Mais de 60% dos aprovados na UEPA são estudantes do ensino público

Ao seu anunciado por alguns assessores do ministro da Educação de que o governo atual comandado pelo Michel Temer estuda a possibilidade de avançar na privatização do ensino no Brasil, a rede pública de ensino mostra sua vitalidade ao ter mais de 60% de estudantes aprovados no Vestibular da Uepa.

A divulgação hoje do listão mostra essa excelente notícia, depois de analisada a origem preparatória dos classificados.

Do total de 2.323 estudantes, quase 63% dos aprovados no Processo Seletivo da Universidade do Estado do Pará, são de escolas públicas do Estado, segundo informou a assessoria de comunicação da Uepa, nesta terça-feira (31).

Os dados foram contabilizados logo após o listão divulgado na manhã de hoje pela instituição. Entre os aprovados do Prosel, quase 69% são oriundos de escolas públicas, já no Prise, 54% são provenientes da rede estadual.

De acordo com levantamento da Uepa, dos  2.199 candidatos aprovados pelo Prosel, 1.512 (68,76%) são de escolas públicas paraenses e 651 candidatos (29,60%) são de escolas particulares do Estado.

Dos demais aprovados, 25 (1,14%) referem-se à certificação do Pará  e 11 candidatos são de escolas de outros estados (0,50%).  Já em relação ao Prise, que contabiliza um total de 1.496 aprovados, 811 (54%) são alunos da rede estadual e 673 (46%) do ensino particular.

É esse público cada dia mais qualificado que os donos das faculdades privadas do país – entre eles, o próprio ministro da Educação, Mendonça Filho, quer abocanhar, ensaiando propostas de privatização para, numa dessas votações do Congresso Nacional, na calada da madrugada, acabar com o ensino público.

Amat e Cisat marcam eleições para fevereiro

Wagne Costa Machado (PMDB), prefeito de Piçarra, está contado para tocar a Associação dos Municípios do Araguaia-Tocantins (Amat).

Até o início desta semana, Machado era tido como candidato único.

A eleição está marcada para o dia 15 de fevereiro.

Na sequência da eleição da Amat, disputa que deverá ser mais concorrida é da presidência do Cisat – Consórcio Intermunicipal de Saúde do Araguaia-Tocantins.

Envolvido nos últimos meses em escândalos de corrupção, a presidência do órgão tem alguns nomes ventilados para a disputa – entre eles,  Hildefonso de Abreu Araújo, prefeito de Abel Figueiredo; e, Maria da Graça Matos, prefeita de Nova Ipixuna

O atual presidente do Cisat é o ex-prefeito de Brejo Grande do Araguaia, Marcos Dias do Nascimento,  sobre quem recaem denúncias de prática de corrupção.

Eleição do Cisat será logo depois da escolha do presidente da Amat.

——————

Atualização  às 13:05

Blogueiro acaba de ser informado que o prefeito de Conceição do Araguaia, Jair Martins, também do PMDB, pretende lançar seu nome para concorrer à presidência da Amat.

Em Santarém, o ódio contra uma professora de ensino público

A sociedade brasileira tem um histórico de intolerância com a diferença e que essa intolerância é constitutiva da estrutura social do país.

Mais um exemplo de tempos sombrios, o país está vivendo, vem lá de Santarém.

Denúncia de que uma professora da rede pública de ensino foi agredida, mantida em cárcere privado e, absurdo dos absurdos, torturada pela ex-secretária adjunta da Semed (Secretaria Municipal de Educação) no governo Alexandre Von (2013-2016) Marilza Serique.

O Jeso, em seu blog sempre em cima do lance, é quem nos passa a informação.

Esse caso de Santarém vem enriquecer capítulos de uma longa história no Brasil de intolerância com os mais pobres, com os negros, com as mulheres, com as crianças dentro de casa etc.

Intolerância para com a diferença, sobretudo com a diferença que não se sujeita às relações hierárquicas, é um dado histórico e constitutivo da estrutura da sociedade brasileira.

Ódio cada dia se consolidando,  fomentado em grande parte pelos meios de comunicação.

 

Vai fazer Prouni? Inscrições começam hoje

A partir de hoje (31), os estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no ano passado podem se inscrever no Programa Universidade para Todos (Prouni). As inscrições podem ser feitas pela internet, no site do programa. O período de inscrições se encerrará às 23h59, no horário de Brasília, de 3 de fevereiro.

No total, serão oferecidas 214.110 bolsas de estudos, número que apresenta um crescimento de 5% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram ofertadas 203.602 bolsas. O ProUni concede bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação em instituições privadas de educação superior de todo o país. A seleção dos candidatos, com base nas notas do Enem, alinha inclusão à qualidade e mérito dos estudantes com melhor desempenho acadêmico.

Do total de bolsas ofertadas, 103.719 são integrais e 110.391 parciais — o governo federal cobre 50% da mensalidade. Para acesso ao processo seletivo, na página eletrônica do programa, o candidato deve informar o número de inscrição e a senha usados no Enem. É possível escolher até duas opções de curso, por ordem de preferência.

O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 6 de fevereiro e o da segunda chamada, no dia 20.

Podem concorrer os estudantes que não tenham diploma de curso superior e tenham alcançado o mínimo de 450 pontos no Enem; tenham cursado o ensino médio em escola pública ou, na condição de bolsista integral, na rede particular e comprovem renda familiar de até um salário mínimo e meio para a bolsa integral e de até três salários mínimos para a parcial. Também podem participar pessoas com deficiência e professores  da rede pública que integrem o quadro permanente da instituição de ensino.

Veja aqui se seu nome está no listão dos aprovados na UEPA

 

Saiu agora de manhã o listão com os nomes dos 3.702 calouros da Uepa (Universidade do Estado do Pará), de 27 cursos.

As vagas foram distribuídas igualmente para quem concorria no Prosel ( Processo Seletivo) e na 3ª etapa do Prise (Programa de Ingresso Seriado).

Em 2017, a Uepa também reservou 50% das vagas a candidatos que cursaram todas as séries do ensino médio em escolas da rede pública, por meio do sistema de cotas sociais.

No Prise, o curso mais concorrido entre os candidatos não cotistas foi o de Biomedicina, com 24 inscritos por vaga, seguido de Fisioterapia, com 20,7 candidatos por vaga e, em terceiro, Medicina, com 18,6 concorrentes por vaga.

Já entre os cotistas, o curso mais concorrido foi Medicina, com 9,4 candidatos por vaga, além de Fisioterapia, com 7,8 inscritos por vaga e Biomedicina, com 7,3 candidatos por vaga. No Prosel, os cursos de saúde também foram os mais concorridos.

Veja o nome dos aprovados aqui!