Hiroshi Bogéa On line

Boas intenções

Quem se encontrava numa das audiências publicas (Parauapebas) em que a promotora de Justiça Eliane Moreira se referiu à possibilidade de implantação de um programa de filtragem imigratório, garante que ela não teve a intenção de propor nenhuma medida coercitiva contra o desembarque de pessoas no Sul e Sudeste do Pará. “A postura dela foi voltada para a concepção de um plano de desestímulo às centenas de famílias que desembarcam do Maranhão e Piauí em busca de oportunidades aventadas pelos projetos da Vale do Rio Doce”, informa.
A proposta da promotora vinculava, inclusive, a presença de assistentes sociais e psicólogas, contratados pelas prefeituras, em ações de corpo a corpo, com a responsabilidade de convencer os chegantes a retornarem às suas terras, com passagens e hospedagem por conta dos municípios e CVRD, por não haver emprego suficiente para todos.
“Tudo o que ela disse pode ser perfeitamente executado, desde que haja o interesse dos prefeitos e da própria mineradora em investir num programa dessa magnitude”, comenta o freelancer do blogger.

Post de 

7 Comentários

  1. Hiroshi Bogéa

    20 de agosto de 2007 - 21:00 - 21:00
    Reply

    Doutor Ronaldo, no seu caso, é uma questão de opção. Mas certamente o caro advogado não escolheria essa alternativa do retorno. Afinal, você está muio bem de vida para novas aventuras. Pois não?!
    Quanto a Francisco Coelho, está provado, conforme pesquisas do saudoso poeta e jornalista Aziz Mutran Filho, que Francisco Coelho, um marreteiro de beiradão, aportou na confluência dos rios Itacaiúnas e Tocantins por se encontrar totalmente bêbado.
    O resto é História.
    Um abraço.

  2. RONALDO GIUSTI

    20 de agosto de 2007 - 20:48 - 20:48
    Reply

    Hiroshi,

    Eu, maranhense de São Luís, devo ser compelido a retornar à Ilha, com a mulher e os dois filhos marabaneses?

    Francisco Coelho, de Grajaú (MA), não deveria ter aportado no Cabelo Seco?

  3. Eliane

    20 de agosto de 2007 - 17:21 - 17:21
    Reply

    Prezado Hiroshi,

    Mas uma vez preciso solicitar sua compreensão e paciência no sentido de publicar os esclarecimentos que se seguem.
    Mais uma vez agradeço o espaço.
    Cordialmente,
    Eliane
    “Em relação à nota publicada na coluna Repórter 70, de 19.08.2007
    (domingo), com o título Promotora (Xenofobia-Reação), a Promotora de
    Justiça Eliane Moreira esclarece que O papel do Ministério Público é resguardar os direitos constitucionais do cidadão, inclusive o direito de ir e vir, por esta razão em nenhum momento defendeu a adoção de medidas para evitar a vinda de pessoas de outros estados em decorrência do Projeto Serra Leste, ao contrário, a crítica que têm sido feita ao Estudo de Impacto Ambiental apresentado diz respeito à ausência de medidas compensatórias para os impactos socio-ambientais que vão decorrer do grande fluxo migratório que ocorrerá na região.
    Neste sentido é necessário prever os impactos decorrentes do Projeto Serra Leste nas contas públicas dos Municípios afetados e do Estado, sobretudo considerando o aumento da demanda por políticas públicas tais como educação,
    saúde e segurança.
    O posicionamento da Promotora nas audiências públicas foi no sentido de que a empresa apresente alternativas para amenizar os impactos sociais do projetos a fim de que se garanta o desenvolvimento sustentável da região com efetiva justiça social”.
    Assessoria de Imprensa do Ministério Público do Estado

  4. Lindolfo

    20 de agosto de 2007 - 15:16 - 15:16
    Reply

    Hiroshi!

    Meu amigo!

    Geraldo Vandré: “…mas com gente é diferente…”

  5. Anonymous

    20 de agosto de 2007 - 15:14 - 15:14
    Reply

    Hiroshi!!!

    Meu Deus!!!

    O “Zé-ttolo” da Phillips do BRAZIL, com “z”, seria um ótimo companheiro nessa empreitada!!!

    O povo que chega ao sul do Pará, meus caros, na sua imensa maioria, vem do nordeste, em busca de dias melhores. Não vem pra roubar ou matar. Vem pra trabalhar, e como trabalham.
    Lá em Manaus, querem fazer a mesma coisa com os paraenses.

    A proposta é estúpida, fascista, racista, sem qualquer fundamento

    Se essa promotora está sugerindo isso, a Faculdade dela deve ser a mesma do juiz do caso RICHARLYSSON e daquele juiz do trabalho que cancelou a audiência pelo fato do trabalhador estar de havaianas.

    Estou pasmo!!!

  6. Hiroshi Bogéa

    20 de agosto de 2007 - 11:21 - 11:21
    Reply

    Quer saber de verdade, caríssimo? Se eu fosse prefeito, colocava uma porteira nos limites de meu município exigindo RG, CPF e atestado de bons antecedentes. Em seguida, obrigatoriedade de responder extenso questionário e realização de exames de rotina. E, nos finalmentes, o duro veredito: -Meia Volta, Volver!

  7. Juvencio de Arruda

    20 de agosto de 2007 - 10:59 - 10:59
    Reply

    Muito bem, Hiro. É de vozes assim que o estado precisa, prá não amargar, mais tarde, tantas Serras Peladas quanto projetos minerais exauridos em terras paroaras.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *