Hiroshi Bogéa On line

Sindicalista rebate ataques raivosos

 

 

Os ataques raivosos e sem nenhuma comprovação de veracidade assacados contra o presidente do Sindicato dos Servidores do Fisco do Estado do Pará, na coxia reservada aos comentaristas, trazem nova  manifestação de Charles Alcântara.

Enfrentando portentosos inimigos anônimos, baseados em pontos estratégicos da Sefa em todo o Estado, Charles não se furta ao bom combate, sempre em respeito aos leitores do signatário deste blog – prestando esclarecimentos pontuais e que servem para a sociedade paraense compreender o quanto é difícil acabar com o desvio de funções dentro de órgãos públicos e, por conseguinte, à malversação de recursos dos contribuintes.

Provocado em dois posts (Aqui e   Aqui), Charles Alcântara desbasta, uma a uma,  acusações anônimas, em respeitoso emeio enviado ao pôster.

Chama atenção revelador trecho da mensagem no qual Alcântara traz  a conhecimento público ação ajuizada contra o Estado por um motorista da SEFA pleiteando  R$1 milhão, “a título de diferença salarial, sob a alegação de que teria ele exercido a fiscalização”.

Fato mostra o quanto a esculhambação corre solta.

Vamos ao que ele diz:

 

 

Estimado Hiroshi,

Pelo menos por enquanto, como podes ver, nenhum dos ataques, embora ensandecidos, lança-me a pecha de corrupto.

Menos mal.

Em toda a minha história na SEFA eu fui lotado em poucos lugares: cumpri estágio na Agência Ananindeua (BR-316), depois fui lotado no Grupo de Substituição Tributária (o embrião da, hoje, Coordenação Especial de Substituição Tributária), em seguida assumi a função de Coordenador de Procedimentos Fiscais (vinculada à Diretoria de Fiscalização), momento seguinte assumi a função de Delegado da Fazenda Estadual da 2ª Região Fiscal (sede em Castanhal), depois fui lotado no Itinga.

Em nenhum momento de minha vida na SEFA fui lotado no Posto Fiscal “Carne de Sol”, embora conheça aquela unidade fiscal, como conheço boa parte das unidades fiscais da SEFA e sou conhecedor da precariedade, funcional e material, que acomete a maioria delas.

A minha mulher, servidora de carreira da SEFA (Fiscal de Receitas), bacharel em economia e em direito, está cedida ao Ministério Público desde novembro de 2008, a convite do então Procurador Geral de Justiça, Dr.. Geraldo Rocha, e não por meu intermédio, eis que eu deixei o governo Ana Júlia 7 meses antes (em abril de 2008).

A propósito, as condições em que deixei o governo, incompatibilizado, por si só afastam qualquer influência política de minha parte na condução de minha esposa ao MPE, onde trabalha, TODOS OS DIAS, inclusive com registro de cartão de ponto.

Quanto ao salário de minha mulher, ganho com honestidade, pois é fruto de trabalho honrado, honesto e de elevada responsabilidade, equipara-se, hoje, à remuneração de um Fiscal de Receitas Estaduais, com 21 anos de serviço público, como é o seu caso.

Vale destacar, por necessário, que a minha mulher não recebe, como acontece em muitos casos, por duas fontes (SEFA e MPE). Tampouco a minha mulher é funcionária fantasma, como acontece com repugnante frequência, tampouco, ainda, reforça o nosso orçamento doméstico com propina, “acertos” ou achaques.

Não sei se os anônimos raivosos podem dizer o mesmo de si. Talvez até o façam, mas anonimamente, pois se se revelarem possam ser desmentidos e desmascarados.

Hiroshi, há um motorista na SEFA que ajuizou uma ação contra o Estado exigindo uma indenização de R$1 milhão, a título de diferença salarial, sob a alegação de que teria ele exercido a fiscalização e que, por essa razão, alega fazer jus à diferença salarial existente entre o seu cargo – motorista – e o cargo de fiscal.

E ainda há anônimos, quem sabe na mesma situação do motorista, que cinicamente sustentam não haver desvio e usurpação de função na SEFA.

A batalha é difícil, Hiroshi; os interesses contrariados são influentes; há “milhares” de motivos para tantos ataques a mim.

Mas prosseguiremos denunciando e lutando contra essa mazela, que tanto prejudica o Estado e o interesse público.

Há milhares de cidadãos e cidadãs que estão à espera de oportunidade de ingressar no serviço público, seja na SEFA ou em qualquer outro órgão público, municipal, estadual ou federal, pela única via democrática, ética e constitucional, que é o concurso público.

É pelo que luta o Sindifisco, ainda que isto contrarie os que se beneficiam da situação tal como está.

Mas não é justo que assim permaneça.

É preciso mudar!

Um cordial abraço,

Charles Alcantara

P.S. Mais uma vez respondi às injúrias, não por qualquer consideração aos raivosos anônimos – que não dignos desse merecimento -, mas em respeito aos teus leitores, além do que, como servidor e pessoa pública, sinto-me obrigado a prestar contas do que faço em minha vida pública.

Post de 

11 Comentários

  1. Hipocresia

    28 de março de 2013 - 18:39 - 18:39
    Reply

    Quem preside um sindicato – Sinditaf que tem a classe mais corrúpta do estado merece credibilidade. Charles Alcantra, a hipocresia é a tua marca.

  2. SOU POVÃO

    25 de outubro de 2011 - 09:36 - 9:36
    Reply

    Entrevista dado ao Jornal Liberal do dia 02.10.2011, por Mônica Pinto sobre os Processos da ALEPA, que responde no MP.
    “Os deputados não têm interesse (em criar uma CPI). Estão completamente comprometidos.”
    “O deputado estadual João Salame (PPS), uma das minhas testemunhas em um dos processos a que respondo, teria dito que eu o procurei em 2010 para falar das irregularidades, e que foi ele quem procurou o Pioneiro para que a sindicancia, para apurar os fatos fosse aberta.
    É Mentira. Eu procurei por ele no ano de 2009, assim como procurava vários deputados para pedir socorro, mas ele não tomou nunhuma atitude. Todos sabem que o primeiro deputado que solicitou que o caso fosse investigado foi o Edimilson rodrigues.”

    O deputado João Salame apoia o Presidente do TAF Charles Alcântara, na sua luta por injustiça!

    VAMOS DIVIDIR O PARÁ!
    VAMOS DIVIDIR O LUCRO DESSES DEPUTADOS!
    O POVÃO VAI CONTINUAR NA” MESMA”, MINHA GENTE!

  3. lutando pela verdade

    23 de outubro de 2011 - 09:10 - 9:10
    Reply

    A F C tu és da mesma laia, fala mas não prova, eu quero ver tu provar pra sociedade isso,vc que é um tremendo mentiroso e raivoso.

  4. A F C

    21 de outubro de 2011 - 22:33 - 22:33
    Reply

    Pra voce que se diz LUTANDO PELA VERDADE, tú estas mentindo. Tú dizes que o desvio de função é prática condenável e que os servidores do apoio colaboram e não fiscalizam. Só se for onde tu trabalha, porque na cecomt do carajas e araguaia eles trabalham em todos os postos e não na retaguarda e sim na frente como fiscais e se intitulam fiscais, alguns até tem carteira de fiscal (falsificadas mas tem). Outra, tu dizes que estes servidores da atividade meio são concursados e que vieram de outras secretarias, os que eu conheço eram da PRODEPA contratados e passaram depois a receber pela sefa e nada de concurso, outros eram encostados e foram efetivados na sefa como aux administ. Os concursados são motoristas apesar de que alguns vieram de outros orgaos pra sefa, mas, todos exercem a função de fiscal nos postos que existem de fronteira e de fiscalização dentro do estado. Veja o caso da mulher do Coordenador da cecomt carajas a Soraia, foi admitida no estado sem concurso, entrou pela janela em epoca quando o mesmo trabalhou em conceição do araguaia e agora já é fiscal e ele ainda queria coloca-la como chefe do posto da ponte ferroviaria, assim meu até eu. Só estou citando este exemplo, mas existe inúmeros casos. Tem casos escabrosos, fiscal que colocou os filhos nos postos e posteriormente efetivou em função de apoio, mas os mesmos sempre trabalharam nos postos dos pais (eles eram os donos), fiscal que trabalhando em certas localidades arrumam amásia e de brinde para agrada-las efetivaram-nas como fiscais, ou então pra não deixa-las dando sopa, colocavam os irmãos (cunhados) pra ajudar na renda familiar; é mole mano. Tenho filhos formados e trabalhando, estudando pra concuso mas do jeito que a sefa funciona, nunca vai ter vaga pra concurso. E como elês, tem muitos jovens capacitados esperando que se abra concurso. Ou vai ser eternamente essa panela. Finalizando, tù és um mentirossssssssso.

  5. lutando pela verdade

    20 de outubro de 2011 - 22:26 - 22:26
    Reply

    Prezado Hiroshi,o desvio de função é uma pratica condenavel, mas existe em todos os escalões do governo, e agora a bola da vez é a Sefa, isto porque o senhor presidente do sindifisco e toda a sua corte, se acham incomodados com a presença dos servidores do grupo de atividade meio da sefa, que sempre colaboraram com os chamados tafs fazendo um trabalho de grande importancia para a arrecadação dos tributos estadual, isso não quer dizer que eles fiscalizam mas apenas colaboram com os fiscais ajudando na atividade de apoio.
    Gostaria que o senhor todo poderoso do taf mostrasse para a sociedade qual as empresas que foram fiscalizadas por algum servidor do grupo de atividade meio e quem são essas pessoas,
    porque é muito facil falar mas precisa ser provado.
    Prezado Hiroshi,é preciso esclarecer a sociedade que todos os servidores do grupo de atividade meio da sefa denominado grupo de apoio, são concursados e que vieram de outras secretarias ou de outro orgãos do governo estadual, pois não merecem ser chamados de usurpadores ou encostados como são chamados.,Porque o senhor charles não diz isso a sociedade ?
    Prezado Hiroshi, na sefa existem cerca de 800 servidores de atividade meio, e todos exercem suas funções dignamente e não ganham nem 1/3 dos que ganham os tafs entre fiscais e auditores,e na maioria dos casos muitos servidores fazem serviços administrativos com senha dos tafs porque eles tem preguiça de fazer o trabalho braçal como por exemplo arquivar processos finalizar processos, alimentar o sistema com informações, principalmente os gerentes e chefes de setores porque a quantidade de trabalho é muito grande e só uma pessoa não pode resolver tudo, ai voce ve que é preciso ter o pessoal de atividade meio ajudando.
    Prezado Jornalista,não pode existir atividade fim sem ter atividade meio, e na sefa, se existir só o grupo taf a sefa para, pois é inevitavel o grupo de atividade meio até mesmo nas barreiras, na Sefa não deveria existir divisão de categoria e sim divisão de atribuições, porque mesmo não querendo é impossivel um servidor de atividade meio que não é dos chamados taf não manipular documentos fiscais até porque na Sefa só se trabalho com isso, portanto não deveria ser taf e sim servidores fazendarios pois todos que ´lá trabalham são parte integrante de uma máquina que arrecada para o Estado.
    Quero dizer a todos, que eu não sou anonimo raivoso mas é preciso dizer a verdade dos fatos.

  6. Charles Alcantara

    16 de outubro de 2011 - 23:35 - 23:35
    Reply

    Agradeço-lhes, JR e Itabirici, pelas palavras de incentivo.
    Enfrentemos a árdua luta, que vale a pena, pois não é pequena a nossa alma.
    Abs,
    Charles

  7. A Força do SIM...

    16 de outubro de 2011 - 18:33 - 18:33
    Reply

    João, queres um conselho? tira tua mão dessa “cumbuca”!

  8. Itabirici

    16 de outubro de 2011 - 15:27 - 15:27
    Reply

    Amigo Charles,
    Tu és uma das melhores pessoas com as quais tive a oportunidade de conviver. Uma pessoa que não tem coragem de se identificar como é o caso desse anônimo escroque não merece respeito e suas colocações jamais ganharão eco principalmente junto as pessoas que tiveram a honra de te conhecer. Esse mal carater deve ser algum corrupto que se esconde atrás do aninimato. Caro Charles leve em frente sua luta pra moralização deste estado. Abraços fraternos

  9. Jailson Rodrigues (JR)

    15 de outubro de 2011 - 20:41 - 20:41
    Reply

    Venho aqui me solidarizar com meu amigo Charles Alcântara, ao qual tenho a honra de ter convivido como militante político, pois aprendi muito com sua sinceridade e sensatez na condução da política social, como militante e dirigente.
    Hoje sou Cientista Social e analiso que não é fácil e nunca será fácil fazer mudanças na superestrutura estatal, pois o que esta em jogo é o interesse pessoal daqueles que são atingidos e não da sociedade, ou do estado.
    Ora, se todos concordam que há desvio de função na SEFA, até mesmo alguns anônimos admitem assim está e sabem que é ilegal, por que tanta raiva por quem tanto tem lutado para que esta aversão seja corrigida, será que é por que será afetada a sua renda das familiar, se assim é como eles faziam para seu crescimento salarial, se for através de benefícios acrescido no contra chegue os mesmos devem devolver o recurso ao tesouro estadual e processar o estado, pois desvio de função e crime, se não é por este meio algum crime deve está sendo cometido, pois qualquer outro meio é ilícito. Parabéns aqueles que quando entraram na SEFA eram de nível médio e hj são de nível superior, mais isso não lhes dá o direito se ascender de função, assim como por tempo de serviço, pois não tem um PCCR que possa os amparar para tal. Somente através de concurso é que poderia ser, neste sentido engrossem a luta por concurso publico para SEFA, o mais não adianta ficar querendo hj colocar culpa no Presidente do SINDFISCO pela conquista que a sociedade alcança com o término de desvio de função na SEFA, e que assim seja em todos os órgão públicos seja na esfera Federal, Estadual e Municipal.
    VAMOS A LUTA POR CONCURSO PÚBLICO NA SEFA!!!
    Um grande Abraço meu Amigo Charles Alcântara, continue firme nas suas convicções.
    Jailson Rodrigues ( Jotaerre)

  10. Charles Alcantara

    15 de outubro de 2011 - 20:12 - 20:12
    Reply

    Meus cumprimentos, Salame.
    Agradeço-lhe por tão generosa manifestação de apreço que, saiba, e recíproca.
    Um forte abraço,
    Charles

  11. João Salame

    15 de outubro de 2011 - 18:23 - 18:23
    Reply

    Como cidadão e como homem público Charles Alcântara merece de mim toda a solidariedade.Quando foi defenestrado do poder no governo Ana Júlia agiu com enorme fidalguia e mostrou sua verdadeira dimensão de militante apaixonado em favor de um novo projeto de sociedade. Erros? Todos temos. Mas, para mim, Charles está acima da média nessa sociedade corrompida.

    João Salame

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *