Marabá engrossa “Dia de Luta” contra governo Temer

Nesta sexta-feira, 31, universitários e corpo docente da Universidade Federal do Sul/Sudeste do Pará realizarão ato  público em defesa da previdência pública e contra ameaça de retirada de conquistas do setor educacional.

O “Fora, Temer” de Marabá se constitui o primeiro ato de mobilização, de muitos outros que virão, do “Fórum em Defesa da Previdência e dos Direitos dos Trabalhadores”,  recém criado na Unifesspa.

Além de universitários e professores, o movimento será engrossado por dezenas de sindicatos e movimentos sociais de Marabá e região.

Protestos ocorrerão em frente ao Campus 1 da Unifesspa, na VP-8, Núcleo Nova Marabá, a partir das 17 horas.

Cassação de Jatene: advogados já preparam recurso contra decisão do TRE

Advogado Orlando Barata aguarda a notificação, pelo Tribunal Regional Eleitoral, de decisão da corte, que na manhã desta quinta-feira, 30, cassou o mandato do governador  Simão Jatene (PSDB) e de seu vice, Zequinha Marinho (PSC), por 4 votos a 2.

Tão logo seja notificado, o advogado do governador entrará com recurso objetivando derrubar a decisão.

A ação foi ajuizada em 2014 pelo então procurador regional eleitoral, Alan Rogério Mansur Silva, e pelos procuradores eleitorais auxiliares Bruno Araújo Soares Valente, Maria Clara Barros Noleto e Nayana Fadul da Silva.

Numa primeira sessão ocorrida em 2016,  a relatora do processo, juíza Célia Regina de Lima Oliveira, pediu a absolvição do governante.

Durante a sessão, um dos juízes pediu vistas.

Na manhã de hoje, dos quatro julgadores que votaram pela cassação de Jatene, três não participaram da primeira sessão de julgamento.

Na visão do setor jurídico do governo, esse fato gerou  irregularidade, o que pode levar a defesa de Jatene a pedir anulação da votação.

No gabinete de Simão Jatene, a decisão foi recebida com tranquilidade.

O governador não será afastado do cargo.

Manterá os recursos de defesa no exercício da governadoria.

A ação de cassação do governador e de seu vice foi impetrada pela coligação majoritária “Todos pelo Pará” – que teve Helder Barbalho e Joaquim de Lira Maia como candidatos a governador e vice-governador, respectivamente -, acusando a chapa vencedora por abuso de poder político, ocorrido, segundo a denúncia, por meio do uso do programa Cheque Moradia.

“Como é de conhecimento de todos, o Cheque Moradia é um programa de governo instituído há mais de dez anos, pelo próprio Jatene, durante seu primeiro mandato, um benefício social institucionalizado – sem ter nenhuma conotação de instrumento eleitoreiro como apregoam os opositores signatários da ação”, lembra assessor de Jatene, em contato pelo telefone, minutos atrás.

Ideflor-bio contrata temporários

O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) abrirá inscrições nos nos dias 30 e 31 de março para o Processo Seletivo Simplificado (PPS) com objetivo de selecionar candidatos para os cargos de Técnico em Gestão Ambiental, Assistente Administrativo, Assistente Técnico de Informática, Auxiliar Operacional e Motorista.

O preenchimento das vagas é de caráter temporário e prevê lotação no município de Belém e escritórios regionais de Altamira e Marabá, além das Unidades de Conservação de Tucuruí e São Geraldo do Araguaia.

As inscrições serão feitas por meio do site do Ideflor-bio. Não há taxa de inscrição.

A jornada de trabalho será de 8 horas diárias ou de acordo com conveniência administrativa, totalizando 40 horas semanais em horário estabelecido de acordo com a necessidade da instituição.

O contrato administrativo terá duração de 12 meses, a contar da data de sua celebração, podendo ser prorrogado por igual período.

O processo compreenderá três fases, sendo a primeira a inscrição, de caráter habilitatório; a segunda a análise curricular, de caráter eliminatório e classificatório; e a terceira a entrevista, também de caráter eliminatório e classificatório.

Mais informações no edital, disponível no site do Ideflor-bio.

Prefeitura de Marabá acusada de “aparelhar” a máquina pública

Não se fala em outra coisa em Marabá.

Nas esquinas.

Nos meios de comunicação.

Até na Câmara Municipal, sujeito passivo quando o tema recorrente na sociedade envolve irregularidades em atos da prefeitura municipal.

Como tem cheiro de carne podre, até alguns vereadores rasgaram a chita, na última sessão do legislativo – afirmando haver aparelhamento nos processos seletivos que o poder público promove em alguns órgãos municipais.

Sendo mais explícito: a atual administração estaria usando o processo seletivo para contratar apadrinhados, em detrimento de servidores que comprovaram no ato de inscrição experiência e serviços já prestados em suas respectivas áreas.

A seletividade estaria a reboque da vontade pessoal de quem dirige cada secretaria, sem o respeito às normas que disciplinam as contratações.

A bronca já chegou, inclusive, ao Ministério Público, com denúncia formulada por grupo de motoristas de ônibus escolares, preteridos no processo de contratação voltado exclusivamente para novas caras e bocas.

PF combate organização criminosa no Pará e em outros Estados

O Estado do Pará está na lista da chamada Operação Retomada, deflagrada nesta terça-feira, 28, pela Polícia Federal (PF).

Na operação, estão sendo cumpridos 13 mandados de busca e prisão preventiva, 9 conduções coercitivas e 17 mandados de busca e apreensão nos estados de Rondônia, Maranhão,  Mato Grosso do Sul e Paraná – além do Pará..

Objetivo da operação é combater uma associação criminosa voltada para o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro em vários Estados do país, entre eles o Pará.

A investigação iniciou no mês de julho do ano passado e deu continuidade dos trabalhos desenvolvidos nas operações Nova Dimensão e Cardeal.

Durante as investigações foi possível identificar uma nova organização criminosa que agia de modo bastante semelhante as desarticuladas em operações anteriores.

Nesse caso, cargas de entorpecentes de Rondônia eram enviadas para outros pontos do território nacional, em especial para o interior do Pará e Maranhão.

O material era enviado em uma aeronave e depois seguia por via terrestre para os pontos de distribuição.