usuários

Publicado em 31 de maio de 2021

O blog tem recebido diversas reclamações de usuários do aeroporto de Marabá reclamando da desobediência aos protocolos sanitários exigidos para o enfrentamento de Covid-19.

Como no período vespertino praticamente três companhias aéreas pousam e decolam quase aos mesmos horários, a concentração de passageiros, no salão de embarque, ocorre com distanciamento mínimo.

“Há situações nas quais somos obrigadas a evitar perambular pela área devido aos riscos de contaminação – embora dificilmente registremos pessoas andando sem máscara. Mas o risco é grande, a sala de embarque é pequena para a quantidade de pessoas. Estamos passando por riscos potenciais, ao permanecer algum tempo no salão de embarque”, diz Ronisalda Pereira, ao telefone, conversando com o blogueiro.

Em outra ponta, ouvimos João Oscar da Lira que estava embarcando para Brasília.

Ele passa a mesma preocupação.

“Eu sempre faço esse percurso Marabá-Brasília-Marabá, uma vez que minha família reside na capital federal e eu tenho negócios aqui no município. Sei que é difícil  a administração de um aeroporto controlar  o comportamento das pessoas que utilizam o terminal, mas se faz maior rigor no controle sanitário.  Muita gente próxima umas das outras, isto talvez por causa do tamanho da sala de embarque, acomodando tantos passageiros em horário de pico de pouso e decolagem”, reclama o empresário do setor de

Cinco passageiros ouvidos por telefone foram unanimes: não está havendo  o devido distanciamento social no aeroporto de Marabá, deixando transparecer que a direção da Infraero não está sendo rigorosa  em exigir o cumprimento do protocolo de prevenção a Covid-19 estabelecido pela Anvisa.

“Quando ocorre de haver atraso em algum  voo das três companhias (TAM, Gol e Azul) a situação se agrava, porque o tempo de passageiros concentrados na sala de embarque é maior, gerando maior aglomeração, porque aumenta  o número  de pessoas num mesmo local. Quando isso ocorre, a direção do aeroporto não tem a sensibilidade de autorizar aos passageiros  aguardarem na área externa, fato que melhoraria o distanciamento social”, aponta a passageira médica Rosilene Andrade, que estava embarcando para Belém.

O passageiro Ronaldo Albuquerque Saraiva,  com cartão de embarque liberado para seguir rumo a Belo Horizonte, explica que em situações de  atrasos de voos alguns aeroportos adotam estratégias  que ajudam a controlar o fluxo de usuários.

“Já passei por situações de atrasos de voos em alguns aeroportos, e o que fizeram? O checkin foi bloqueado até que se confirmasse o horário de pouso, conforme alinhamento com as empresas aéreas. Isso é uma decisão sábia, porque alivia a concentração de passageiros num mesmo ambiente”, sugere Ronaldo.

Em duas tentativas, antes do fechamento deste texto, o blogueiro não conseguiu falar com o  superintendente do aeroporto,  Wigson Diego Saturnino Santos.

Nas duas ligações, feitas no meio da tarde desta segunda-feira, 31, a recepcionista do telefone geral da Infraero pediu para o blogueiro aguardar na linha enquanto ela tentaria localizar o dirigente maior do órgão em Marabá.

Na primeira tentativa, a moça retornou pedindo ao repórter que uma nova ligação fosse feita  10 minutos depois, “porque eu não consegui localizá-lo”.

Passado o tempo sugerido, o blog retornou a ligação.

Outra vez, a recepcionista deixou o blogueiro aguardando na linha enquanto tentava localizar  Wigson Diego Saturnino Santos.

Parece até que a autoridade do aeroporto estava se esquivando de atender a imprensa, porque o terminal aéreo de Marabá não tem a dimensão do aeroporto de Guarulhos para que seu superintendente não fosse localizado em duas tentativas.

Cuide de um animal de rua: campanha de doação de garrafas pets é lançada em Marabá

Publicado em 26 de maio de 2021

A campanha “EcoPet” está nas ruas objetivando  recolher na cidade pets descartáveis.

Receber garrafas pets e depois revende-las para reciclagem,  esse o roteiro da campanha  “EcoPet”.

É um projeto idealizado por acadêmicos do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Pitágoras, em Marabá, que valoriza a coleta de pets descartáveis, uma vez que eles serão utilizados por voluntários de protetores independentes de animais.

A verba arrecadada com a venda dos pets recolhidos  está sendo destinada  ao custeio  das despesas médicas, alimentação e manutenção de abrigos de animais abandonados que são recolhidos das ruas de Marabá.

O projeto está sendo encampado pela população, sensibilizada com a ideia

Uma das coordenadoras da campanha “EcoPet” , Suely Cordeiro(foto), militante das causas pela vida sadia dos animais, revela que a equipe envolvida no projeto  está tendo apoio de muitas pessoas e até entidades para a coleta dos pets.

Um dos pontos de coleta é na própria Faculdade Piágoras.

Quem quiser fazer parte da campanha e tenha garrafas pets para doar, basta entrar em contato com a coordenação.

O telefone está no final desta reportagem.

A campanha, além de ajudar a cuidar dos animais de rua, contribui para tirar de circulação as embalagens plásticas, responsáveis pela poluição do meio ambiente.

Suely Cordeiro explica:

 

– “É um projeto que vem na linha de reciclagem pra gente arrecadar, com a venda dos recipientes, valores que serão destinados à recuperação dos animais de rua que serão levados às clínicas. Olhando pelo lado da comunidade, o lixo que a gente vê nas ruas da cidade descartado de forma totalmente errada pode ser útil nessa missão de cuidar dos animais de rua, basta para isso que as pessoas recolham o que puderem de recipientes de plásticos e nos  encaminhem que sabermos como utilizá-los de forma positiva”.

 

Quem quiser colaborar é só entrar em contato pelo fone 94 98121-0078/falar com Suely Cordeiro.

Beneficiários do Renda Pará 500, que perderam o prazo, têm até 4 de junho para o saque

Publicado em 25 de maio de 2021

O programa de auxílio emergencial Renda Pará segue beneficiando as categorias de profissionais autônomos mais afetadas pela pandemia.

Aqueles que ainda não tiveram a chance de sacar o benefício no valor de R$ 500, em cota única, durante o calendário oficial, poderão acessar os valores durante a prorrogação do prazo, até 4 de junho, próxima sexta-feira.

Até a manhã desta terça-feira (25), 125.015 paraenses acessaram o benefício, o que totaliza um valor pago de R$ 62,5 milhões.

De acordo com o secretário adjunto da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Carlos Ledo, o novo prazo foi estipulado justamente para garantir o acesso aqueles que, por algum motivo, não puderam ir a alguma agência do Banco do Estado do Pará (Banpará) nas datas estipuladas anteriormente.

Pará perde Jorge Derenji, um dos fundadores do curso de arquitetura da UFPA

Publicado em 25 de maio de 2021

Nesta terça-feira, 25, foi anunciado o falecimento de Jorge Derenji, aos 85 anos. O professor foi um dos fundadores do curso de arquitetura da Universidade Federal do Pará, onde chegou em 1963 para trabalhar como professor.

Nascido no Rio Grande do Sul, Derenji foi o primeiro diretor da regional do IPHAN no Norte e o primeiro arquiteto restaurador da Amazônia, atuando em inúmeras obras restaurativas, de inserção e de edifícios com uma produção de mais de 50 anos. Entre as prinipais obras estão o Palácio Antônio Lemos, Palacete Francisco Bolonha, Tribunal de Justiça do Pará, Palacete Augusto Montenegro e o Mercado de São Brás, além de obras na Universidade Federal do Pará como o CEAMAZON e o Centro de Convenções da UFPA.

O arquiteto foi o criador de uma disciplina sobre centros hisóricos no curso de arquitetura que entre outras atribuições, desvenda a jornada e os avanços no cuidado, preservção e restauro de patrimônio histórico nas cidades. Para os alunos, o professor assumiu cargos estratégicos e trouxe o melhor dos conhecimentos adquiridos para a sala de aula, onde lecionou por 30 anos.

Em parceria com a esposa, a professora Jussara Derenji, publicou o livro ‘Igrejas, palácios e palacetes de Belém’.

Na foto, Jorge e a esposa.

Novo processo seletivo da UFPA tem edital publicado

Publicado em 24 de maio de 2021

A Universidade Federal do Pará (UFPA) publicou o edital do segundo processo seletivo deste ano. Será para preenchimento de 536 vagas, remanescentes do primeiro resultado e da primeira repescagem de 2021.

Novamente, serão usadas as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do ano passado. Para ler o edital, basta entrar no site do Centro de Processos Seletivos da instituição (Ceps). As inscrições já estão abertas e seguem até 6 de junho, às 17h.

Das 536 vagas, 204 serão para ampla concorrência, 217 para o sistema de cotas e 115 vagas adicionais para pessoas com deficiência (PcD).

Haverá ofertas nos campi de Belém (144), Abaetetuba (102), Altamira (99), Salinópolis (55), Ananindeua (44), Bragança (35), Tucuruí (32), Cametá (8), Breves (2) e Soure (1).

Os cursos ofertados são principalmente licenciaturas. O prazo de inscrição será mais curto, para possibilitar o ingresso de candidatos em turmas cujas aulas iniciarão em junho.