Hiroshi Bogéa On line

Coveiro da alegria

Até o ano de 2000, a prefeitura de Marabá realizava anualmente um dos festivais de música mais concorridos e de credibilidade do país. O Fecam, ainda no final do primeiro mandato de Geraldo Veloso, por imposição do então vice-prefeito e secretário de Obras, Sebastião Miranda, foi suspenso sob alegação de que dava muitas despesas e não gerava nenhum retorno ao desenvolvimento da cultura local. Na verdade, Tião media o custo-benefício do festival como se fosse exclusivamente uma conta de somar ou dividir sem levar em conta o contagiante clima positivo que pairava sobre o município, a troca de experiências entre os artistas locais e de todo o país que para cá se deslocavam e o incremento de faturamento nos diversos segmentos da economia – hotéis, táxis, lanchonetes, restaurantes, barqueiros, barraqueiros das praias, etc.
Sebastião, será lembrado eternamente como o prefeito que sepultou o Fecam.

Post de 

3 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    25 de agosto de 2007 - 20:43 - 20:43
    Reply

    Danielle, aqui é assim mesmo. Não se dilacere diante dos comentários mais ácidos dos anônimos. Uns chegam batendo pesado, outros apenas reforçam o texto, alguns elogiam. Siga parte dos conselhos da Marta, relaxe..
    Um abraço e volte sempre, querida.

  2. Danielle Galvarro

    25 de agosto de 2007 - 16:05 - 16:05
    Reply

    Acho engraçado anonimos fazerem esses comentários… se não tivesse asfalto e fosse tudo empoeirado como era antes iam falar que o cara não faz nada. Anonimo vai trabalhar e procurar o q fazer vagabundo

  3. Anonymous

    30 de junho de 2007 - 17:36 - 17:36
    Reply

    Ele so faz aquilo que o Franco aprova. Tem que sobrar sempre dinheiro para o asfaltamento feito na cidade pela Construfox. Toda a cidade sabe disso.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *