Marabá sedia 34a. Conferência do Rotary

Publicado em 30 de abril de 2014

 

Será aberta em Marabá, nesta quinta-feira,  a  34ª. Conferência Distrital do Rotary Clube, que acontece uma vez ao ano, e, agora, pela primeira vez no Sul do Pará.

Até o final da tarde de terça-feira, 29, trezentos rotarianos haviam confirmado  presença.

Karam El Hajjar, coordenador do encontro em Marabá, tem expectativa da presença de pelo menos 350 pessoas.

João Roberto Oliveira, governador do Distrito 4.720, do Rotary Clube, responsável por clubes rotários localizados em seis Estados da Amazônia (Amapá, Acre, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima) falou ao blog sobre o encontro.

“O propósito da conferência distrital realizada anualmente é fornecer oportunidades de networking, discursos inspiradores e debates de assuntos rotários. No evento são enfatizadas iniciativas em imagem pública do distrito para que os rotarianos se envolvam ainda mais. A Conferência deve também dar aos participantes uma visão de Rotary além do clube, além de debater  assuntos de interesse geral da sociedade”.

Governador diz que Marabá foi escolhida para sediar a conferência “por representar a cidade de maior projeção no Sul do Pará, além de ter estrutura capaz de acolher todos os participantes.

O Distrito 4.720 do Rotary Clube tem

A seguir, programação oficial da conferência do Rotary Clube.

 

Dia 1º de Maio (Quinta feira)

Local: Teatro Leonardo da Vinci – Faculdade Metropolitana

08h

Inscrições, credenciamento e entrega de materiais

 

20h

Sessão Solene de abertura da conferência

21h30

Coquetel
   
Dia 02 de Maio (Sexta-feira)

Local: Teatro Leonardo da Vinci – Faculdade Metropolitana

7h30

Inscrições, credenciamento e entrega de materiais

8h30

Lema “ Viver Rotary, Transformar vidas”

Expositor:  Octávio  Augusto Britto Gomes de Souza – GD 1974-1975
Decano do Colégio de Governadores do Distrito 4720

08h50

Riquezas Minerais do Pará

Palestrante: José Fernando Gomes Junior

Presidente do Simineral do Estado do Pará

9h30

Logística, uma obrigação institucional e natural para com a Amazônia

Palestrante: Divaldo Salvador de Souza

Presidente da RMB – Recursos Minerais do Brasil

10h15

Coffee Break

10h30

Fundação Rotária, uma ferramenta eficaz para o seu Clube

Palestrante:  Paulo Augusto Zanardi  – GD 2006-2007 – Distrito 4730

11h

Cenários de oportunidades e desenvolvimento regional

Palestrante: Italo Ipojucan Costa
Diretor da Associação Comercial de Marabá

11h30

Desenvolvimento do Quadro Associativo, crescer para transformar vidas

Palestrante: Claud Wagner Gonçalves Dias –  GD 1998-1999 Distrito 4530

12h10

Promoção da Convenção internacional de RI de Sidney – Austrália

Expositor: George Teixeira Pinheiro – GD 2001-2002

12h20

Considerações do GD Francisco Fernando Schlabitz
Representante pessoal do Presidente de RI  Ron Burton

12h30

Avisos e Comunicações do protocolo

12h40

Encerramento das plenárias pelo GD João Roberto Dias de Oliveira

Almoço e Tardes Livres

18h

Reunião do Colégio de Governadores
Local: Auditório Cobre –  Hotel Golden Ville

19h

Jantar de Companheirismo e Noite dos Talentos

Local: O Casarão Eventos

   
Dia 03 de maio (Sábado)

Local:Teatro Leonardo da Vinci – Faculdade Metropolitana

8h30

Cidadania e Organização Social

Palestrante: José Olimpio Bastos

Superintendente  do SESI –PA

9h

Imagem Pública na era da conectividade

Palestrante: Ana Cristina Pio de Lacerda

Jornalista e Diretora da  Agência Planet Comunicação

9h30

Fortalecendo a Imagem de Rotary: Conte a nossa história

Palestrante: Vera Luce Canto Bertagnoli GD 2007-2008

10h

Aspectos geopolíticos e estratégicos da Amazônia, com ênfase na Amazônia Oriental

Palestrante: General de Brigada Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira

Comandante da 23ª Brigada de Infantaria de Selva – Marabá

10h30

Coffee Breack

10h45

Fundação Rotária: Da França até a Amazônia, cultivando novas experiências graças ao Rotary

Sophie Plassin

Bolsista 2014-2017

11h

Fundação Rotária: Bolsa Rotary da Paz Mundial

Eduardo Rodrigues da Costa

Bolsista 2010-2012

11h15

Prestação de contas  – Roberto Russel da Cunha – GD 2012-2013

11h20

Apresentação  e Homologação da GD 2016-2017 – Lucicléia Barreto de Queiroz

11h25

Promoção da Convenção Internacional de RI 2015 – Vamos a São Paulo

Promoção da XXXV Conferência Distrital

Expositor: Carlson Uchôa Pinto – GD 2014-2015

11h45

Moções e Resoluções

11h55

Certificações e Honrarias

12h05

Premiação

12h35

Pronunciamento do GD  João Roberto Dias de Oliveira

13h

Avisos e comunicações do Protocolo

13h05

Pronunciamento do GD Francisco Fernando  Schlabitz
Representante Pessoal do Presidente de RI  Ron Burton

13h30

Encerramento

14h

Almoço de confraternização

Local: Loja Maçônica Trabalho e Silêncio N° 6

End.: Folha 16 – Nova Marabá

 

20h

Jantar de encerramento

Local: Sede do Rotary Club de Marabá –

End.: Folha 29 – Nova Marabá

   
Dia 04 de maio (Domingo)

9h

Missa

 

Almoço e tarde livres
João Roberto Oliveira, governador do Rotary Clube, e   Karam El Hajjar, Coordenador da 34a. Conferência Distrtital
João Roberto Oliveira, governador do Rotary Clube, e Karam El Hajjar, Coordenador da 34a. Conferência Distrital
“Delsão” pega 12 anos de cadeia por mandar matar Dezinho

Publicado em 30 de abril de 2014

 

 

“A injustiça num lugar qualquer é uma ameaça à justiça em todo o lugar”. Foi com esta frase do ativista Martin Luther King que o juiz Raimundo Moisés Alves Flexa iniciou a leitura da condenação a 12 anos de prisão do fazendeiro Décio José Barroso Nunes, o Delsão. O mineiro, que mora há 34 anos em Rondon do Pará, foi considerado mentor do assassinato de José Dutra da Costa, o Dezinho. O júri popular realizado em Belém encerra uma luta de 14 anos por justiça empunhada pela viúva do então presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade. Maria Joel Dias da Costa assumiu a presidência da entidade e passou a ser alvo das mesmas ameaças sofridas pelo marido, o que lhe levou a ser inserida em programa de proteção a testemunhas.

O juiz Raimundo Flexa destacou o transcurso normal do julgamento, iniciado às 8h da manhã e encerrado às 21h30, na capital paraense, para onde fora transferido o processo, justamente em função do poder político e econômico do fazendeiro, que poderia, segundo a acusação, influenciar o resultado em favor do réu. “Contamos com uma plenária sempre cheia e ordeira. É mostra de que meu estado tem pessoas educadas. Agradeço a maneira cortês com que se mantiveram”, reiterou Flexa.

O promotor Franklin Lobato afirmou, ao final da sentença, que se sentia satisfeito, certo de que havia sido feita justiça. Na Assistência da Acusação durante o júri, ele contou com Marco Apolo Santana Leão e Anna Cláudia Lins, advogados da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH); e José Afonso Batista, advogado da Comissão Pastoral da Terra no Pará (CPT). Também contou com a presença de observadores das organizações Justiça Global e Terra de Direitos, além de representantes da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Um dos aspectos cruciais no júri de hoje foi o testemunho de Francisco, que é irmão do pistoleiro Pedro, também assassinado. Ele, igualmente, teve de ser inserido no programa de proteção a testemunhas e entrou no júri com rosto coberto. Esse cenário fúnebre é apenas um dos elementos freqüentes em crimes do gênero e que marcam tragicamente a vida de quem mora no Pará. Conforme descreveram os advogados durante o júri, o caso Dezinho é emblemático quando representa a realidade brasileira, onde apenas 8% dos assassinatos por conflitos no campo são levados a julgamento. É simbólico ainda por conter uma série de elementos sintomáticos do conflito agrário: grilagem de terras, denúncias de trabalho escravo, ocupação de áreas improdutivas, contrato de pistoleiros e intermediários para fazer tombar lideranças campesinas, como Dezinho.

Mais mortes e desaparecimento de testemunhas também fazem parte do mesmo processo, concentrando a responsabilidade sobre o fazendeiro Décio Nunes, inclusive no estado do Maranhão.

Advogados da Acusação lembraram ainda que a justiça brasileira, quando chega, é para os menos favorecidos. Raramente se vê cumprir pena o mandante dos crimes. No caso Dezinho, a condenação chegou ao pistoleiro Welington de Jesus da Silva, jovem de 19 anos e semi-analfabeto. Ele foi preso em flagrante e condenado a 27 anos de reclusão, mas está foragido.

Advogado de Defesa, Roberto Lauria insistiu na inocência de seu cliente; reiterou, ao menos três vezes, que, em caso de qualquer dúvida, os jurados deveriam livrar Delsão de culpa; e afirmou que não havia provas suficientes para incriminar o fazendeiro. No entanto, prevaleceu a tese da Acusação e a maioria dos jurados reconheceu Décio como autor intelectual do assassinato do sindicalista Dezinho. (SPDDH)

Pescadores pretendem discutir derrocagem do Lourenço

Publicado em 30 de abril de 2014

 

Quem informa, de Jacundá, é o repórter Antonio Barroso:

 

Uma reunião prevista para acontecer na próxima quinta-feira, 1º de maio, a partir das 8h, na cidade de Itupiranga, sudeste do Estado, com pescadores da região à montante da Hidrelétrica Tucuruí pretende discutir os impactos que serão causados ao setor pesqueiro pela derrocagem do Lourenço ao longo de 43 quilômetros de extensão do rio Tocantins, o que tornará o rio navegável para grandes barcaças. Os pescadores temem prejuízos irreversíveis a partir do início das obras, cujo edital de licitação será publicado pelo governo edital, e anunciado pela presidenta Dilma Roussef.

A mobilização pública está sendo convocada pela Colônia de Pescadores Z-58, de Nova Ipixuna. Segundo o presidente da entidade pesqueira, Zacarias Rodrigues da Silva, o encontro pretende reunir os pescadores e moradores ribeirinhos à montante e à jusante da UHE Tucuruí “para um grande evento em protesto contra o governo federal e empresas privadas, como a Vale e outras que serão beneficiadas pela hidrovia Araguaia-Tocantins, a partir da abertura do canal do Pedral do Lourenço”.

Segundo ele, “o setor da pesca e as comunidades ribeirinhas pretendem resistir às imposições do governo federal em executar o derrocamento do pedral do Lourenço, sem antes ser agendada uma reunião exclusiva do setor pesqueiro para uma apresentação mais detalhada do projeto e discussão e recebimento das reivindicações da classe”. Pelos cálculos do líder de pescadores serão impactados mais de 50 mil pessoas ao longo do rio Tocantins, precisamente entre os municípios de Marabá a Tucuruí.

Entre as questões consideradas prejudiciais aos profissionais da pesca e moradores da região do grande lago estão: falta de diálogo com o setor da pesca sobre o projeto, os impactos causados às espécimes piscosas em decorrência da derrocagem – visto que dezenas de espécies de peixes vivem e reproduzem ao longo dos mais de 40 quilômetros de pedral, que impactos serão causados após a abertura do canal? – que ficará reduzido a 120 metros de largura-, como ficará a população ao longo desse trecho, estimado em 50 mil pessoas? que produtos químicos ou equipamentos de destruição de pedras serão utilizados na obra?

Apóiam à iniciativa colônias de pescadores dos municípios de Itupiranga, Jacundá, Novo Repartimento, Tucuruí, Breu Branco, Goianésia do Pará e Central das Colônias de Pescadores da Bacia Hidrográfica Araguaia-Tocantins – CECOAT

 

CONTATO

Assunto: PROTESTO

Local: Ginásio Poliesportivo Municipal

Município: Itupiranga, Sudeste do Pará.

Data: 1º de Maio de 2014.

Horário: 8h30m

Classe: Pescadores e Moradores ribeirinhos à montante e à jusante da Usina Hidrelétrica Tucuruí.

Contato: Zacarias Rodrigues (Da Silva), Presidente da Colônia Z-58 de Nova Ipixuna.

Informações: (94) 9136-3646

E-mail – copesnip58colonia@hotmail.com

 

Setran esclarece sobre ponte do Moju Cidade

Publicado em 29 de abril de 2014

 

Nesta quarta-feira, 30, no auditório da Setrans, técnicos da Secretaria Estadual de Transportes concederão coletiva à imprensa tratando dos serviços realizados na ponte Moju Cidade,  após choque da Balsa no dia 23 de março.

Engenheiros do órgão repassarão relatório do que foi até agora executado e previsão de retorno do tráfego de veículos pela ponte danificada.

Banda de Tailândia empolga em festival

Publicado em 29 de abril de 2014

 

 

A Banda Jovem de Tailândia  se apresentou de forma empolgante na programação do Festival Música das Américas,  ontem, 28,  no Centur, em Belém.

Formada por 40 músicos, a banda fez  sua estreia nesta fase do Festival Internacional de Música, que é todo dedicado às bandas sinfônicas. O grupo musical existe desde 2011 e é resultado de um projeto social chamado “Semente Musical”, que posteriormente se transformou na Associação Musical Amigos de Tailândia.

O objetivo do trabalho desenvolvido pela escola de música é a inclusão social de crianças através da música.

Atualmente, 270 crianças e adolescente participam dos cursos de musicalização ofertados pela associação, principalmente nos instrumentos como flauta doce e violão. A banda já fez apresentações fora do seu município de origem e no ano passado participou do Painel Funarte de Bandas de Música, realizado em Bragança, no nordeste do Pará.

O evento reuniu mais de 700 crianças e adolescentes de vários municípios do estado em cursos de aperfeiçoamento musical.

O regente da banda é Nailton Barbosa Pamplona, conhecido como Mestre Ton.

Natural de Ponta de Pedras, participou de grupos musicais no seu município de origem, adquirindo experiência e maturidade musical.

Autodidata, em 2008, fundou a banda de música da Assembleia de Deus, em Ponta de Pedras. Dois anos depois foi para Tailândia, onde implantou o projeto musical no qual descobriu talentos para formar a Banda Jovem de Tailândia, hoje pertencente à Associação Musical Amigos de Tailândia (Amat).

Na apresentação em Belém, a banda   executou  composições de Mozart, de compositores brasileiros como Zequinha de Abreu e um pout pouri de carimbó do paraense Pinduca, Rei do Carimbó.