Valorizando os juros

Publicado em 28 de fevereiro de 2011

Alerta é de quem entende do traçado.

O economista Luiz Nassif não está recebendo bem as medidas de aperto fiscal adotadas pelo governo de Dilma Roussef.

Oportuno artigo o blogueiro postado hoje em seu sítio, que reproduzimos à íntegra:

Cortes para todos, menos para os juros
Mais cedo ou mais tarde, a política econômica vai ter que chegar a um meio termo. Assim não dá. Há que se ser cauteloso, não embarcar em aventuras fiscais, tratar o mercado com racionalidade, para evitar estouros da boiada.

Mas há algo de profundamente irracional nessa estratégia econômica que procura se impor pela racionalidade.

No ano passado foram tomadas medidas prudenciais, em contraposição à política pavloviana de aumentar os juros.

Há sinais desencontrados na economia, com setores aquecidos e outros em processo de desaquecimento, frutos justamente das medidas adotadas. Ora, se existem esses desencontros, é sinal de que o aquecimento é setorial, mais na construção civil, menos na indústria automobilística. O único dado mais generalizante é o do desemprego aberto – que caiu bastante. Mas mesmo na Fazenda há dúvidas sobre os sinais emitidos pelo mercado de trabalho.

Ora, se o aquecimento se dá no mercado automobilístico, estiquem-se os prazos de financiamento – como foi feito. Se se dá no mercado imobiliário, reduzam-se os incentivos e o crédito. Há um conjunto de ferramentas permitindo atuar diretamente sobre os setores aquecidos.

Quando se aumentam os juros, afeta-se a economia como um todo – como se todos os setores estivessem aquecidos. E com todas as contraindicações possíveis:

1.Aumento dos encargos da dívida.

2.Mais cortes nos gastos públicos para garantir a meta de redução da relação dívida/PIB.

3.Mais dólares entrando provocando apreciação cambial e mais custo fiscal, com a necessidade de comprar dólares e ampliar as reservas cambiais.

4.Encarecimento do investimento, pelo aumento da taxa de retorno esperada.

Então, qual a razão?

O governo Dilma conquistou adesões devido ao fato de ser racional, dos agentes econômicos esperarem decisões racionais e responsabilidade na condução da política econômica.

Então qual a razão dessa demora em abrir a discussão sobre os juros? Qual a razão de anunciar o aumento da TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) afetando todos os financiamentos do BNDES voltados para ampliação da capacidade produtiva?

Como justificar todos os cortes sem discutir abertamente os efeitos da Selic sobre as contas públicas, já que existe uma relação direta entre ambos? Seria até uma maneira de legitimar os cortes para todos os setores afetados.

A racionalidade exige muitos sacrifícios: inclusive os de investir contra os dogmas irracionais do mercado.
DNPM quer retomar direito de lavra da Vale

Publicado em 28 de fevereiro de 2011

Informação foi repassada agora há pouco pelo geólogo Nirlando Maia, de Belém, velho conhecido do poster: processo de caducidade das minhas de minério de ferro da Província de Carajás foi aberto pelo DNPM .

O que isso quer dizer?

De cara, uma briga de cachorro grande quase sempre pendendo para o lado mais fraco.

Numa noção mais ampla, caracterizar a caducidade da licença de lavra das jazidas significa a retomada, pelo Estado, da concessão em poder da Vale S/A.

Decisão foi publicada dia 25, na edição do DOU, através da Superintendência do Departamento Nacional de Produção Mineral, no Pará.

Segundo informa a oportuna fonte, decisão é motivada por seguidos descumprimentos de normas, pela Vale, entre elas, débitos da CFEM (Compensação Financeira pela Extração Mineral) junto a prefeituras.

MPF abre inscrições para estagiários

Publicado em 28 de fevereiro de 2011

O Ministério Público Federal (MPF) em Marabá abre hoje inscrições para o primeiro processo seletivo deste ano para estagiários do curso de direito. As inscrições poderão ser feitas até o dia 18 de março, das 12 às 18 horas, na Procuradoria da República no município (Rua Antônio Chaves, 861, bairro Novo Horizonte). A jornada de trabalho é de quatro horas diárias e a bolsa estágio é de R$ 800, mais auxílio-transporte.

Os estudantes devem ter concluído 40% do curso, independente do semestre em que esteja formalmente matriculado. Os documentos para a inscrição são: cópia da carteira de identidade, acompanhada do original; CPF e o comprovante da instituição de ensino informando o semestre em curso.

Para realizar a inscrição, os candidatos devem entregar 1 quilo de leite em pó integral (pacote ou lata), que será entregue a entidades filantrópicas no muncípio de Marabá. No caso da inscrição ser realizada por terceiros, deve ser mediante apresentação de procuração.

A prova sera aplicada no dia 3 de abril, no campus da Universidade Fedral do Pará em Marabá. O resultado do processo seletivo será divulgado a partir do dia 11 de abril, no quadro de aviso na Procuradoria da República no muncípio de Marabá e no site www.prpa.mpf.gov.br.

Íntegra do edital de abertura disponível  AQUI

Misteriosas contas

Publicado em 28 de fevereiro de 2011

Vai terminar o mandato do prefeito Maurino  Magalhães (PR) e as contas do ex-prefeito Sebastião Miranda não são julgadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios.

Já se vão quase dez anos do primeiro ano de mandato  do ex-prefeito de Marabá, e nenhum sinal das contas dele serem remetidas à Câmara Municipal.

Há um misterioso emblema nessa questão das contas de Tião Miranda guardadas a sete chaves no TCM.

Já não seria hora do  novo presidente do tribunal, José Carlos Araújo,   se ater a explicar esse contencioso?

Revendo amigos

Publicado em 28 de fevereiro de 2011

A semana promete.

O poster tem compromissos agendados em três cidades.

Primeiro, retorno nessa terça-feira, 1, a Marabá. Dois dias depois, esticada até Tucuruí, onde pretendemos conversar com amigos e outras fontes responsáveis, sobre a administração municipal.

Em seguida,  uma ida a Eldorado do Carajás, para o cumprimento de agenda previamente acertada, destibada a auscultar a opinião pública sobre problemas locais.

Nessas andanças, acreditem, o poster se realiza de várias formas:  revendo e fazendo novos amigos, além de exercitar jornalismo em sua essência.

Buscar notícias onde elas  estejam, essa a fragrância maior  de quem lida com a Informação.

Inconcebível, sob nossa ótica, ficar preso a uma cadeira diante do laptop sugando, aqui e ali, o que já está na blogosfera.

Dos municípios paraenses, apenas quase todos da Ilha do Marajó ainda não foram percorridos pelo poster.

Já visitamos Soure e Salvaterra

Mas, ainda este ano, quem sabe no segundo semestre, estaremos fazendo uma turnê pelas diversas cidades que compõem a imensa Ilha.

Só falta esse  pedaço do mapa para dizermos conhecer o Pará inteiro.