Na cena do conflito

Publicado em 28 de abril de 2009

O problema da concentração fundiária é uma verdadeira balbúrdia no Pará. Lidamos com glebas estaduais, com áreas da união de distintas formas. No mais, o que existe é uma indefinição acerca da legitimidade da propriedade de muitas áreas supostamente privadas. Algumas foram griladas, outras compradas com contratos de gaveta e estão sob suspeição na Justiça. O centro do problema é que a concentração fundiária deixa muita gente sem terra. O problema tem se agravado com o movimentado liderado pela senadora Kátia Abreu, do Tocantins, e por outros opositores da governadora Ana Júlia Carepa. Num movimento de agitação política, esses adversários políticos vieram ao Pará para insuflar fazendeiros a fazer justiça com as próprias mãos. É um grupo político articulado, ligado ao PSDB e ao DEM.

O toque é de Cláudio Puty, Chefe da Casa Civil, interpretando a visão do governo do Estado sobre o aquecimento dos conflitos fundiários. Ele foi provocado no blog do jornalista Ronaldo Brasiliense.

Conta simples

Publicado em 28 de abril de 2009

Relegada por mais de uma década de ausência de certames públicos para preenchimento de vagas para a Polícia Militar, a seleção de mais 2.200 PMs, iniciada em fevereiro, permitirá ao governo Ana Júlia encorpar a tropa em 15.200 militares, até o final do mandato. Algo em torno de 33% homens a mais, em quatro anos.

A falta de investimentos na área de segurança até dezembro de 2006 transformou o Pará num dos Estados com menor número per capita de policial, recomendado pela ONU de um para 250 habitantes.

Papel carbono

Publicado em 28 de abril de 2009

Sidney Rosas, ex-prefeito de Paragominas, citado aqui no blog como Plano B dos tucanos, caso Simão Jatene não aceite disputar o governo do Estado, parece querer muito mais do que isso. Basta conferir a quantidade de comentários assinados por amigos do vice-presidente da Fiepa rejeitando a condição de regra três do empresário.

Não foge aos menos atentos o padrão- carbono dos comentários, o que leva o poster a supor ter sido a mesma pessoa a redigi-los.

Pés nos chinelos

Publicado em 28 de abril de 2009

A partir de maio, José Sales assume a secretaria de Segurança Pública do Pará em substituição ao titular Geraldo Araújo, que sai de férias inicialmente planejada para curti-la na Europa, ao lado de familiares.

Bom momento esse escolhido por Geraldo para descanso, exatamente quando as forças de segurança se esforçam no cumprimento das complicadas operações de reintegração de posse de áreas invadidas.

Como ele se afastará do cargo no período em que os órgãos sob seu comando passarão a encarar a difícil retomada de fazendas invadidas no Sul do Pará, a indagação correndo gabinetes questiona até que ponto Geraldo Araújo controla realmente, com autoridade, a SSP.

O desgaste dele se espraia.

A última entrevista coletiva na qual ele disse que o governo não trataria a onda de invasões como caso de polícia, caiu como uma injetável paralisante no animo da tropa que se encontra em campo cumprindo os mandados de reintegração. Na visão de graduados subalternos, o secretário pode até ter dito uma verdade, mas anunciada em momento impróprio.

Conseqüência da desastrada entrevista? Geraldo saiu de foco.

Quem está colocando a cara diante dos holofotes, observem, é o Delegado-Geral da Polícia Civil, Raimundo Benassuly.

Autoridade presente

Publicado em 28 de abril de 2009

Hoje, se fizerem pesquisa em Tucuruí, não haverá nenhuma dificuldade de detectar a satisfação da população beirando à unanimidade com a decisão da governadora Ana Júlia determinar a retirada dos manifestantes do Movimento dos Alagados pela Barragem, que ocuparam por dois dias o canteiro de obras das Eclusas. Além de inconformada com a paralisação dos serviços do importante empreendimento, a comunidade viveu momentos de apreensão com boatos espalhados pelos lideres da ocupação da disposição deles danificar o reservatório de amônia, caso a polícia tentasse usar a força para desalojá-los.

Na manhã de domingo, tão logo a cidade tomou conhecimento da retirada dos manifestantes pela tropa de choque da PM, populares comemoraram aliviados.