Hiroshi Bogéa On line

Chega de saudade

Lendo sobre a solenidade de reativação do Projeto Rondon, com a presença de Ana Júlia, o pôster relembra dos gostosos tempos do “Campus Avançado” do projeto, em Marabá. Foi graças aos rondonistas que o Pará ganhou de presente duas figuras maravilhosas: Adelina Braglia e Noé Von Atzingen, ambos originários de São Paulo que por um bom tempo coordenaram acadêmicos ávidos por conhecimento.

Tempos em que era uma farra ser rondonista, no bom sentido, claro.

Dava misto de tristeza e alegria a hora da troca de turmas. Uns chegando de Sampa e outros indo. Choros e risos. Saudades, muitas. O aeroporto empapuçado de gente. Vários sotaques. Torre de Babel.

O blogger namorou algumas rondonistas, varando madrugadas nas pequenas ruas de Marabá, de segunda a segunda, com violão, cerveja, peixe frito, papo e a felicidade no rosto de todos.

Diziam ter sido o Projeto Rondon idealizado para alienar os universitários brasileiros. Coisas dos militares.

Se procederam pensando dessa forma, quebraram a cara. No meio de acadêmicos de medicina, jornalistas, assistentes sociais, veterinários, pedagogas, sociólogos e demais cursos, vinha muito babaquinha. Mas a grande maioria era um hino à conspiração.

Tempos de Verinha, louca paixão de Valvilson, pernambucano da banda Brasas Seis, com quem tocamos centenas de bailes. Os dois pareciam um. Preto e branca, apaixonados, perdidamente.

Tempos de Aninha, assistente social, que numa noite enluarada fez o bobinho aqui atravessar o rio Tocantins, à canoa, pagando jacumã, somente os dois, pra contemplar a lua do outro lado, na praia do Tucunaré. Quando demos pelo mundo, estávamos perto da Praia do Carrapato, bem abaixo de Marabá, levados pela correnteza.

Vai ver os rondonista de hoje, ao escurecer, procuram o primeiro cyber café existente nas cidadezinhas desse Pará gostoso.

Um dia, o blog precisa contar histórias do anos dourados rondonistas. Da poesia, romantismo e muitas conspirações nas musicais noites tocantinas.

Foi bom. E muito rápido. Chegou e sumiu, como num piscar de olhos.

Post de 

6 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    16 de janeiro de 2008 - 22:44 - 22:44
    Reply

    Francisca, ficava lá mesmo. Você tm boa memória..
    Abs

  2. Hiroshi Bogéa

    16 de janeiro de 2008 - 22:43 - 22:43
    Reply

    Franss, você já pegou jacumã nas águas do Trombetas ou Amazonas? Com certeza sim, por isso você gosta tanto de cidades banhadas por rios, não é isso mesmo, querida?
    rsrs

  3. Franssinete Florenzano

    16 de janeiro de 2008 - 04:12 - 4:12
    Reply

    Ai, ai… Aposto que hoje alguém vai demorar a conciliar o sono, e ficará a ouvir estrelas…

  4. Anonymous

    15 de janeiro de 2008 - 18:34 - 18:34
    Reply

    O Campus Avançado ficava na 5 de abrirl perto do Cabelo Seco. Eu devia ter 9 anos de idade, mas lembro bem disse porque meus pais quando passavam com a gente em frente a casa diziam que ali era o Projeto Rondon. Moravamos bem perto da Casa Carolina.
    Abraços
    Francica Caldas Lima – Belém

  5. Hiroshi Bogéa

    15 de janeiro de 2008 - 18:16 - 18:16
    Reply

    1:32 PM, exclusivamente, ELAS. Eh eh

    Revolução quem faz é héroi. E herói, já disseram, é aquele que não teve tempo de correr.
    rsrs

  6. Anonymous

    15 de janeiro de 2008 - 16:32 - 16:32
    Reply

    Hum… sinto que tua fonte de inspiração não é o ideial da revolução. São as revolucionárias rsrs

Leave a Reply to Hiroshi Bogéa

Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *