Hiroshi Bogéa On line

Se novos municípios forem criados, Marabá perderá 60% de seu território

 

 

charge-cabide-assessoresAnotem: o poster acaba de tirar de uma  rede social do deputado federal Wandenkolk Gonçalves (PSDB), que está vibrando que nem pinto no lixo.

Lá,  o parlamentar estampa a lista de 46  municípios que podem ser criados no Pará, comemorando o feito de aprovação, pela Câmara Federal, da nova legislação, que transfere às Assembleias Legislativas, o poder de criação das novas unidades municipais.

Recortando a terra de Francisco Coelho, a proposta é para criação de cinco municípios, desmembrados de território marabaense.

São eles:   Capistrano de Abreu, Brejo do Meio, Paraguatins, Santa Fé do Rio Preto  e Vilas União.

Agora, vamos à brincadeirinha.

Aprovando Paraguatins (Morada Nova, São Félix), o lado de lá do  rio Tocantins deixa de pertencer a Marabá.

E, com a aprovação das demais localidades,  a geografia de Marabá ficaria restrita a estreita zona da antiga Pa-150 (hoje BR-155), até o Km 70.

O restante, no qual se situam Capistrano de Abreu, Brejo do Meio, Santa Fé do Rio Preto  e Vilas União, vai virar farelo: Marabá perderá a única área rural de rico poder agricultável e, certamente, jazidas minerais, entre elas, Buritirana e Salobo.

Cálculos aproximados, já que nenhum mapa confiável das regiões emancipáveis até agora veio a público, rastreiam uma suposta configuração geográfica a ser herdada pela terra-mãe pouco superior a 40% do que existe hoje.

E, do jeito que alguns vereadores, deputados federais e estaduais, aceleram o passo no sentido de aprovar o mais depressa possível a safadeza, não vai sobrar ninguém para conter a patifaria.

Inda mais que estamos em ano pré-eleitoral.

Deputados em busca da reeleição e vereadores querendo ser prefeito.

A coisa vai ser levada a trote-de-jumento, num  toque de caixa apavorante.

Vão moer, graciosamente, o município de Marabá.

Post de 

23 Comentários

  1. elismar

    16 de fevereiro de 2019 - 11:58 - 11:58
    Reply

    Emancipação de novos municípios sou a favor sim marabá teve um tempo mais de um seculo pra se planejar criar e fazer sua fonte secundaria de renda e lucros mas, toda a opinião contraria e so porque estão com medo de perder a receita mineral do salobo que hoje corresponde a mais ou menos 46% da arrecadação dos royalties mineral.portanto não e salutável para os governantes desse município que seja aprovado o projeto de emancipação da vila união.

  2. Everaldo Azevedo

    12 de setembro de 2013 - 11:41 - 11:41
    Reply

    Talvez seja a melhor coisa feita pela Câmara em aprovar a criação de Municípios,no Pará será de suma importância até por que não foram criados os estados de Carajás e Tapajós. Ignorância do povo da capital que não sabe a dimensão do estado e as dificuldades que a população enfrenta no dia a dia.

  3. Luis Sergio Anders Cavalcante

    16 de junho de 2013 - 14:32 - 14:32
    Reply

    Amigos, como balizamento, tenhamos a específica atual situação do município de Marabá. No que vou colocar, há o que pode parecer um contraditorio simples. Mesmo considerando que o município hoje, no quesito saude, atenda demanda de outros municípios periféricos, não há estrutura suficiente para atender nem ao próprio município. Logo, criar novos municípios com ideal estrutura, considerando a atual e nociva(em sua maioria) forma de “administrar” levada a efeito por alcaides, não seria o caminho. Tambem não acho que a forma, por quem foi iniciada e executada a campanha pró Carajás tenha sucesso. Quem estava por trás de tudo – e finaciou – foram fazendeiros(principalmente)/empresarios de olho nos restos de mata que ainda existem no Estado. Em 16.06.13, Marabá-PA.

  4. Ronaldo

    13 de junho de 2013 - 11:29 - 11:29
    Reply

    Eu creio que com a criacao de novos municipios nas proximidades das jazidas distantes da sede, a perda das mesmas sera irreversivel, porem com o desenvolvimento destes novos municipios, Maraba nao vai deixar de crescer e ser a mae cuidadora ate que esta crianca caminhe com as proprias pernas. Parauapebas eh exemplo disso sendo filha e Canaa neta. Maraba sempre sera a cidade-polo da bacia do Itacaiunas, tanto que, agora sera a sede da nova universidade federal a ser criada no Para.
    So tenho uma duvida: se houver plebiscito quem vai votar, so o distrito, ou sede e distrito? – A exemplo do que aconteceu para a divisao do Estado, quando inesperadamente para os separatistas, a regiao metropolitana tambem opnou!

  5. anonimo

    8 de junho de 2013 - 19:15 - 19:15
    Reply

    Engraçado todo mundo é a favor da emancipação mas na hora da municipalização pula fora. A situação é exatamente a mesma ou seja o abandono da sede em detrimento dos distritos. Pimenta no dos outros é refresco. Pela municipalização com certeza. Maraba como capital de Estado vai abandonar seus municípios com certeza.

  6. João Dias

    7 de junho de 2013 - 13:40 - 13:40
    Reply

    A VELHA CANTILENA POLÍTICA.

    Fato é que, a gestão pública dos recursos recebidos pelos municípios e a busca por novas fontes de receita ainda são algumas das principais dificuldades enfrentadas pelos entes emancipados. A criação de novos municípios tem de representar melhoria dos serviços oferecidos à população.

    Aqui pra essas bandas do sudeste do Brasil, dados e índices da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), as 54 cidades emancipadas entre 2001 e 2010, apresentaram elevada dependência das transferências dos estados e da União. Conforme o levantamento, nenhum município criado no período atende ao pressuposto da sustentabilidade e da viabilidade econômica.

  7. Francisco Sampaio Pacheco

    7 de junho de 2013 - 10:36 - 10:36
    Reply

    Completando o ORGANOGRAMA.

    ASSESSOR PARA ASSUNTO ALEATÓRIO – AAA

    Fala sério seu valério!

  8. GIlsim Silva

    7 de junho de 2013 - 07:52 - 7:52
    Reply

    Entendo que as manisfestações de criacão de novos Municípios, como novos Estados , nasce da necessidade primordial de buscar soluções para problemas sociais crônicos que as comunidades e regiões tem a ser resolvidos, que muitas vezes são relegados por governantes seja o Prefeito, ou Principalmente Governador, como é o caso de Marabá e o Pará , com problemas que se arrastam a 10, 20, 30, 40, 50 Anos ………

  9. Plinio Pinheiro Neto

    6 de junho de 2013 - 20:23 - 20:23
    Reply

    Caro Hiroshi.

    Realmente existem vilas que pela distancia da sede municipal e extrema dificuldade de acesso, merecem ter a possibilidade de emancipação olhada com muito carinho, não deixando de lado a seriedade da análise de suas possibilidades de sustentação própria. As da região do Rio Preto poderiam muito bem constituir-se em uma nova unidade municipal. Agora, querer emancipar Morada Nova, a poucos quilometros de Marabá e acessivel por estrada asfaltada é arrematada absurdez, como foi, também, a idéia lançada alguns anos atrás de emancipar-se os bairros do outro lado do Itacaiunas.Com relação a Morada Nova e os bairros do lado de lá do Itacaiúnas, existe uma impossibilidade legal, pois como o perimetro urbano de Marabá vai até o igarapé Flexeiras, Morada Nova é um bairro e não é possível emancipar-se bairros, o mesmo valendo para o complexo de bairros do outro lado do Itacaiúnas.Se fosse possível emancipar bairros, voce não acha que Santo Amaro e outros bairros mais distantes de São Paulo, com indústrias e infraestrutura bem mais significativa do que qualquer um dos nossos pretendentes já não teriam sido emancipados? O que deve ocorrer urgentemente é uma modernização da estrutura administrativa, com a criação de sub prefeituras ou administrações regionais, entre outras medidas.

  10. André Branches

    6 de junho de 2013 - 19:13 - 19:13
    Reply

    Caro amigo Hiroshi
    Vejo agora sua reação contraria à emancipação dos municipios que deixaria Marabá mais pobre conforme seu comentario. Pelo jeito você e o prefeito Salame já sentem na pele o que é lutar pela unidade.

  11. Wilson Araujo Barros

    6 de junho de 2013 - 15:50 - 15:50
    Reply

    Pergunto: de onde esses prováveis futuros municípios vão tirar dinheiro para construir escolas, hospitais, postos de saúde, asfaltar ruas, salário de vereadores, prefeitos, funcionários e puxa-sacos ?….

  12. Paulo

    6 de junho de 2013 - 13:20 - 13:20
    Reply

    Engraçado,a história se repete.
    Quando o povo de Belém reagiu à divisão do Pará,as mesmas pessoas que agora são contra a criação de municípios na área de Marabá,eram favoráveis ao desmembramento do nosso Estado e ficaram ¨”furiosas” com o Governador só pelo motivo de seu posicionamento quanto ao plebiscito.
    “Pimenta no dos outros é refresco ! “

  13. Aílton Teixeira (SURFISTA)

    6 de junho de 2013 - 00:17 - 0:17
    Reply

    Pelo amor de DEUS! Posta isso, Dividir é preciso, porque o senhor foi sempre contra essa coisa de divisão? Se é Carajás ou a criação de novos municípios o senhor sempre aparece com ideias que não justifica a nossa realidade. Descer de JET até Belém é muito bom, agora hidrovia para o desenvolvimento é ruim? A Hidrovia não passa de Itupiranga! REAGE CARAJÁS! ITUPIRANGA, WANDENKOLK E O POVO. O pedral do LAURENÇÃO é aqui em ITUPIRANGA e não em em Marabá e Tucuruí.

  14. TONINHO

    5 de junho de 2013 - 23:29 - 23:29
    Reply

    OLA HIROSHI

    Sempre leio seu blog

    Precisamos de ter critérios econômicos, culturais etc, para criação de novos municípios. Porem, vale lembrar que o Município de Marabá tem 15.000 km quadrados e que a maior cidade do Brasil: SÃO PAULO CAPITAL, tem 1.500 km quadrados.

  15. anonimo

    5 de junho de 2013 - 23:13 - 23:13
    Reply

    Oportunista é o que o Wandenkolk é. Ele fala desse tal reage carajas pra querer ganhar voto em cima da vale do rio doce. um cara que nada acrescenta para a regiaõ. Vive de mentira e de se escorar nos outros políticos que trabalha.

  16. Virgilio Ribeiro

    5 de junho de 2013 - 23:09 - 23:09
    Reply

    Marabá só vai ficar com os problemas e a receita do fundo de participação dos Municípios, estão transformando a nossa Marabá querida num Município análogo a um Município do Nordeste, é esse Marabá que esses políticos vão deixar de herança para nossos Fiilhos e Netos.

  17. anonimo

    5 de junho de 2013 - 23:03 - 23:03
    Reply

    Esse vandencork é tão ruim político que nem o povo da terra dele que é Itupiranga gosta dele. Num consegue ser prefeito e nem eleger prefeito na cidade. Cinco zero a esquerda, na eleição vamos dar troco nele

  18. Aílton Teixeira (SURFISTA)

    5 de junho de 2013 - 22:18 - 22:18
    Reply

    Meu caro Hiroshi o sentimento municipalista é uma realidade. Parabéns ao Deputado Wandenkolk Gonçalves que com sua inteligência e espírito municipalista conseguiu unir PSDB, PT, PMDB, PDT, PR e DEM quando todos não se entediam na hora de votar a PEC, Quando gritávamos pelas ruas, Carajás JÁ! Ele esteve junto, não queremos só Carajás, É inadmissível no município de Itupiranga um Distrito de Cruzeiro do Sul com 200 km de distancia da sede, Taboca em São Felix do Xingu e Castelo dos Sonhos em Altamira com 1000 km da sede, dividir é preciso! Parabéns Wandenkolk!

  19. Elton Peixoto

    5 de junho de 2013 - 21:59 - 21:59
    Reply

    Essa é a hora de manter a coerência.

  20. Aos de carteirinha

    5 de junho de 2013 - 20:39 - 20:39
    Reply

    O município de Parauapebas hoje considerado o mais rico do país saiu da velha Marabá.Vocês políticos mandem estrutura,escola,hospitais,estradas decentes.Assim podem dividir agente aguenta não pode é ficar sem estrutura com todo os encargos sociais da região.Não se pode comparar o estado de Carajás com o município de Marabá…Carajás é muito mais rico.

  21. FRANCISCO LULA

    5 de junho de 2013 - 17:54 - 17:54
    Reply

    A criação do novos municípios passam pelo crivo da população e são bem assistidas e o poder público atua nas localidade citadas, com certeza o povo não irão querer se emancipar, mas se acontece ao contrario, e essas localidades vivem em abandono com esse poder ausentes e como o próprio prefeito relatou que muita vezes a maquina administrativa tem dificuldade para chegar até esse povo, qual interesse de fazer parte de um município que cuida e não dar assistência? O patriotismo marabaense é louvável, mas a que custo?

  22. opinião

    5 de junho de 2013 - 17:37 - 17:37
    Reply

    Esses são os políticos de carteirinha, bando de aproveitadores q só pensam neles, criar municípios q não tem estrutura nenhuma, é muita sacanagem. Lutar pela implantação do projeto ALPA, HIDROVIA, q vão desenvolver nossa região, eles não querem, são os sanguesugas do povo, a pergunta q queremos fazer é: O q o deputado Wandenkok já fez por Marabá?

  23. Deputado Wandenkolk Gonçalves

    5 de junho de 2013 - 17:20 - 17:20
    Reply

    Hiroshi,
    da mesma maneira que eu me manifestei favoravelmente à criação do estado do Carajás, o meu sentimento é o mesmo pela criação dos municípios. Os critérios que serão definidos pelo Congresso Nacional, por meio do processo democrático, é que definirão se eles serão viáveis ou não.

    Aguardo a tua adesão ao movimento REAGE CARAJÁS!

    Forte abraço!
    Wandenkolk Gonçalves
    Deputado Federal

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *