Hiroshi Bogéa On line

Na cabeça do oficial posudo

Alguma coisa  não bate na fala e  na conta do   comandante-geral da Polícia Militar do Estado, coronel Mário Solano.

Leiam o que ele disse em Marabá, a seguir reproduzido do Correio do Tocantins, coluna Repórter Tocantins:

Questionado se a PM vai manter nas ruas de Marabá as 20 viaturas do  projeto Rede de Proteção ao Cidadão, o comandante da PM observou que as discussões sobre viatura e materiais não são prioridades do Comando-Geral da Polícia Militar, mas sim os policiais.
Indagado se haverá aumento da tropa à disposição do 4o BPM, que atende Marabá e outros 16 municípios da região, que não passam de 500 homens, o coronel Alfredo Solano não respondeu com objetividade o questionamento, limitando-se a dizer que “não se pode tratar as pessoas como números, Existem locais onde valores, costumes e atos são relevantes, e um policial pode tomar conta de uma praça com mil pessoas”.

Agora, quem questiona, é o blog.

Primeiro, que diabos faz um comandante-geral da Polícia Militar se furtando a discutir temas, como número de viaturas e materiais de uma unidade militar da importância do 4o Batalhão da PM, resvalando a questão para o contigente policial?

E quando o repórter entra na questão do número de policiais, discussão a qual ele se diz apto a nivelar, o moço desconversa, sorrateiramente, usando  frases feitas do tipo “não se pode tratar as pessoas como números. Existem locais onde valores, costumes e atos são relevantes, e um policial pode tomar conta de uma praça com mil pessoas“.

A forma como o comandante se comportou na entrevista, ao ser cobrado do alto de sua autoridade, resvala para o deboche e o desdém. Não há outro entendimento, lendo palavra por palavra do que ele disse ao repórter.

Quer dizer, preso apenas à fala do prezadíssimo oficial, manter,  ou não,  as viaturas nas ruas, não é prioridade? Tanto faz como tanto fez?

E a continha rápida, passada pela cabeça do digníssimo oficial, de que um policial dá conta de resguardar uma área ocupada por mil pessoas – isso parte de infalível critério científico ou é um processo revolucionário de seu comando visando policiar  mais com menos profissionais?

Por que a conta é outra.

A ONU recomenda um policial para cada 250 habitantes. Qualquer cabo inciante no quartel sabe disso.

Assustadora a declaração de Solano.

Preocupante mais ainda  porque, vejam só, pode levar a pique promessa do governador  Simão Jatene de que em quatro meses reduzirá o nível de violência no interior, principalmente assaltos a bancos – que nem bem o novo governo sentou o batente já  chegam a seis registrados, segundo dados dos sindicato dos bancários.

Como o 4o BPM possui 500 policiais, pela conta do posudo oficial, ele pode até tirar 250 desse total e mandar pra outro quartel, considerando a população municipal de 250 mil pessoas. Tipo assim: – “empresta a metade do 4o BPM pra quem está precisando!”

Ora, ora, ora, o 4o BPM, como bem registra o Repórter Tocantins, opera em 16 municípios habitados por  620 mil pessoas, conforme censo de 2010.

O 4o BPM necessita de 2.480  policiais, obedecendo universo de policial por habitante sugerido pelas Nações Unidas. Ou seja, está com déficit de 1.980 militares!

Somente para atuar dentro de Marabá, o quartel precisa dobrar seu contingente.

Outra coisa: em segurança pública, caso o comandante não saiba, é bom lembrá-lo, as pessoas devem ser tratadas, sim, como números.

Viaturas, policiais, armamento, tudo proporcional ao campo ocupado.

Sem os números não dá para quantificar eficiência, resultados e, principalmente, os efeitos de tudo aquilo lá na ponta do principal interessado: a população.

Post de 

22 Comentários

  1. anonymous

    13 de dezembro de 2011 - 00:47 - 0:47
    Reply

    “A ONU recomenda um policial para cada 250 habitantes. Qualquer cabo inciante no quartel sabe disso.”
    Qualquer cabo pode saber disso, mas a ONU nunca fez esta afirmação! Vamos estudar!

  2. Anonymous

    14 de fevereiro de 2011 - 17:52 - 17:52
    Reply

    Quem dera pudéssemos extrair da ficcção um Coronel Nascimento!
    É de um daqueles que precisamos. Está tudo podre, podre,podre…
    Será se existe pelo menos meia dúzia de corajosos Nascimentos para tentar botar ordem no chiqueiro?

  3. Anonymous

    13 de fevereiro de 2011 - 15:30 - 15:30
    Reply

    Papaco, Destilando a Cicuta, eu me lembro do Coronel Antôio Carlos, nos idos e 1985. Belo trabalho, marcado na nossa história. Pistolagem e outros crimes simplesmente deapreceram, por conta de medidas simples como a operação desarmamento na cidade e no campo, e combate sem trégua à corrupção nos quadros das polícias, pois o Coronel cumulou o Comando da PM com a Delegacia Regional. Bela Experiência!

  4. Anonymous

    13 de fevereiro de 2011 - 01:40 - 1:40
    Reply

    Valha_me senhor, Jader barbalho e Flexa Ribeiro, mandado na policia Militar,não vai sair coisa que preste. onde anda o Ministério Público.
    Marcel Pereira

  5. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 23:46 - 23:46
    Reply

    o problema e que eles ñ sabem nem um pouco da nossa realidade como pms de maraba nos somos o resto do estado

  6. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 20:25 - 20:25
    Reply

    Hiroshi,

    Se queres saber mais do submundo da PMPA,acompanha o BLOG DO WOLGRAND,ele relata com detalhes o que ocorre na corporação,o fato mais recente é o escandãlo da reserva da capita cristiane.

  7. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 15:55 - 15:55
    Reply

    Hiroshy,
    ´Hoje quem manda na Policia Militar, são os senhores Jader Barbalho e Flexa Ribeiro, é por isso o descalabro.
    Carlos Reis

  8. Papaco, Destilando a Cicuta.

    12 de fevereiro de 2011 - 04:12 - 4:12
    Reply

    Fica uma pergunta, O que se queria do Solano ? um mediocre travestido de oficial, Na verdade, a capital só mandou um oficial de peso para esta região que foi o saudoso Coronel Antonio Carlos, este sim, disse que veio fazer na região, sabe porque, ele não era ladrão e quem lembra sabe disso. Solano, te manca e vai cantar em outra freguesia.

  9. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 02:19 - 2:19
    Reply

    Digamos que seja um policial para mil habitantes, e que entre esses mil há 10 bandidos?? e ai?? Se um batalhão não dá conta de uma quadrilha com 5 ou 6 bandidos, quiçá 1 policial dará conta de 10 bandidos entre mil habitanes, esse cara no minimo acha que a população tem cara de idiota!! Carajás nele!

    Ciriaco

  10. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 02:18 - 2:18
    Reply

    Hiroshy,
    Pelo amor de Deus, se retirarem as 20 viaturas, nós ficaremos completamente a mercer da bandidagem. Para a população, não interessa, se foi a Ana julia, quem enviou mais policiais e as viaturas para Marabá.
    Joana Silva

  11. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 02:08 - 2:08
    Reply

    Hiroshy,
    O atual comandante da PM, foi escolhido para o cargo, graças a uma reunião, que o mesmo organizou no Comando Geral, em 2007 ou 2008, para cobrar da governadora, aumento salarial, tendo sido exonerado do cargo, e em razão disso, virou o queridinho do PSDB e do PMDB. Ou seja, o cara, não foi escolhido para o cargo, por competência. aliás, não se conhece, nenhum grande trabalho, que o Solano, tenha realizado, por onde passou. Pobre Pará. Essa é a realidade da área de Segurança Pública.
    Pedro Silva

  12. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 02:00 - 2:00
    Reply

    Hiroshy,
    Marabá, deve se preparar, uma vez que pela fala do despreparado comandante,, vão transferir vários PMs de Marabá, para outros municipios, uma vez que o Jatene, jamais vai realizar concurso, e cosequentemente, a situação em marabá, vai ficar cada vez pior. Esperem para constatar, o que estou falando.
    Raimundo Vieira

  13. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 00:59 - 0:59
    Reply

    Mas sr blogueiro: O que falar de municípios no Marajó que tem 5 mil habitantes para 1 PM. Assim não dá! Assim o boi não lambe. Quando vai haver concurso para a PM aumentar o efetivo ???

  14. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 00:33 - 0:33
    Reply

    com um governador como esse que passou quatro anos sem fazer concurso para a pm so poderimos ter um comandante desses . fazer o que ? . postado por leal.

  15. Anonymous

    12 de fevereiro de 2011 - 00:20 - 0:20
    Reply

    Pelo desdenho como a nossa região e tratada pela trupe de Belem fica uma vez mais demonstrada a necessidade de libertação desta area criando o Estado de Carajas.

  16. Prof. Alan

    11 de fevereiro de 2011 - 21:03 - 21:03
    Reply

    Hiroshi, estranho é que Segurança Pública é uma área dentro das Políticas Públicas na qual mais se aprende com os exemplos e casos práticos. Mas o ilustre Comandante parece desconhecer isso – algo muito preocupante (pra não dizer gravíssimo) num Comandante-Geral, policial com tantos anos de experiência!

    Bem a propósito: hoje, lá no meu Blogosfera, me permita a citação, eu mostro como Alagoas afundou-se no crime justamente por negligenciar a questão dos concursos para as polícias:

    http://bit.ly/hT51kM

    Se isso acontece num dos menores estados da Federação, com uma população que é menos da metade da população do Pará, imagine o que vai acontecer por aí, se mantido o entendimento do ilustre Comandante…

  17. Anonymous

    11 de fevereiro de 2011 - 20:24 - 20:24
    Reply

    Hiroshy,
    Carajás, neles. Lembrando, que o Zenaldo Coutinho, Chefe da Civil do Jatene, é o chefe da tropa, contrária ao Estado de Carajás.
    Pedro Celso

  18. Anonymous

    11 de fevereiro de 2011 - 20:22 - 20:22
    Reply

    Hiroshy,
    Convenhamos, esse Comandante Geral da PM, é um despreprado, e não é nenhuma surpresa, o que ele disse, uma vez que´um dos objetivos dos Tucanos,é a diminição do tamanho do Estado, eles adoram uma privatização(Rede Celpa, Vale etc),e não se espantem,eles podem estarem pensando em terceirizar a Segurança Pública no Estado.
    João costa

  19. Hiroshi Bogéa

    11 de fevereiro de 2011 - 18:32 - 18:32
    Reply

    Obrigado, Cláudio, pela contribui~~ao. Irei dar uma lida no artigo. Abs

  20. Cláudio Marino

    11 de fevereiro de 2011 - 17:37 - 17:37
    Reply

    Onde se lê: pseudônimo- especialista, leia-se "pseudo – especialistas"

  21. Cláudio Marino

    11 de fevereiro de 2011 - 17:31 - 17:31
    Reply

    Caro Hiroshi, acompanho diariamente seu blog e tenho um grande apreço pelo seu posicionamento em favor da região sudeste, principalmente por Marabá. Sem entrar no mérito da questão por não ter tido acesso a íntegra da reportagem, gostaria de ajudar no sentido de desmitificar a suposta "recomendação da ONU" sobre a relação efetivo policial x habitante, pois esse número "1 policial x 250 hab" trata-se na realidade de uma informação erroneamente divulgada em jornais por pseudônimo-especialista em segurança pública. A fim de esclarecer melhor esse assunto recomendo a leitura do artigo contido no seguinte link http://www.repositorio.seap.pr.gov.br/arquivos/File/anais/painel_gestao_publica/efetivo_policial_militar_paradigmas_.pdf
    Um abraço

  22. Anonymous

    11 de fevereiro de 2011 - 17:04 - 17:04
    Reply

    Agora é muita pretensão desse governador dizer que em 4 meses vai reduzir a violência no interior. Ele acha que o povo é otário?? Verdade seja dita com o ditado popular: CADA POVO MERECE O GOVERNANTE QUE TEM!!!!!

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *