O senador e o suplente

Publicado em 30 de junho de 2007

Em duas versões, Mário Couto (PSDB) falou a poucos instantes ao povo de Marabá usando as emissoras de televisão locais. No canal 38 (Rede TV), desancou o modelo usado para a formação da Comissão de Ética do Senado dizendo que ela “só deveria ser integrada por senadores com representação popular, já que os suplentes não representam esses anseios por não serem eleitos pelo voto direto do eleitor”. No fígado, ele bateu seu suplente Demétrius Ribeiro, usineiro de Marabá.
Minutos depois, no canal 7, repetidora do SBT de propriedade de Demétrius Ribeiro, titular e suplente apareceram lado a lado num programa de entrevistas. O próprio Demétrius fez o papel de entrevistador levantando a bola diversas vezes para Mário Couto deitar e rolar em críticas aos governos federal e estadual. Em determinado momento, Demétrius perguntou ao entrevistado, “enquanto senador federal”(sic) , por que a situação dos garimpeiros de Serra Pelada ainda não havia sido regularizada, obtendo resposta de espanto do intelocutor: – Eu pensava que o problema de Serra Pelada já estava sanado”.
Trocando em miúdos, Mário Couto bateu firme em Ana Júlia ao responsabilizá-la pelo aumento em “50% dos índices de violência no Pará nos últimos cinco meses”; insinuou que o Hospital Sarah Kubitschek funcionará brevemente por interferência dele em Brasília, além de ter falado sobre a reorganizaçào do PSDB – que deverá ter como coordenador regional da legenda o suplente Demétrius Ribeiro.