Hiroshi Bogéa On line

Força da Natureza

3  de junho de 2009. São 15h30.

Chove muito em Marabá. Toró de inverno grosso, como se estivesse bem no seu período mais intenso.
Nunca, em toda a história deste município, como diria o querido presdente Lula, o inverno se prolongou até esta data.
Todo ano, inicio de junho já está aberto para o sol forte resplandecer,  grande parte da Praia do Tucunaré de fora.
A natureza está se rebelando, intensamente. 
Tomara seja do jeito previsto pelo Paulo César Pinheiro, ao compor nos anos 80, “A força da Natureza“, descrevendo a reaçao do Universo à fome devstadora de destruiçao do homem:
(…)
Os palácios vão desabar
Sob a força de um temporal
E os ventos vão sufocar o barulho infernal
Os homens vão se rebelar
Dessa farsa descomunal
Vai voltar tudo ao seu lugar

Vai resplandecer
Uma chuva de prata do céu vai descer
O
esplendor da mata vai renascer
E o ar de novo vai ser natural
Vai florir
Cada grande cidade o mato vai cobrir, ê, ê
Das ruínas um novo povo vai surgir
E vai cantar afinal

As pragas e as ervas daninhas
As armas e os homens de mal
Vão desaparecer nas cinzas de um carnava l.

Post de 

3 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    8 de junho de 2009 - 20:17 - 20:17
    Reply

    4:50 PM, bom não apenas pros rebanhos, mas pra gente que foi criada no meio da mata. É gostoso. Concordo com voce quanto as últimas chuvas registradas até o mes de maio, só que não com essa intensidade de temporais ocorridos agora em 2009.
    Um abs

  2. Anonymous

    8 de junho de 2009 - 19:50 - 19:50
    Reply

    Tenho o hábito,(por alguns interesses pessoais),de anotar em agenda,o término da estação chuvosa e coferir no ano seguinte.Em 2008,a última chuva tipo torrencial em nossa região foi dia 25/5.A diferença p/esse ano embora já entrando em Junho,é normal e aceitável pelo que tenho observado.E é ótimo também,pros rebanhos da nossa região.

  3. Anonymous

    3 de junho de 2009 - 19:00 - 19:00
    Reply

    Lindo, Hiroshy. Tudo conspira. Do mal, vida nova renascerá. Paulo César me faz lembrar Vandré em Prá não dizer…

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *