Hiroshi Bogéa On line

Soldados da Borracha em fita

O pai do poster foi “soldado da borracha”, trabalhando como piloto de embarcação e contador de produção nas matas do médio Tocantins. Muitas histórias estão gravadas digitalmente, remoídas das memórias do extraordinário João Bogéa, sobre esse período duro de nossa brasilidade.

Ao ler a sinopse do filme “Soldados da Borracha”, dirigido pelo acreano Cesar Garcia Lima, é como se visse no set de filmagem o velho João representado.

A extração de látex do caucho produziu uma geração de brasileiros destemida, convocados a ultima hora para ajudar a civilização a combater os avanços de Hitler pelo mundo. No fundo, nenhum dos seringueiros sabia da existência dos horrores do nazismo, e que o suor de cada um derramado nas matas amazônicas tinha tanta importância quanto a luta dos pracinhas da FAB,  na Europa.

A borracha por eles produzida era exportada toda para os Estados Unidos, onde ali servia de matéria-prima à fabricação de pneus dos veículos usados na guerra.

Filmado nas cidades de Rio Branco, Xapuri e Plácido de Castro, o documentário retrata a vida de quatro ex-soldados da borracha de diferentes origens, todos moradores do Acre, que narram sua vida de luta por uma aposentadoria melhor.

A estréia da fita está anunciada para o 14º Cine Las Americas International Film Festival, em Austin, nos Estados Unidos. No Brasil, deverá percorrer salas comerciais a partir de junho.

Post de 

2 Comentários

  1. Prof. Alan

    29 de abril de 2011 - 11:21 - 11:21
    Reply

    Taí, Hiroshi, eu não se se existe em alguma grande cidade da Amazônia um monumento aos Soldados da Borracha. Ou se eles dão nome a alguma praça, alguma rua. Se você souber disso, por favor, conte pra nós.

    Se não houver eu desde já registro: isso é uma tremenda injustiça com esses valorosos brasileiros. São pessoas lutadoras e corajosas, como os Soldados da Borracha, principalmente, que me fazem ter orgulho de ser brasileiro.

    • Hiroshi Bogéa

      29 de abril de 2011 - 15:23 - 15:23
      Reply

      Prof. Alan, malmente os “soldados da borracha” são reconhecidos como pessoas, como gente que respira e precisa de atenção das autoridades. O miserê da aposentadoria concedida a eles é vergonhoso. Nem pense em momumento.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *