Hiroshi Bogéa On line

Objetivo: desmatamento zero

Prefeitos de municípios das regiões sul e sudeste do Pará foram convidados pelo Governo do Estado, pela Federação das Associações dos Municípios (Famepa), pela Federação da Agricultura e Pecuária (Faepa) e pelo Ministério Público Federal (MPF) para discutirem o acordo que propõe o desmatamento zero no Estado. Também estão convidados prefeitos que queiram se informar melhor sobre a proposta. O acordo, já assinado por 46 municípios, prevê ampliação de prazos para que os proprietários rurais atendam à legislação ambiental.

O prazo para que os municípios passem a integrar o acordo antidesmatamento vai até 1º de março. Depois disso, empresários da indústria e comércio devem paralisar os negócios com proprietários rurais que não tiverem feito o pedido de licenciamento ambiental e cujas propriedades estiverem localizadas em municípios não participantes do pacto.

Serviço:

Quando: Terça-feira, 22/02, às 11 horas

Onde: Ministério Público Federal (rua Domingos Marreiros, 690 – entre Generalíssimo e 14 de Março – Umarizal)

 

 Fonte: Ascom MPF
Post de 

3 Comentários

  1. Anonymous

    2 de março de 2011 - 00:55 - 0:55
    Reply

    kkkkkkkk, o anônimo das 18:11 resumiu muito bem, e o que é melhor, não poderia ter sido mais realista!

  2. Anonymous

    25 de fevereiro de 2011 - 21:11 - 21:11
    Reply

    A Cegonha vai trazer o Papai Noel no bico. Estarão a espera, uma comitiva composta pelo Saci Pererê,o Curupira, a Mula sem Cabeça e o Boto Cor de Rosa, todos sob o comando da Marina Silva e do Ex-Ministro Minck.Aguarda-se, também a presença de Zequinha Sarney, do Sting, da Gisele Bündchen, do Al Gore e do Cacique Raoni. Será uma festa em tanto.

  3. Alberto Lima

    22 de fevereiro de 2011 - 02:53 - 2:53
    Reply

    Tudo demagogia!
    O Sul e Sudeste do estado é famoso por desmatar sem remosos algum!
    Duvido algum fazendeiro deixa de abrir pasto ou algum madereiro deixa de derrubar árvores.

    Isso é conversa pra boi (dos fazendeiros) dormir!

    A devastação vai continuar, pode ter certeza, regado a trabalho escravo, que é outra característica marcante na região!

Leave a Reply to Alberto Lima

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *