Parque Zoobotânico Vale agora é BioParque Vale Amazônia

O Parque Zoobotânico Vale agrega um novo capítulo a sua história.

O espaço agora passa a se chamar BioParque Vale Amazônia e nasce como um dos principais centros de pesquisa, conservação e educação da biodiversidade do Brasil.

Fundado há cerca de 40 anos e instalado no coração da Floresta Nacional de Carajás, no município de Parauapebas, Sudeste paraense, o bioparque ocupa 30 hectares de área, dos quais cerca de 70% de floresta nativa, dividido entre 29 recintos, conta com mais de 360 animais e um herbário, com 10 mil plantas catalogadas e certificadas pelo Jardim Botânico de Nova Iorque.

Na linha da pesquisa, em parceria com o Instituto Tecnológico Vale – Desenvolvimento Sustentável (ITV-DS), o bioparque realiza estudos sobre o DNA de espécies da Amazônia, sendo rota de produção científica de universidades do Brasil e do exterior.

O espaço conta também com um centro de visitantes, sala de exposições, orquidário, entre outros, e um viveiro de imersão com mais de 65 pássaros de 22 espécies, vivendo soltos e fazendo sobrevoo entre os visitantes. Outras estruturas como hospital veterinário, setor de reprodução de aves, biotério (local dedicado ao estudo da vida, reprodução e manutenção de animais) e sala de nutrição são dedicadas aos cuidados dos animais do BioPaque Vale Amazônia.

“A mudança do nome tem como objetivo ressignificar para o público externo o que já fazemos aqui há anos, que é focar nas atividades que proporcionem o bem-estar animal e na relação entre homem e natureza, promovendo diariamente uma imersão dentro da Floresta Amazônica como espaço de convivência, centro de pesquisa e conservação de espécies da fauna e da flora amazônicas, além de diversas atividades relacionadas à educação ambiental de jovens e adultos”, explica Valéria Franco, gerente executiva de Saúde, Segurança,  Meio Ambiente, Emergência e Risco do Corredor Norte.

O BioParque Vale Amazônia já registrou nascimentos importantes de espécies ameaçadas de extinção da fauna amazônica, como os primatas bugio e macaco-aranha-da-testa-vermelha, urubu-rei e seis filhotes de onça-pintada.

No parque, ocorreu o primeiro sucesso reprodutivo de um gavião-real ou harpia, a maior águia encontrada no Brasil. Exemplares de ararajuba, ave símbolo da Amazônia, foram encaminhadas ao Parque Ambiental do Utinga, unidade de conservação estadual da Região Metropolitana de Belém, para serem reintroduzidas à natureza.

O supervisor do bioparque, Cesar Neto, reforça que, para os usuários, a visitação continuará proporcionando a mesma experiência de desfrutar da paisagem e de conhecer mais sobre a flora e fauna ali preservadas.

“O atendimento ao público não muda. Nós vamos continuar recebendo o nosso visitante diário, assim como as turmas escolares, os universitários e pesquisadores que nos procuram como centro de referência em pesquisa de fauna e da flora da região”, ressalta.

 

A importância de BioParques na Década da Restauração

A Assembleia Geral das Nações Unidas declarou o período de 2021-2030 como a “Década da Restauração de Ecossistemas”, que tem como principal objetivo aumentar os esforços para restaurar ecossistemas degradados, criando medidas eficientes para combater as crises climática, alimentar e hídrica e a perda de biodiversidade.

O último relatório sobre o impacto humano na natureza, publicado pela ONU, mostra que quase 1 milhão de espécies e plantas correm o risco de extinção. E, dentro deste contexto, os bioparques assumem um importante papel para conservação da biodiversidade brasileira, desenvolvimento de pesquisas e ações de educação ambiental.

No Pará, a Vale apoia o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) na proteção de uma área de 800 mil hectares, composta por seis unidades de conservação. É a maior extensão de floresta contínua no sudeste do estado. No local, estão preservadas mais de 1 mil espécies da fauna amazônica.

O BioParque Vale Amazônia desenvolve um papel importante relacionado ao negócio da companhia, que é a mineração sustentável dentro da Floresta Nacional de Carajás, a partir de estratégias de conservação, como o Plano de Gestão de Biodiversidade de Carajás (PGBio), que reúne pesquisas e elaboração de estratégias que contribuem para conciliar as atividades da mineração com a conservação, apoiando, com o conhecimento gerado, as ações das operações, de licenciamento, expansões e de novos projetos da Vale na região.

 

Serviço

O BioParque Vale Amazônia é aberto de segunda a domingo, sete dias por semana, das 10h às 16h. É necessária a liberação de acesso na portaria do ICMBio, em Parauapebas, para acessar a Floresta Nacional de Carajás.

 

Na foto de Ricardo Teles, o BioParque Vale integra estratégia de conservação da Vale para mineração sustentável dentro da Floresta Nacional de Carajás

Radialista do Pará que disse que indígenas devem ser “extirpados” vira réu por ódio e racismo

Extraído do Blog do Jeso:

 

A Justiça Federal obrigou o Facebook e o Google a retirarem do ar vídeos de um radialista de Santarém (PA) que, segundo o Ministério Público Federal (MPF), propagam discurso de ódio e racismo contra indígenas e quilombolas.

Apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), o radialista Hélio José Nogueira Alves – que defendeu que indígenas sejam “extirpados” da região – foi proibido de cometer ou provocar atos de racismo e será preso preventivamente caso descumpra essa proibição, estabeleceu a Justiça.

A narrativa difundida por Hélio Nogueira é a de que indígenas e quilombolas teriam sido “inventados”. Na lógica dessa narrativa, a “invenção” seria uma manobra para dificultar o desenvolvimento econômico da região.

O MPF também pediu à Justiça Federal que, pelos danos morais cometidos, o acusado seja condenado a pagar R$ 300 mil para a etnia indígena e/ou para a comunidade quilombola atacadas.

Na área civil, outro pedido à Justiça é que o jornalista e a empresa Nossa Voz Comunicação e Pesquisas Ltda sejam condenados a fazer retratações públicas nos canais em que indígenas e quilombolas foram ofendidos.

Foi pedido pelo MPF, ainda, que o radialista e a empresa tenham que elaborar e divulgar semanalmente materiais informativos propostos por indígenas e quilombolas, que apresentem e valorizem a cultura e a história desses povos.

Esses demais pedidos aguardam análise da Justiça.

Faltando apenas um jogo para terminar a fase, Paysandu busca o primeiro lugar na Série C

O Paysandu volta a campo neste sábado, 13, contra o Floresta às 17h, na Curuzu, buscando superar o Mirassol em pontuação.

Papão venceu os dois últimos jogos e empatou com o clube paulista em pontos. Com uma rodada restante para o final da primeira fase, o time bicolor pode ultrapassar o Terror do Interior e se classificar em primeiro lugar.

O Papão pode conseguir a mesma façanha do ano passado, quando terminou a primeira fase da série C em primeiro lugar. Ano passado a formatação do campeonato era diferente.

Na segunda fase, o Paysandu não conseguiu repedir o desempenho e não foi muito bem no quadrangular.

Para terminar a primeira fase como líder, o Papão tem que torcer para o Mirassol não vencer o último jogo. Apesar de ter os mesmos 33 pontos, o Paysandu tem uma vitória a menos, que é o primeiro critério de desempates. Se os dois times terminarem com a mesma pontuação, o Terror do Interior garante a liderança.

Caso fique em primeiro, o Paysandu iria para o grupo C e mudaria os adversários do quadrangular. Até o momento, o Papão tem ABC, Figueirense e Botafogo-SP como próximos adversários de grupo.

 

Primeiro caso suspeito de varíola dos macacos é registrado em Castanhal

A prefeitura de Castanhal anunciou nesta segunda-feira, 8, o primeiro caso suspeito de varíola dos macacos (Monkeypox), no município, no nordeste do estado.

A paciente é uma mulher, de 34 anos, que foi atendida em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), na última sexta-feira, 5.

A Secretaria de Saúde do Município informou através de nota que a paciente apresentava erupções cutâneas, mas estava em um quadro clínico estável.

Ela está em isolamento e segue os cuidados para evitar o contágio direto da doença.

Pesquisa confirma “dobradinha” Ilker/Elcione em algumas cidades da região

Blogueiro teve acesso a mais uma pesquisa que mede o desempenho dos candidatos proporcionais na egião de Carajás.

Mais uma vez, maioria dos eleitores que citam tendência em votar no candidato a deputado estadual Ilker Moraes, diz que seguirá Elcione Barbalho, para deputado federal.

Em 1 de julho, o blog já havia registrado essa tendência, através de uma pesquisa aqui realizada.

Agora, maioria daqueles que dizem votar em Ilker, também prefere Elcione para federal.

Ou seja, a tendência se consolida.