Helder entrega PA-275 recuperada

Na segunda-feira, 24, governador Helder Barbalho entregou a a Rodovia PA-275, ligando Eldorado a Parauapebas.

São cerca de 100 km de pista totalmente reconstruídos com recursos do governo estadual. As intervenções foram iniciadas em setembro de 2020.

A rodovia é fundamental para a logística de escoamento da produção agrícola e mineral da região, além de oferecer mais agilidade e segurança no deslocamento entre os municípios.

“Não só a PA-275, mas outras vias, como a Estrada do Carne de Sol, ficaram abandonadas por muitos anos. Foi preciso vir um governo que trabalhe de forma contundente, que esteja por aqui conosco sempre, nesta região de onde saem 70% de todo o minério exportado pelo Pará”, enfatizou o gestor municipal.

Insumos para mutirão de testagem começam a chegar ao interior

Centros Regionais de Saúde de várias regiões já estão recebendo do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), 74.250 testes de antígeno, que serão usados no mutirão de testagens para Covid-19, a partir desta quarta-feira (26) em municípios do interior.

Os testes são distribuídos pelo Laboratório Central do Estado (Lacen) para os Centros Regionais de Saúde responsáveis pelos municípios que já aderiram às novas estratégias de combate ao coronavírus, anunciadas na última sexta-feira (21) pelo governo do Estado.

As entregas, iniciadas nesta segunda-feira (24), prosseguem na terça (25). Parte dos testes seguirá para o interior em aeronaves do Graesp (Grupamento Aéreo de Segurança Pública), sobretudo para os 10ª e 13º Centros Regionais de Saúde.

A logística é semelhante à posta em prática no envio das vacinas.

Acidente na PA-150 com ônibus da Boa Esperança pode ter sido causado por negligência do motorista

Pelo menos é essa conclusão das investigações iniciais sobre a causa do acidente que tombou um ônibus da empresa Boa Esperança que fazia o trajeto Belém-Redenção.

Entre Jacundá e Nova Ipixuna, o veículo tombou na rodovia, depois de uma tentativa do motorista em  cruzar um outro carro que se postava à frente do coletivo intermunicipal.

Informações de passageiros garantem que o motorista da empresa teria perdido o controle da situação, levando o carro à capotagem.

Cerca de quinze passageiros foram levados a um hospital de Jacundá, para tratamento de ferimentos sem maiores gravidades.

 

Até a próxima quinta-feira, 27, vazante do Tocantins deve chegar a 11 metros

Previsão é  do sistema da Eletronorte de monitoramento de vasões e cheias do rio Tocantins.

Até o próximo dia 27, a vazante do rio chegará a 11,06m, depois de ter superado a casa de 13 metros, desalojando milhares de famílias dos municípios de Marabá, Tucuruí, Itupiranga a arredores.

A vazante não quer dizer que a cheia s=chegou ao seu final.

Não!

Há previsão de muita chuva até o mês de março, período no qual as cheias  vem e vão, sem avisar.

O gráfico acima foi extraído do sistema de monitoramento de estatal.

 

Decreto presidencial que permite a destruição de cavernas é um crime contra a humanidade, dizem especialistas. STF suspende parte do decreto de Bolsonaro

A sanha predatória do presidente Jair Bolsonaro não dá trégua e último capítulo de sua política de devastação ambiental ficou por conta de um decreto expedido na quarta-feira (13), que passou a permitir a destruição de cavernas em todo o país para que nesses locais sejam erguidos “empreendimentos”, até mesmo de mineração.

No Brasil, todas as cavernas localizadas em zonas de licenciamento ambiental recebem uma classificação quanto a sua relevância, numa escala cujas definições são máxima, alta, média ou baixa. É essa estratificação que define de qual forma elas podem ser exploradas. Com o novo decreto, publicado no Diário Oficial da União, todas poderão dar lugar a um empreendimento considerado de “utilidade pública”.

O que também está em risco são as áreas ao redor das cavidades subterrâneas, já que o texto assinado por Bolsonaro dá permissão para atividades independentemente do seu grau de relevância.

O instinto predador de Bolsonaro, no entanto, encontra resistência dentro do STF.

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu nesta segunda-feira (24) parte do decreto de Bolsonaro publicado no último dia 12, que abriu brechas que facilitam a exploração de minérios em cavernas e a construção de empreendimentos ao redor desses locais.

Em sua decisão, Lewandowski alegou que tal medida pode provocar danos irreversíveis a estes locais e, portanto, merece ser barrada.

“Em face de tudo quanto foi exposto, e considerando, especialmente, o risco de danos irreversíveis às cavidades naturais subterrâneas e suas áreas de influência, penso que se mostra de rigor o deferimento, em parte, da medida acautelatória pleiteada nesta ação”, escreveu Lewandowski na decisão.

No Brasil, todas as cavernas localizadas em zonas de licenciamento ambiental recebem uma classificação quanto a sua relevância, numa escala cujas definições são máxima, alta, média ou baixa. É essa estratificação que define de qual forma elas podem ser exploradas. Com o novo decreto, publicado no Diário Oficial da União, todas poderão dar lugar a um empreendimento considerado de “utilidade pública”.

Lewandowski destacou ainda que, “as disposições, a toda a evidência, ameaçam áreas naturais ainda intocadas ao suprimir a proteção até então existente, de resto, constitucionalmente assegurada“.