Bernadete ouve a voz popular

Publicado em 27 de agosto de 2009

Finalmente, alguma autoridade se levanta para denunciar as sacanagens praticadas nas rodovias do Pará pelo monopólio da Transbrasiliana, empresa que controla, há quase meio século, o transporte interestadual paraense.

A deputada estadual Bernadete tenn Caten (PT) levanta a voz e pede licitação pública.

Veja o que diz nota da assessoria de imprensa da parlamentar marabaense:

A abertura de licitação pública para a concessão do transporte público rodoviário intermunicipal na região Sul e Sudeste do Pará foi fortemente defendida pela deputada Bernadete ten Caten (PT), na tribuna da Assembleia Legislativa, na sessão desta quinta-feira, 27 de agosto. Há décadas a população de cerca de 38 municípios dependem exclusivamente de duas empresas (Transbrasiliana e Açailândia) que prestam o serviço de péssima qualidade. Bernadete apresentou moção para que a Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos no Estado do Pará (Arcon) realize a licitação e, ainda, vai denunciar o caso ao Ministério Público Estadual.

Bernadete classificou a situação do transporte público rodoviário da região como “caótica” e disse que pede providências à Arcon desde o ano de 20007: “Eu recebo inúmeras denúncias em meu gabinete, de tarifas caras e ônibus que quebram várias vezes durante o trajeto, prolongando para 17 horas viagens que deveriam ter 10 horas de duração. Os passageiros chegam atrasados nos compromissos. Sem falar no arcondicionado quebrado em veículos que não abrem as janelas e as pessoas ficam passando mal, vomitando mesmo dentro dos ônibus, desculpem a expressão, mas a realidade é essa. Esta Casa não pode mais se calar diante desse caos. A população confia em nós deputados para denunciar e resolver a situação”, cobrou a petista.

A deputada destaca na moção as denúncias de má conservação dos veículos, que ameaçam diretamente a segurança dos motoristas e passageiros, já tendo ocorrido acidentes. “Há relatos de sobrecarga de trabalho dos motoristas, que podem cochilar no volante; de janelas de emergência danificadas; de motoristas que viram mecânicos pra improvisar o conserto do ônibus na beira da estrada”, relatou Bernadete. O documento informa à Arcon, ainda, sobre veículos superlotados e sujos. “Já soube de passageiro que foi á Parauapebas, saindo de Belém em ônibus novo de luxo e novo, mas, ao chegar na Alça Viária, transferiram todos os passageiros para uma ‘carroça’ que quebrava a cada quilômetro percorrido”, acrescentou.

Segundo Bernadete, há relatos que essas empresas (Transbrasiliana e Açailândia) pertenceriam ao mesmo dono, o que configuraria monopólio que precisa ser quebrado. “Faço a denúncia enquanto deputada e vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor”, ressaltou. Ela convidou os demais deputados a subscreverem a denúncia que será encaminhada por ela ao Ministério Público. A denúncia deve gerar uma investigação sobre o caso e, em conseqüência, uma ação civil pública.

O poster, há anos denuncia na coluna do Diário do Pará e aqui no blog, o monopólio da Transbrasiliana. Recentemente, a empresa Açailândia, passando por dificuldades financeiras, foi adquirida por um dos sócios da empresa goiana. Há monopólio.

A tentativa da deputada Bernadete Caten de obter apoio de seus colegas para denunciar a Transabrasiliana, gerando desse processo provável ação civil pública, merece aplausos, e da parte do blogger terá todo apoio.

Fiquemos, então, de olho nos demais palamentares deputados. Identificar qual deles estará ao lado da população ou quem irá preferir esconder-se do desafio omitindo-se de assinar o processo de investigação.