O senador e o suplente

Publicado em 30 de junho de 2007

Em duas versões, Mário Couto (PSDB) falou a poucos instantes ao povo de Marabá usando as emissoras de televisão locais. No canal 38 (Rede TV), desancou o modelo usado para a formação da Comissão de Ética do Senado dizendo que ela “só deveria ser integrada por senadores com representação popular, já que os suplentes não representam esses anseios por não serem eleitos pelo voto direto do eleitor”. No fígado, ele bateu seu suplente Demétrius Ribeiro, usineiro de Marabá.
Minutos depois, no canal 7, repetidora do SBT de propriedade de Demétrius Ribeiro, titular e suplente apareceram lado a lado num programa de entrevistas. O próprio Demétrius fez o papel de entrevistador levantando a bola diversas vezes para Mário Couto deitar e rolar em críticas aos governos federal e estadual. Em determinado momento, Demétrius perguntou ao entrevistado, “enquanto senador federal”(sic) , por que a situação dos garimpeiros de Serra Pelada ainda não havia sido regularizada, obtendo resposta de espanto do intelocutor: – Eu pensava que o problema de Serra Pelada já estava sanado”.
Trocando em miúdos, Mário Couto bateu firme em Ana Júlia ao responsabilizá-la pelo aumento em “50% dos índices de violência no Pará nos últimos cinco meses”; insinuou que o Hospital Sarah Kubitschek funcionará brevemente por interferência dele em Brasília, além de ter falado sobre a reorganizaçào do PSDB – que deverá ter como coordenador regional da legenda o suplente Demétrius Ribeiro.

Porque hoje é sábado

Publicado em 30 de junho de 2007

Todos têm seu encanto: os santos e os corruptos / Não há coisa na vida, inteiramente má. / Tu dizes que a verdade produz frutos… / Já viste as flores que a mentira dá? (Mário Quintana)

Você pergunta e meus olhos se apertam, minha boca se aperta. O coração também. O que dizer? Não sei. Se penso dizer algo, e digo, as palavras saem como recitadas de uma bula de remédio – com todas as suas indicações e contra-indicações, letrinha miúda fingindo, ao mesmo tempo, intimidade e mistério.É preciso recomeçar do ovo. Do zero. Não quero deixar de dizer que te amo.
Minto quando digo que não quero você. Minto quando digo que quero você.
Minto que não minto quando minto sobre o amor que sinto e não sinto. Esse o mistério insuportável que sustenta nossa liberdade aterradora: tudo é bom; sempre é amor. E isso é tudo que eu sei dizer. Então, me ofereça seu abraço e seu silêncio. Não se trata mais de palavras.

Mapeando área

Publicado em 30 de junho de 2007

Em sua primeira viagem pela Sudeste, o chefe da Casa Civil do governo do Estado espalhou doses de ânimos na militância da DS. Principalmente na extensão da BR-222, Charles Alcântara procurou valorizar a militância da tendência petista liderada no Pará pela governadora, discutindo questões locais e expondo as principais ações da governadora.
Em Dom Eliseu, Charles participou de audiência pública com a presença de prefeitos, vereadores, deputados federais e estaduais e lideranças comunitárias. O prefeito do município Pinduquinha levou cipoadas de todo lado ao ser acusado de estimular a violência local.
Em reunião fechada, membros da Democracia Socialista dos municípios de Dom Eliseu, Rondon, Abel Figueiredo e Bom Jesus do Tocantins falaram e ouviram o chefe da Casa Civil. Ao lado de Charles, a diretora da Escola de Governo, Edilza Fontes, pontificou.

Em nome da vida

Publicado em 30 de junho de 2007

Discreto, o diretor de Policia Civil do Interior, Miguel Cunha, transita com desenvoltura pelos municípios do Sudeste. Grande parte de seus interlocutores locais são velhos conhecidos com quem o policial discute formas de combater com eficiência a violência descontrolada. Até agora as ações não tem apresentado queda nos índices.
Filho de tradicional família de Marabá, Miguel Cunha sabe que é assustador o município registrar, em apenas dois dias, 13 óbitos.

Bernadete derrotada

Publicado em 30 de junho de 2007

Durante anos, a coordenação da subsede Marabá do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará esteve sob controle do “PT Pra Valer”. Derrotada por uma diferença de 21 votos, a ex-coordenadora Antonia Carvalho não apenas entregou o cargo ao candidato da oposição, professor Dionísio Gonçalves de Oliveira. Transfere também a influente estrutura sindical para a DS.
Os maiores derrotados no processo de escolha da nova diretoria do Sintepp foram a deputada Bernadete ten Caten (PT) e seu marido, Luiz Carlos Pies, secretário Adjunto da Sepof, avalistas de Antonia Carvalho.