Sebrae reconhece Marabá com o premio “Prefeito Empreendedor 2014”

 

    Esse prêmio nos honra e nos dá muito orgulho porque demonstra que estamos no caminho certo. Ainda em 2013 implantamos em  Marabá  a “Sala do Empreendedor”,  o “Portal do Contador”, e fomos a sexta cidade do Brasil a implantar o alvará on-line. Tudo isso tem ajudado o micro e pequeno empreendedor em nosso município.

 

Ricardo RosaDeclaração é do secretário de Gestão  Fazendária de Marabá, Ricardo Rosa, ao agradecer, na solenidade de premiação dos “Prefeitos Empreendedores”,  a honraria conferida, pelo Sebrae, ao prefeito de Marabá, João Salame, um dos destaques da noite, em Belém, ao ser premiado na categoria “Desburocratização”.

O município de Marabá foi o grande vencedor do Prêmio “Prefeito Empreendedor” oferecido pelo Sebrae em reconhecimento a capacidade administrativa dos gestores que elaboraram os melhores projetos e implantaram ações em favor do surgimento e do desenvolvimento de pequenos negócios em seus municípios.

Marabá foi premiado pela implantação ano passado do Alvará Online e do Portal do Contador.

Essa é a primeira vez que o município recebe a importante premiação.

Ricardo Rosa (foto) lembra que o município nunca havia sequer sido indicado à premiação, que obedece a critérios rigorosos. “Inclusive os municípios selecionados não são informados durante o processo de avaliação. Somente após o resultado final”, frisa Rosa.

A premiação foi entregue na última quarta-feira (28), em Belém.

Representando o prefeito de Marabá, Ricardo Rosa recebeu o prêmio das mãos da presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Luzia Nadja Guimarães Nascimento, que estava como governadora em exercício.

O Prêmio é dividido em etapas estadual e nacional.

Marabá agora vai concorrer ao prêmio nacional, em solenidade na próxima semana, em Brasília. “Estamos felizes com essa premiação, que é extremamente séria, mostrando que o município de Marabá está no caminho certo, trabalhando para reduzir a burocracia e ampliar sua arrecadação”, ressalta Ricardo Rosa.

Sangue novo na Federação do Comércio

 

Depois de derrotar a chapa articulada por Fernando Yamada, na disputa pela presidência da Federação do Comércio de Marabá, Sebastião  de Oliveira Campos anuncia mudanças profundas em  órgãos como o Sesc e Senac, vinculados ao  Fecomércio.

E quer avançar na relação com os comerciários do Estado.

No Senac de Marabá e Santarém, Sebastião pretende  criar restaurantes  oferecendo refeições a R$ 4, 00.

Jornal Pessoal

 

Jornal Pessoal, já nas  bancas, abordando, esses  temas – entre muitos.

 

1-A Anistia mercantil

2-O mudo fala e erra

3-Justiça de novo punida

 4-ELEIÇÃO

Sem esperança

Nada de novo no front, é o que se pode prever para daqui a menos de cinco meses, quando os paraenses decidirão nas urnas sobre o seu futuro. Se os tucanos não conseguirem se manter no alto da gangorra, a ela voltarão os peemedebistas e petistas. Sem surpresa, sem novidade.

“Países que aceitam ser o bichinho de estimação dos americanos, terminam mal”

 

Odilon Vieira, advogado radicado em Marabá há vários anos, pontua num artigo publicado originalmente na revista “Foco Carajás”, considerações sobre o antagonismo  entre Estados Unidos e  Rússia:

 

 

A Grande farsa

Odilon Vieira, advogado 

 

 

Fico estarrecido com tamanha desfaçatez, que as notícias sobre a crise na Ucrânia são transmitidas pela mídia internacional.

Sustento que a Rússia não é terrorista, nem os americanos são paladinos da justiça.

Incialmente é preciso relembrar a história daquela região.  Os russos sempre foram a última trincheira em defesa da Europa. Na idade média sustentaram o peso dos mongóis,  nas guerras napoleônicas,  foi invadida pelo grande exército francês, segurou o ataque, e  os 500.000 soldados perdidos por Napoleão,  é marco da derrocada francesa, e mais recentemente sangrou vinte milhões de cidadãos,  na luta insólita contra Hitler.

Ainda no contexto histórico da Segunda Guerra,  importante destacar, que a Crimeia, foi palco de violentos combates entre o Grupo de Exércitos Sul da Alemanha, e o Exército Vermelho, a região era cobiçada por sua posição estratégica.

Voltando aos acontecimentos recentes na Ucrânia,  precisamos entender melhor o que vem acontecendo.

Ucranianos de extrema direita, liderados por grupo paramilitares promoveram pesadas manifestações,  até que conseguiram a renúncia de um presidente, eleito de forma democrática. Um presidente legítimo foi apeado do poder por fascistas. E por trás destas hordas está a União Européia e Estados Unidos. As manifestações dos extremistas ucranianos teve início quando os europeus ocidentais propuseram à Ucrânia,  o ingresso na falida União Européia, pois salvo a Polônia,  o restante vai mal.

A Rússia tem plena legitimidade para reinvidicar a Crimeia, foi realizado plebiscito e a população da região,  de forma esmagadora votou pela incorporação aos russos, todavia os imperialistas não querem aceitar a vontade popular, ao invés disto, estão aplicando sanções econômicas ao governo de Moscou.

As grandes democracias(supostas) não querem aceitar a vontade popular!!! Isto é um grande paradoxo, o que deixa claro que o interesse é puramente econômico, apenas querem escravizar o povo ucraniano.

Os países que aceitam ser o bichinho de estimação dos americanos, sempre terminam muito mal, pois eles(ianques) entram e não saem, e quando partem, deixam a guerra e a destruição.

Se entendermos que os russos não teriam legitimidade para requerer a Crimeia, com muito mais razão o México teria o direito de reaver o Texas, que foi anexado aos EUA pela selvageria do aço.

Ingleses e alemães também questionam a conduta russa na região da Crimeia, no que se refere aos britânicos lembro que saquearam metade do planeta durante o colonialismo e neo-colonialismo, no mínimo deveriam devolver as Malvinas à Argentina, para falarem algo. E os alemães? Depois do holocausto deveriam permanecer os próximos 500 anos em silêncio,  meditando sobre isto.

Chego a pensar na possibilidade de os EUA e seus fantoches estarem forçando uma nova Guerra Fria, para que suas indústrias bélicas, tentem reaquecer a economia quebrada com a crise capitalista de 2008, de qualquer forma tudo isso é bastante temerário,  aprendemos nos anos 80, que diante de um cataclismo nuclear não haverá vencidos, nem vencedores. A Rússia não é o Panamá,  não é a Nicarágua, mas pode ser muito pior que o Vietnã,  pode ser um pesadelo para os comedores de fast-food.

Os latino-americanos não podem compactuar com os embargos econômicos proposto pelo Tio Sam, pois hoje o alvo é a Rússia, amanhã pode ser o Brasil, principalmente no que se refere aos recursos naturais, quando os americanos esgotarem os deles, tentarão tomar os nossos e não poderemos deixar isso acontecer.

Quero demonstrar que milhões de russos se sacrificaram pelo unidade da região, e é justo que a Crimeia possa decidir seu futuro, caminhando ao lado da Rússia.

 

Ítalo coordenará campanha de Beto Salame

 

O empresário Ítalo Ipojucan  (PMDB) será o coordenador da campanha a deputado federal do advogado  Beto Salame (PROS).

Embora viesse sendo pressionado por amigos e algumas lideranças da área empresarial  para disputar uma vaga à Câmara Federal, Ítalo optou  pelo fortalecimento do nome de Salame, “como forma de facilitar a eleição de um representante marabaense na Câmara dos Deputados, depois que perdemos o Asdrubal Bentes (PMDB)”, explica Ipojucan.

Na avaliação do ex-presidente da Associação Comercial e Industrial de Marabá, “dois nomes  com domicílio  marabaense disputando votos num mesmo segmento não seria atitude  inteligente de luta pelo desenvolvimento de Marabá, já que correríamos o risco de não eleger ninguém, para nos representar em Brasília”, explica Ítalo.

A decisão de Ipojucan foi comunicada em Belém,  durante reunião entre ele, o prefeito de Marabá, João Salame, e o ex-prefeito de Ananindeua, Helder Barbalho (foto), causando impacto positivo entre apoiadores da pré-candidatura de Helder ao governo  do Estado.

Grande parte dos empresários de Marabá também aplaudiu a decisão de Ítalo.

“Como o Beto Salame já vem trabalhando seu nome em dezenas de municípios do Pará, a decisão do Ítalo foi sensata e revestida do mais alto grau  de  magnanimidade. Ele demonstrou total desapego a questões de cunho eminentemente pessoal, voltando-se para unificar forças em torno de um só nome para tentar substituir o Asdrubal Bentes, em Brasília”, disse empresário dirigentes da Associação Comercial de Marabá.

Depois de declinar do convite para ser candidato a deputado federal pelo PMDB, formulado a ele pelo vice-presidente estadual da legenda, no Pará, Helder Barbalho, o empresário recebeu o convite de João Salame e de Helder, para coordenar a campanha  de Beto Salame .

Italo e Helder e Salame