Hiroshi Bogéa On line

Pescadores pretendem discutir derrocagem do Lourenço

 

Quem informa, de Jacundá, é o repórter Antonio Barroso:

 

Uma reunião prevista para acontecer na próxima quinta-feira, 1º de maio, a partir das 8h, na cidade de Itupiranga, sudeste do Estado, com pescadores da região à montante da Hidrelétrica Tucuruí pretende discutir os impactos que serão causados ao setor pesqueiro pela derrocagem do Lourenço ao longo de 43 quilômetros de extensão do rio Tocantins, o que tornará o rio navegável para grandes barcaças. Os pescadores temem prejuízos irreversíveis a partir do início das obras, cujo edital de licitação será publicado pelo governo edital, e anunciado pela presidenta Dilma Roussef.

A mobilização pública está sendo convocada pela Colônia de Pescadores Z-58, de Nova Ipixuna. Segundo o presidente da entidade pesqueira, Zacarias Rodrigues da Silva, o encontro pretende reunir os pescadores e moradores ribeirinhos à montante e à jusante da UHE Tucuruí “para um grande evento em protesto contra o governo federal e empresas privadas, como a Vale e outras que serão beneficiadas pela hidrovia Araguaia-Tocantins, a partir da abertura do canal do Pedral do Lourenço”.

Segundo ele, “o setor da pesca e as comunidades ribeirinhas pretendem resistir às imposições do governo federal em executar o derrocamento do pedral do Lourenço, sem antes ser agendada uma reunião exclusiva do setor pesqueiro para uma apresentação mais detalhada do projeto e discussão e recebimento das reivindicações da classe”. Pelos cálculos do líder de pescadores serão impactados mais de 50 mil pessoas ao longo do rio Tocantins, precisamente entre os municípios de Marabá a Tucuruí.

Entre as questões consideradas prejudiciais aos profissionais da pesca e moradores da região do grande lago estão: falta de diálogo com o setor da pesca sobre o projeto, os impactos causados às espécimes piscosas em decorrência da derrocagem – visto que dezenas de espécies de peixes vivem e reproduzem ao longo dos mais de 40 quilômetros de pedral, que impactos serão causados após a abertura do canal? – que ficará reduzido a 120 metros de largura-, como ficará a população ao longo desse trecho, estimado em 50 mil pessoas? que produtos químicos ou equipamentos de destruição de pedras serão utilizados na obra?

Apóiam à iniciativa colônias de pescadores dos municípios de Itupiranga, Jacundá, Novo Repartimento, Tucuruí, Breu Branco, Goianésia do Pará e Central das Colônias de Pescadores da Bacia Hidrográfica Araguaia-Tocantins – CECOAT

 

CONTATO

Assunto: PROTESTO

Local: Ginásio Poliesportivo Municipal

Município: Itupiranga, Sudeste do Pará.

Data: 1º de Maio de 2014.

Horário: 8h30m

Classe: Pescadores e Moradores ribeirinhos à montante e à jusante da Usina Hidrelétrica Tucuruí.

Contato: Zacarias Rodrigues (Da Silva), Presidente da Colônia Z-58 de Nova Ipixuna.

Informações: (94) 9136-3646

E-mail – copesnip58colonia@hotmail.com

 

Post de 

1 Comentário

  1. Djalma Guerra

    30 de abril de 2014 - 22:16 - 22:16
    Reply

    Vai começar a sacanagem contra o derrocamento.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *