Hiroshi Bogéa On line

Conta simples

Relegada por mais de uma década de ausência de certames públicos para preenchimento de vagas para a Polícia Militar, a seleção de mais 2.200 PMs, iniciada em fevereiro, permitirá ao governo Ana Júlia encorpar a tropa em 15.200 militares, até o final do mandato. Algo em torno de 33% homens a mais, em quatro anos.

A falta de investimentos na área de segurança até dezembro de 2006 transformou o Pará num dos Estados com menor número per capita de policial, recomendado pela ONU de um para 250 habitantes.

Post de 

4 Comentários

  1. Anonymous

    30 de abril de 2009 - 17:07 - 17:07
    Reply

    HIROSHI,
    ACREDITO QUE SERÁ RESOLVIDO OU MELHOR SANADO O PROBLEMA DA VIOLENCIA URBANA COLOCANDO OS POLICIAIS MILITARES PARA ANDAR, ANDAR E NAO FICAR EM CIMA DE CARRO.
    ACHO QUE DEVA HAVER UM PLANEJAMENTO PARA DISTRIBUIÇÃO DESTA CORPORAÇÃO.
    É MUITA INCOMPETENCIA.
    LADRAO, BANDIDO, TRAFICANTE NAO ESTA ESCRITO NA TESTA.
    TEM QUE SER POLICIAMENTO OSTENSIVO. FAZER RONDAS A PÉ, EM DUPLAS. OUTROS EM VEICULO PARA DAR SUPORTE.
    RECENTEMENTE NUM DOMINGO POR VOLTA DO MEIO DIA NA CIDADE NOVA, MAIS PRECISAMENTE NA RUA SERVULO BRITO COM CASTELO BRANCO UM JOVEM FOI ASSALTADO E O DEIXARAM NÚ. É UM ABSURDO. NINGUEM AGUENTA MAIS. CHEGA!!!!

  2. Anonymous

    29 de abril de 2009 - 23:21 - 23:21
    Reply

    Companheiro das 12:22. Longe de mim usar um espaço importante como êsse prá tirar casquinha em alguém. Na verdade essa de tirar casquinha é uma atitude própria do PT que sempre, mas sempre mesmo, quando é avaliado negativamente não assume suas deficiências, culpa seus antecessores. Na área da segurança pública, então, os ruins de governo continuam culpando o PSDB, que é bom lembrar, na campanha prá o governo era responsabilizado pelo PT por não ter políticas públicas para combater as desigualdades. E agora a ausência dessas políticas públicas tão cobradas no passado e totalmente ausentes no presente, estão fora do vocabulário das cabeças virtuosas dos phds vermelhos. Essa é a questão. E podes crer, mano, a falácia está acabando e eles sabem que dificilmente se reelegerão, tanto que estão de quatro para o Jáder. Porque sozinhos vão probeléléu, como sempre.

  3. Anonymous

    29 de abril de 2009 - 15:22 - 15:22
    Reply

    O companheiro anônimo das 5:07PM, pelo jeito, entende tudo de segurança pública!? Uma coisa camarada não tem nada a ver com a outra!

    Primeiro: a proporção recomendada pela ONU não pressupõe que é apenas com maior policiamento que se resolve o problema da segurança pública. O que ela indica, é apenas qual deveria ser o mínimo recomendado para que a política de segurança pública como um todo gere resultados.

    Segundo: o problema no caso do Pará, é que estávamos num nível muito abaixo do recomendado, e isso por si só já é um problema, sem contar o nosso histórico de conflitos no campo…

    Terceiro: o fato de se tentar aproximar a proporção ideal com a contratação de mais policiais não significa que essa é a única vertente de intervenção do atual governo. Não é isto que está sendo dito no post!!

    Resultado: as suas conclusões, camarada, são puramente falaciosas… Não merecem respeito por não procurarem contribuir em nada com o esclarecimento da questão ou com a solução do problema. Falando de outra forma: não são justas e sim tendenciosas!

    O que estou tentando dizer é que o que importa aqui não é ser a favor de X ou Y, e sim pelo menos sermos justos se quisermos contribuir com a solução do problema! O que vc pretende, por outro lado, é somente tirar uma casquinha política… daí nossas diferenças…

    Abs.

  4. Anonymous

    28 de abril de 2009 - 20:07 - 20:07
    Reply

    Muita Polícia na ruas!!! essa é mesmo a maneira mais prática de mostrar o tamanho da incompetência desse povo do PT. Na verdade, o que faltam são políticas públicas prá combater as desigualdades sociais que geram tanta violência. Mas, para o desgoverno da Carepa, o problema é deficit policial. Então, bota mais despreparados fardados nas ruas, bota….

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *