Sete vereadores de Augustinópolis foram presos, e três estão foragidos

Publicado em 25 de janeiro de 2019

A Justiça determinou a prisão temporária de dez vereadores de Augustinópolis, na região norte do Tocantins.

A Polícia Civil cumpre os mandados na manhã desta sexta-feira (25). Apenas o presidente da Câmara de Vereadores não teve a prisão decretada, mas está sendo levado para depor.

Ao todo, a cidade tem 11 vereadores. A operação foi chamada de Perfídia e investiga a cobrança de propina para aprovar projetos enviados pela prefeitura da cidade.

Até às 7h30, sete vereadores foram presos e três são considerados foragidos.

A operação é feita pela Polícia Civil e Ministério Público.

São 14 mandados de busca e apreensão, dez de prisão temporária e três mandados de condução para depor.

Segundo a investigação, os vereadores cobravam propina para aprovar projetos enviados pela prefeitura.

A suspeita é de que o esquema movimentava cerca de R$ 40 mil por mês.

Além de determinar a prisão, a Justiça determinou também o afastamento dos dez vereadores por 180 dias.

Com isso os suplentes devem ser nomeados imediatamente para ocupar os cargos.

Apenas o presidente da Câmara, que não está sendo investigado neste momento, continua no cargo.

Os mandados de prisão são contra os seguintes vereadores:

  • Maria Luisa de Jesus do Nascimento
  • Antônio Silva Feitosa
  • Antônio Barbosa Sousa
  • Antônio José Queiroz dos Santos
  • Edvan Neves Conceição
  • Ozeas Gomes Teixeira
  • Francinildo Lopes Soares
  • Angela Maria Silva Araújo de Oliveira
  • Marcos Pereira de Alencar
  • Wagner Mariano Uchôa Lima

Serão levados para depor o presidente da Câmara de Vereadores, Cícero Cruz Moutinho, o secretário de administração de Augustinópolis e um servidor do controle interno do município.

Moradores da Folha 31 entregam demandas a vereador Dias

Publicado em 24 de janeiro de 2019

O parlamento municipal está de recesso, mas os vereadores – não.

Exemplo é a agenda do vereador Gilson Dias (PCdoB), que diariamente o leva a encontros com a comunidade.

Na Folha 31, Núcleo da Nova Marabá, moradores solicitaram a presença dele para entregar-lhe uma lista com demandas.

“A comunidade está pleiteando serviços de drenagem e empiçarramento da rua da quadra 18, abertura da rua acessando a Rodovia transamazônica com manilhamento da grota existente no local, instalação de luminárias nos postes da rua”, enumera Gilson, em contato com o blogueiro.

No retorno do recesso parlamentar, o parlamentar  irá apresentar requerimentos indicando ao prefeito as reivindicações.

No mesmo encontro, os moradores nomearam uma comissão de representantes que acompanhará Gilson na audiência com Tião Miranda, além de manter contato com o secretário de Obras, Fábio Moreira, para apresentação pessoal das demandas.

Donos de máquinas pesadas elegem Tratorpeças melhor oficina da região

Publicado em 24 de janeiro de 2019

Uma avaliação inédita sobre o desempenho de serviços de oficina de máquinas pesadas foi realizada, informalmente, por donos de equipamentos usados em fazendas e prefeituras da região.

A ideia partiu do pecuarista de São Geraldo do Araguaia, Mário Andrade Santos, ao constatar a “inutilidade” – usando expressão do próprio Mário -,  da assistência técnica ofertada por alguns representantes de fabricantes de tratores e outros equipamentos pesados.

“Um dia, conversando com um amigo produtor rural, comentamos o quanto gastávamos financeiramente levando nossas máquinas para as oficinas de concessionárias, sem que no final  o serviço fosse satisfatório. Ele, então,  propôs fazer  uma tabela de desempenho, partindo de zero a 10, para que outros donos de máquinas colocassem suas notas no papel, depois que recebessem os equipamentos das oficinas”, explica Mário.

Resultado: em oito meses de consultas entre os donos de maquinários, uma empresa de Marabá, pequena em relação aos grandes fabricantes de máquinas pesadas, apareceu como a que maior satisfação dá aos clientes.

“Primeiramente, observamos que a maioria apontava a Tratorpeças como oficina de qualidade, e então fomos conversando entre a gente, até concluir que essa satisfação foi aprovada por 48 clientes, de 60 consultados”, revela o proprietário rural.

O resultado da avaliação informal foi trazida ao blogueiro por um grupo de donos de máquinas pesadas, ao receberem a sugestão  de Paulo André Bogéa, também dono de máquinas, e irmão do titular deste site.

“O Paulinho (como Paulo André é tratado pelos amigos) foi quem deu a ideia da gente divulgar nossa avaliação, no sentido de mostrar que em Marabá existe empresa séria e que respeita seus clientes, ao contrário de muitas concessionárias famosas, e que nem vamos citar  nomes  para evitar problemas. Esta a razão de nosso interesse em divulgar, porque lá na Tratorpeças a oficina é de qualidade, especializada em consertos e manutenção de tratores agrícolas, máquinas pesadas, mecânica e montagem”, explica Mário Santos.

O coordenador da avaliação de desempenho das oficinas  adianta que o forte da Tratorpeças é o oferecimento de serviços de acompanhamento e recuperação de material rodante para equipamentos das áreas de mineração e construção pesada.

“Esse é um dos maiores problemas que tínhamos na região, quando aparecia danos em equipamentos dessa natureza. Hoje, a  Tratorpeças realiza o acompanhamento e faz a recuperação do material rodante, ação que os concorrentes dizem fazer, mas que, no fundo, não realizam”, narra.

A estrutura das oficinas da Tratorpeças é muito elogiada.

“O dono da Tratorpeças  fez um grande investimento, não apenas físico, mas de qualificação de seu quadro técnico, e aquisição de tecnologia para analisar defeitos e soluções para cada caso. É uma satisfação e um orgulho pra todos nós da região termos uma empresa desse porte, nos dando segurança na qualidade dos serviços que faz e reciclando mão de obra especializada, uma das maiores deficiências da região”, finaliza Mário. (Fotos Roberval Teixeira)

Lilian Viana Nogueira é a nova Coordenadora da Cerat Marabá

Publicado em 25 de janeiro de 2019

A Cerat Marabá, órgão da Secretaria de Estado da Fazenda com sede em Marabá que coordena atividades de arrecadação em 17 municípios, tem nova coordenação.

A Auditora Fiscal de Receitas Estaduais, Lilian de Jesus Penha Viana Nogueira, acaba de assumir  a coordenação do órgão que atua nos municípios de  Marabá,  São Domingos do Araguaia, São Geraldo do Araguaia, Piçarra, Eldorado dos Carajás, Canaã dos Carajás,  Parauapebas,  Itupiranga, Jacundá, Rondon do Pará, Abel Figueredo, Bom Jesus do Tocantins , Nova Ipixuna , São João do Araguaia , Brejo Grande do Araguaia e Palestina do Pará.

Ela substituiu o também  Auditor Fiscal Antônio de Araújo.

Lilian Nogueira foi admitida na Sefa em 1992, e encontra-se na região Sul/Sudeste desde 1998, tendo trabalhado também em Redenção.

 

Nova Coordenadora Fazendária da Cerat Marabá toma pé das demandas na sede, e já programa viagens para visitar as unidades fazendárias sob sua jurisdição.

Em rápido contato com o blogueiro, Lilian destaca a importância das unidades realizarem atendimento eficiente, “conforme sugerido pelo nosso secretário da Fazenda Renê Sousa”.

A nova coordenadora garante que manterá a Cerat de portas abertas, “para atender nossos contribuintes com respeito e dignidade”.

Aproveitou também para agradecer o apoio que tem recebido dos colegas da unidade fazendária. “São apoios naturais e sinceros dos colegas que nos estimulam a enfrentar desafios de garantir os recursos necessários às obras e os serviços que vão atender a população do Estado”.

Projeto Preamar renasce; eventos culturais serão espalhados pelo interior do Estado

Publicado em 24 de janeiro de 2019

Quem tem mais de 30 anos de idade certamente se lembra do Projeto Preamar, que reunia artistas e grupos culturais de Belém e do interior em um grande festival no Centur.

A volta do Projeto foi uma das novidades anunciadas pela Secretaria de Estado de Cultura (Secult) durante o evento #CulturaPresente, que reuniu cerca de 500 pessoas no Teatro Gasômetro, do Parque da Residência, para apresentação da nova gestão.

Produtores culturais e artistas de várias linguagens, como música, dança, teatro, artes visuais e cultura popular, participaram do encontro e mostraram uma enorme expectativa dos fazedores e fazedoras de cultura em relação às políticas públicas que serão executadas pela Secult neste período que se inicia.

A secretária de Cultura, Ursula Vidal, dividiu a abertura do evento com a professora Glória Caputo, que está de volta à superintendência da Fundação Carlos Gomes, e com o advogado João Marques, que assumiu a presidência da Fundação Cultural do Pará.

Além de apresentar os diretores e coordenadores de cada área, assim como dos espaços gerenciados pela Secult (veja box), a nova gestão antecipou alguns projetos que serão prioritários já em 2019, como o Preamar da Cultura Popular, que será realizado ao longo do ano, como um dos alicerces dos territórios de paz, ocupando aparelhos do Estado (museus e espaços públicos) e sedes de agremiações populares, envolvendo música, teatro, dança, audiovisual, artes visuais, manifestações folclóricas, moda e cultura alimentar.

Outro pilar da gestão cultural será o Programa Cultura Presente, estratégia de desenvolvimento de políticas públicas de educação patrimonial, histórica, ambiental e artística, que utilizará todas as linguagens e expressões para promover o enraizamento, a ampliação e a permanência de iniciativas e projetos de promoção social, por meio da criação artística e da economia criativa e colaborativa com potencialização das ações desenvolvidas nos pontos de cultura no Estado.

“Não temos a pretensão de chegar aos territórios para ensinar algo, porque nesses locais já existem dezenas, centenas de pessoas que estão fazendo cultura, de forma independente, na maioria das vezes sem recursos. A nossa missão é alargar a compreensão dessa função social, para que cada fazer tenha enraizamento e permanência. Seremos instrumentos nas mãos, nos corações e nas vozes de vocês”, disse Ursula Vidal, reforçando que existe um elemento simbólico neste encontro com fazedores e fazedoras de cultura. “Queremos dizer à todos e todas que as portas da Secult estão abertas, para que vocês entrem e façam parte do nosso planejamento”, convidou.

 

Festival de Ópera e Feira do Livro

Dois projetos importantes que já integram o calendário cultural do Estado serão ampliados.

O Festival de Ópera do Theatro da Paz agora será itinerante, promovendo apresentações de orquestras, operetas e cameratas em Belém e também no interior do Pará, em áreas de grande vulnerabilidade social, realizando ainda doze recitais no Theatro da Paz.

Já a Feira do Livro será transformada em Feira do Livro e das Multivozes da Amazônia, para contemplar as tradições orais da região, além de promover ações de incentivo à leitura em áreas de grande vulnerabilidade social, alcançando ainda outros cinco municípios importantes na visão estratégica da política cultural e de segurança pública do Estado.