Hiroshi Bogéa On line

Os escafandristas virão…

Sonhava à noite com os escafandristas.

Era uma estranha sensação ígnea.

O que faziam no fundo do rio, intrigava-me.

Bastava algum deles desaparecer, submergindo, para meu sofrimento bater a porta.

Urgente como uma dor – que não dói, mas suplica -, não havia como ignorá-los, no fundo do Tocantins. Nem havia como evitá-los: estavam sempre à minha frente, perto de uma pequena praia -, defronte nossa casa.

—————-

Faz um bem danado, vez por outra, mergulhar em flashbacks no blog para reler antigos posts – como o da presença de escafandristas no rio Tocantins, em frente a casa em que o pôster morava, no Marabazinho.

Postado há três anos, em abril de 2008.

Post de 

3 Comentários

  1. ANONIMO

    29 de junho de 2011 - 10:55 - 10:55
    Reply

    O serviço de garimpagem com escafandros à moda “tocantina” era um verdadeiro exemplo de trabalho em equipe ,pois os homens que trabalhavam fora d”água(esquecidos nas histórias) no bombeamento do oxigenio eram de vital importancia p/a sobrevivencia do mergulhador. Ainda existem alguns pioneiros ,saudosos apaixonados por essa época.Vivem de sonhar,que a gde matriz dos diamantes da nossa região,está intacta,perdida para sempre nalgum canto do caudaloso tocantins. Será ??

    • Hiroshi Bogéa

      29 de junho de 2011 - 11:04 - 11:04
      Reply

      Anônimo 10:55, você conhece alguns desses “fora d´água” para que eu possa entrevistá-los e trazer suas estórias a público? Se você tiver nomes dessa turma de encafandristas marabaenses ainda vivos, envie para o emeio hiroshyb@gmail.com
      Grato

  2. agenor garcia

    28 de junho de 2011 - 17:48 - 17:48
    Reply

    Escafandristas,
    Mundo solitário
    mangueiras que arfavam
    conduzindo o ar
    pro enorme cabeção de cobre

    Fundo do rio
    pesos à guisa de cintura
    pés no lodo
    pesadões

    Mãos frias, ávidas
    revolvendo o cascalho
    a areia manteiga
    olhos atentos
    em busca da pedra
    lágrimas divinas
    de carbono puro
    vertidas em diamantes

    A vida, não valia nada
    a grupiara
    era o sonho
    e o unico mundo deles..

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *