“Carteiradas” de policiais já são mania na cidade

Publicado em 28 de maio de 2012

 

 

Comentarista Olavo de Barros registra que sua família também fora vítima de “carteirada” de policiais, na casa de show de seus filhos.

A narrativa do leitor:

 

Em 2.011 tivemos algo parecido na casa de Show dos meus filhos. Um delegado Federal deu carteirada na entrada, o que seria desnecessário pois o local já faculta o acesso de Autoridades identificadas, e continuou na saída, quando se negou a pagar o que havia consumido. Chegou a “coçar” a perna, como se fosse sacar uma arma, o que provocou corre-corre. No outro dia fiquei sabendo do ocorrido e do medo que havia de que continuasse a ocorrer tal fato. Sem que soubessem, fui à Delegacia, onde fui recebido pela Dra. Juliana, a quem relatei o ocorrido. Disse a ela: “Cidadão não pode ter medo da Polícia, a Senhora não acha, Doutora!” E ela concordou e perguntou-me se eu queria regisrar uma queixa. Ponderei que não, que eu não gostaria de prejudicar o Delegado. Fui muito bem tratado e o fato não mais veio a acontecer.

O exercício da função pública subentende, além do conhecimento, duas premissas básicas: CIDADANIA e EQUIÍBRIO. Quem usa o vício da “carteirada” não é Cidadão. Se o erro for acompanhado de atos de violência física, bravatas e armas, esse elemento é um desequilibrado. Precisamos de mais Juízes com a coragem do Dr. Cézar.