Hiroshi Bogéa On line

Camargo Correa e Vale marginalizam comércio de Marabá

 

Logicamente com anuência da Vale, a construtora Camargo Correa, responsável por um dos trechos das  obras de duplicação da Estrada Ferro Carajás, continua importando empresas de São Luís para lhe  prestar serviço, em detrimento dos comerciantes locais.

Depois de anunciar a contratação de uma firma maranhense para cuidar do setor de segurança do trabalho, a empreiteira está fechando com outra empresa de São Luís, agora para fornecimento de alimentação.

A velha política de segregação dos marabaenses, estimulada pela Vale, a todo vapor – como se Marabá não tivesse empresas do setor qualificadas para atender a contento suas terceirizadas.

A Camargo Correa, quando assinou contrato milionário para duplicar a ferrovia, sabia, claro, do modus operandi da mineradora, preferencialmente escancarada a  oportunizar espaços às empresas de fora do Pará.

Nenhuma firma que trabalha para a Vale realiza contratações sem seguir o “manual de instruções” imposto pela multinacional.

Portanto, os recentes casos de contratações da Camargo isolando ainda mais as empresas  marabaenses, têm o aval da mineradora.

Um aval que pode resultar no aprofundamento perigoso do fosse que separa a empresa  da sociedade regional.

Post de 

7 Comentários

  1. Darwin Assunção Pires Ribeiro

    20 de maio de 2014 - 04:44 - 4:44
    Reply

    Infelizmente esta localidade Maraba não possue qualificação alguma em qualquer area, seu comércio local e demais segmentos(hoteís,restaurantes,,transpiorte publico, hospitais,et c,,etcc,,,) visam apenas explorar e aumentar os preços de seus serviços mais nadda, o ano passado fiquei 01 semana nesta cidade e sinceramente lamentável, no hoteçl que me hospedei nem ao m,enos café dsa manhã existia, mas a diária estava la em cima, resumindo:DESPREPARADOS esta é a definiçãpo. A Camargo não ira aguardar ações desta sociedade local que é cartelizada nas mãos de poucos e que devem dominar a muitos anos,Maraba necessita um choque de oferta em tudo, principalmente em qualidade,preço e principalmente atendi9mento aos transeuntes.A Camargo esta corretissima e suas necessidades precisam de uma logistica eficaz e não o que oferecem.Sou paulista e hoje felizmente consegui uma oportunidade de trabalho na CCBMç.

  2. jhonny

    29 de janeiro de 2014 - 22:55 - 22:55
    Reply

    A Camargo correa tá de sacanagem quando ela estava contratando era uma humilhação para fazer um entrevista. todos sabem q Marabá tem mão de obra qualificada e suficiente para o ?mercado de trabalho, kd a tal da VALE que vende o minerio caro para as siderugicas aqui no Brasil e lá fora ela dá é de graça.

  3. Silva

    24 de janeiro de 2014 - 12:20 - 12:20
    Reply

    Pior estado para se conseguir mão de obra qualificada, eles não gosta de trabalhar, não
    tem responsabilidade, então tem que procurar
    gente de fora que tem competência.

  4. Carlos

    12 de setembro de 2013 - 20:26 - 20:26
    Reply

    Gente e a Yamada que esta contratando só pessoas do sexo masculino, que não pode fazer isso?

    • Silva

      24 de janeiro de 2014 - 12:22 - 12:22
      Reply

      ta certo eles, as mulheres gosta de da golpe engravidar para não perder a boca, como acontece muito aqui onde trabalho.

  5. MALA

    11 de setembro de 2013 - 19:26 - 19:26
    Reply

    Aquí em Marabá,não se encontra pessoa séria para trabalhar com responsabilidade,o cara trabalha 15 dias,aí começa a mostrar as unhas,bxa produtividade,falta de pontualidade,tem que procurar gente fora mesmo,essas empresas estão certas.

  6. Maxsuel de Souza

    10 de setembro de 2013 - 21:30 - 21:30
    Reply

    Além de não contratar essas empresas locais, o mesmo a Camargo Corrêa faz com á mão de obra local, quando muitos profissionais tem em nossa cidade, e também não dão oportunidade para novos profissionais ingressar na empresa, entre coisas mais…

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *