Hiroshi Bogéa On line

Vale está quebrando todas as empresas no Salobo

 

 

Associação Comercial e Industrial de Parauapebas encaminhou ofício ao secretário da Seicom, David Leal, narrando o processo de quebradeira de empresas que trabalham no Projeto Salobo, e que culminou, esta semana,  com a busca e apreensão de  diversos caminhões e equipamentos da Construtora Brasileira e Mineradora Ltda (CBEMI), inadimplentes com a Volkswagen.

Na área de exploração da jazida de cobre do Salobo quase todas as empresas ali contratadas, quebraram.

Há uma lista de CNPJs encaminhada ao governo compondo o regime de falência rigorosamente referendado pela gestão da Salobo Metais S.Sa, empresa que toca o projeto da Vale. Ao todo, se filtrar cuidadosamente, é provável que não sobre nenhuma empresa que tenha escapado da quebradeira. Principalmente pequenas e médias.

As grandes empresas rescindiram contratos antes do aperto geral, entre elas, OAS e Odebrecht.

Como o cenário é singular, há fortes suspeitas de que a Salobo Metais S.A, esteja com seu orçamento em descompasso com as demandas, fato que vem ocasionando a falência generalizada.

Ou a gestão do projeto está levando  dezenas de firmas ao fechamento de portas, num processo  jamais visto nos grandes projetos tocados pela Vale, por incapacidade gerencial.

Depois de ser contemplada com o prêmio de “Pior Empresa do Mundo”, a Vale pode concorrer agora ao “caneco” de  empresa estimuladora  de falências.

Afinal, em última instância, é a mineradora quem está promovendo esse deprimente quadro de insolvência regional.

Cada ano mais poderosa, às custas da miserável política discriminatória e selvagem que adota em sua relação com a sociedade paraense.

Post de 

6 Comentários

  1. Fala Mansa

    3 de fevereiro de 2012 - 22:34 - 22:34
    Reply

    O pior sego e o que não quer ver, a Vale carrega nas costa à laranja azeitada de recursos subsidiados do PROF DENDE (biovale) do empresário de R$1.500,00 reais de salário/mês, que consegue comprar patrimônio em todo Brasil acima de 47,00 milhões, de contra partida levou os 9% de ações no Belo Monte e mais…, vocês acham que o patrão iria ficar com o osso…!!!
    Como dizia Antoine-Laurent Lavoisier “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Com essa frase Lavoisier definiu baseado em reações químicas, a famosa lei da conservação da matéria. E o ex…terminado do STF do Brasil baseado na política populista, aperfeiçoou o jeitinho brasileiro que na política “nada se faz e tudo se corrompe”

  2. Nego da Folha

    2 de fevereiro de 2012 - 11:49 - 11:49
    Reply

    so trabalha para vale quem quer ser um burro obediente

    ela exige imposto antecipado material de segurança atestado de boa conduta salario alto para funcionarios alimentação de de barão fiscalização pesada maquinas novas e muito sim senhor e ai de quem reclamar

    ela oferece preço baixo pelas exigencias e pagamento em dia

    para ver como estou certo basta le o que a empresa CBEMI diz to lascada mais e minha a culpa

    verdadeiro trabalho escravo

  3. Anônimo

    2 de fevereiro de 2012 - 11:08 - 11:08
    Reply

    A CBEMI tá igual jogador de POKER, já perdeu quase tudo, tá no buraco, mas vai continuar jogando até quebrar completamente no sonho de recuperar algo com as poucas fixas que ainda lhe resta.

  4. Salobobo

    2 de fevereiro de 2012 - 10:37 - 10:37
    Reply

    Esse assessor José Roberto de Almeida da CBEMI é mais um personagem equivocado, aliás, completamente por fora da plotagem geográfica do Salobo. “Nossa obra”, diz o salobobo. Pensei com meus botões, será que o Haroldo Bezerra, o primeiro prefeito de Marabá a laborar a respeito do Salobo, colocou aquilo tudo no município de Parauapebas? – ou o salobobo de Almeida não sabe geografia. Ficoaqui com meus pensamentos: será que mudaram o Salobo pro Pebas?

  5. Leticia Alves

    2 de fevereiro de 2012 - 09:28 - 9:28
    Reply

    Toda história tem mais de uma versão….

    Vejam o que o Assessor de Imprensa de uma das empresa declara sobre o assunto.

    ________________________________________________________________

    Na qualidade de assessor de comunicação da CBEMI – Construtora Brasileira e Mineradora Ltda, com referência aos seus comentários e de seus seguidores em seu blog, tenho a esclarecer o que segue:

    De fato, a CBMEI está sendo demandada judicialmente pelo inadimplemento de alguns contratos de financiamento de caminhões, o que gerou a concessão de uma liminar de busca e apreensão, a qual foi cumprida na data de ontem, 31 de Janeiro, em nossa obra de Parauapebas/PA.

    No entanto, desde a data de ontem a empresa está negociando uma proposta de acordo com o banco autor da ação, a fim de que a situação seja resolvida. Contudo, inobstante a ação judicial, os serviços continuam sendo executados normalmente.

    No que se refere ao alegado fato de serem os caminhões e equipamentos de propriedade de nossa contratante, esclarecemos que a totalidade dos veículos que foram apreendidos na ação judicial de ontem são de propriedade da CBMEI. Nenhum equipamento, veículo ou caminhão utilizado pela CBMEI na referida é de propriedade de terceiro ou de nossa contratante – Vale.

    Por fim, salientamos que tais problemas, em momento algum, foram causados por nossa contratante – Vale – a qual está rigorosamente em dia com suas obrigações para com a nossa empresa. A Vale não tem medido esforços para que a execução da obra siga seu ritmo normal, e tem auxiliado a CBMEI nesse momento de dificuldade.

    Atenciosamente,
    José Roberto de Almeida
    Assessor de comunicação
    CBEMI – Construtora Brasileira e Mineradora Ltda

  6. Mestre Chico Barão

    2 de fevereiro de 2012 - 06:44 - 6:44
    Reply

    “ALEGORIA DO ARTIGO 171”

    Não sou credenciado de multinacional quanto ao termo defesa, porem sou um dos que tem a consciência que não existe uma mini possibilidade de construtora ou locadora de médio ou pequeno porte auferir lucro por menor que seja trabalhando para quem todo dia otimiza sua produção e enxuga custos, não para diminuir despesas (uma mera conseqüência) e sim para o aumento de lucro(real objetivo)!

    A ISCA

    Duas empresas A e B visitam os locais de trabalho e aceitam trabalhar para carregar e transportar material, a empresa A ganha X na carga e Y por m³/Km transportado e a empresa B ganha o inverso Y na carga e X por m³/Km transportado.

    A empresa A verifica que carregara e transportara numa distancia de 1Km e a Empresa B numa distancia de 10Km

    Ótimo preço de carga e péssimo de transporte tem a empresa A, porem sua distancia de transporte compensa, pois passa muito tempo carregando e pouco transportando!

    Ótimo preço de Transporte e péssimo de carga tem a empresa B, porem sua distancia de transporte compensa, pois passa muito tempo transportando e pouco carregando!

    Os contratos são só o file para as empresas e só osso para Vale

    A FISGADA

    Após assinarem um contrato com multas pesadas e trabalharem o primeiro mês a contratante inverte os locais de trabalho das empresas A e B , a empresa A agora carregara menos e transportara mais e a empresa B agora carregara mais e transportara menos!

    Os contratos agora são só o file para a Vale e só osso para as empresas!

    O motivo das grandes saírem é que elas também tem ótimos advogados e na hora de roer o osso tão tchau e benção !

    RESULTADO DO MIMO ALICIADOR

    Isso é apenas um exemplo, afinal os que se acham espertos perante uma potencia privada, tem a mesma atitude do interiorano que entrega seu dinheiro para ficar com o falso bilhete da loto premiado, verdadeiras vitimas do conto do “Paco” ou do “Vigário”, onde só são enganados porque foram iludidos com a promessa de pseudo lucro!

    MORAL DA HISTORIA

    Como esta próximo do Carnaval, podemos dizer que: “Só trabalha para Vale quem não tem noção do que é uma ALEGORIA”!

    OBS: Essa película de aventura protagonizada pela Vale e seus empreiteiros tem trilha sonora, não para o período em que reina Momo e sim para todos os 365 dias , salvo em ano bissexto, afinal “Assim você me Mata” não é samba enredo!

    MCB

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *