Voz de Manoel “Gato” silencia

Publicado em 23 de maio de 2013

 

 

Ele gostava de cantar músicas de Manoel Serrano, antigo compositor nascido no bairro Cabelo Seco.

Também nascido no bairro que deu origem a Marabá, sabia pescar, fazer seresta e contar boas piadas.

Era a voz das ribanceiras de Tocantins e Itacaiúnas.

Manoel Celestino, popularmente o nosso querido Manoel “Gato”, deu bye bye aos limites da vida terrena.

A morte dele vai desfalcar a boemia da “Velha Marabá”, entristecendo canoeiros, jogadores de tarrafa, calafates, amantes da boa pinga.

E bons contadores de causos, como ele.

E bons imitadores de gentes “da antiga”, como ele.

Sentindo o cheiro diário do encontro das águas dos dois rios, na ponta de terra que deu origem a cidade,  “Gato” deixou a vida lhe levar, zoando dela quando se fazia necessário.

Era um protagonista da comunidade, cercado de amigos.

Merece uma canção, na hora da despedida final.

 

Manoel Gato