Hiroshi Bogéa On line

Pode?!

 

 

Com pedido aleatório de permissão ao Paulo Bemerguy, o poster não pode deixar de reproduzir, integralmente, o post E afinal, poude ou não pode? O que pode e o que não pode?, publicado no Espaço Aberto,  com endosso pleno do blog às observações do competente jornalista:

 

 

O Supremo Tribunal Federal, o guardião, o tradutor, o zeloso e fiel balizador e fiador da Constituição da República, pode adotar decisões inconstitucionais?

O Supremo Tribunal Federal, por ser o guardião, o tradutor, o zeloso e fiel balizador e fiador da Constituição da República, não pode, por tudo isso e por muito mais, adotar decisões inconstitucionais, certo?

Errado.

Erradíssimo.

É o que acha um juiz de Goiás.

O nome da Excelência é da Jerônimo Pedro Villas Boas, que preside a 1ª Vara da Fazenda Pública Municipal e Registros Públicos de Goiânia.

Ele simplesmente considerou inconstitucional a decisão do Supremo que reconheceu a legalidade da união estável entre casais do mesmo sexo.
Putz!

Quando a Justiça começa a patinar em confrontos desse nível e dessa magnitude, o que é que vai pensar, sinceramente, o cidadão comum, que tem no próprio Judiciário uma espécie de refúgio derradeiro para dirimir os conflitos capazes ameaçar a paz, o equilíbrio social?

Post de 

3 Comentários

  1. Heitor

    27 de junho de 2011 - 04:26 - 4:26
    Reply

    O fato jamais será em criticá- lo por ele ser pastor evangélico e sim por ele regredir a idade media tornando o estado laico novamente.
    Em nenhum momento ele tem direito de subjugar o estado à religiao fundamentando suas decisões no caráter teocrático.
    E neste momento ele tenta minimizar a repercução de sua decisão recrutando os evangélicos em seu favor.

  2. Prof. Alan

    24 de junho de 2011 - 10:31 - 10:31
    Reply

    Quando vi que o juiz era pastor evangélico eu logo pensei que isso não é uma questão jurídica ou judicial, e sim de fanatismo religioso, intolerância e fundamentalismo.

    Quando um juiz se recusa ao cumprimento das decisões da Instância Máxima (STF) do próprio Poder Judiciário que ele integra, qual a diferença desse juiz para um extremista islâmico, que recusa a lei civil em nome da lei religiosa?

  3. Alberto

    23 de junho de 2011 - 10:48 - 10:48
    Reply

    Esse juiz é um pastor de uma das diversas igrejas evangélicas. E está confrontando o Supremo e ainda tem o apoio de deputados evangélicos com mente medieval. Como seria o Brasil se não fosse um estado laico? Talvez até voltasse o apedrejamento como ocorre em paises onde a religião subjuga o estado.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *