69 barragens são apontadas no Pará com potencial alto de danos ambientais

Informação é da repórter Valéria Nascimento:

 

De acordo com o diretor da Agência Nacional de Mineração (ANM), Eduardo Leão, que é paraense, o Pará tem cerca de 69 barragens cadastradas com potencial alto de danos ambientais e outras com alto risco de desabamento, mas nenhuma delas está enquadrada oficialmente nessas categorias de situações.

“Só existem três barragens no Brasil classificadas em ambas as categorias consideradas”, afirmou Leão, indicado ao cargo pelo ex-senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), e tendo assumido em dezembro de 2018.

Eduardo Leão e outros dois diretores nacionais da ANM, Débora Toci Puccini e Tomás Antônio Albuquerque Pessoa Filho, se reuniram com os deputados estaduais da Comissão Externa de Barragens, da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), na quarta-feira, 29, para discutir o trabalho a realidade das barragens no Pará.

Segundo o diretor Eduardo Leão, 41 barragens já foram vistoriadas este ano no Pará e todas estão dentro dos padrões exigidos pela legislação. Ele afirmou ainda que até o fim de 2019, outras 67 barragens serão vistoriadas conforme aponta planejamento da ANM.

Leão disse também que a ANM faz a gestão das barragens em conjunto com as empresas mineradoras. As empresas preenchem, através de um formulário eletrônico, informações sobre sua estabilidade, situação da grama, se há mato crescendo no talude (terreno em declive), se há alguma outra influência que possa identificar riscos de rompimento ou de dano ambiental. “São 21 parâmetros que são reportados e o nosso sistema analisa e avisa como está cada um. Então nós temos a situação real das barragens”, pontuou o diretor.

O encontro na Alepa foi conduzido pela coordenadora dos trabalhos da Comissão Externa de Barragens, a deputada estadual Marinor Brito (PSOL). Também participaram outros deputados membros da Comissão, como Dirceu Ten Caten (PT) e a professora Nilse Pinheiro (PRB). A Comissão foi instalada em abril de 2018, e nesse período, visitou as barragens da Hydro Alunorte, em Barcarena; da Mineração Rio do Norte (MRN), em Oriximiná; bem como as barragens do Gelado e Geladinho, da Vale, em  Parauapebas, e barragem do Sossego, em Canaã dos Carajás, também da mineradora Vale.

A deputada Marinor Brito enumerou as demandas observadas e reclamações colhidas nas audiências públicas realizadas nas cidades visitadas, com a presença de representantes de prefeituras, de membros da sociedade civil e moradores vizinhos dos empreendimentos minerários.

Os diretores nacionais da ANM, tiveram a companhia de responsáveis pela Agência em nível de algumas regionais, como Maria do Rosário Miranda Costa, gerente Regional no Pará; Serafin Carvalho Melo, gerente Regional do Mato Grosso; José Antônio Alves dos Santos, superintendente de Produção Mineral da sede Brasília; Alex Rodrigues de Freitas, chefe do serviço de Segurança de Barragens de Mineração no Pará. (Na Foto de Akira Onuma/ Drone, barragem do Gelado, da Vale)

Estudantes de Marabá estão nas ruas protestando contra governo federal

Movimento de estudantes nas ruas de Marabá nesta quinta-feira, 30, foi bem maior do que as caminhadas do dia 15 de maio.

Não apenas universitários da Unifesspa

Hoje, o caldo foi engrossado com universitários de faculdades privadas e  estudantes de nível médio.

Milhares de jovens gritavam palavras de ordem contra os cortes do  governo na área da Educação.

Dezenas de ruas da cidade foram percorridas pelos manifestantes.

Pará: 4.472 casos de violência sexual contra adolescentes

Uma pesquisa divulgada pela Coordenação Estadual de Saúde do Adolescente, ligada à Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), mostrou que, entre os anos de 2013 e 2017, foram registrados, no território paraense, 4.472 casos de violência sexual contra adolescentes,.

Violências cometidas nas regiões Metropolitana (2.644 casos), Tocantins (689), Baixo Amazonas (260), Carajás (237), Marajó (202), Lago de Tucuruí (138), Rio Caetés (121), Xingu (117), Araguaia (32) e Tapajós (32).

Além disso, foram outros 2.857 casos de violência sexual contra crianças. Incluem-se assédio, estupro, pornografia infantil e exploração sexual.

De acordo com informações do Ministério Público, colhidas entre os anos de 2011 e 2017, 76,8% dos autores de crimes de violência são do sexo masculino e, em 37,7% dos casos, com vínculo familiar com a vítima ou família.

O local de ocorrência mais apontado nas notificações foi a residência, especialmente para as crianças e adolescentes do sexo feminino (71,2% e 58,7%, respectivamente).

O tipo de violência sexual mais notificado foi o estupro (62% em crianças e 70% em adolescentes).

A mesma pesquisa também informa o perfil das vítimas. No grupo das crianças, as meninas negras são as maiores vítimas (74,2%) e, em sua maioria, tanto do sexo feminino quanto masculino, estão na faixa de 1 a 5 anos de idade.

Entre os adolescentes, o quadro se repete. Meninas negras são as maiores vítimas: 92,4%.

Jader “bate” em ministro que quer alterar normas do Fundo Amazônia

O senador Jader Barbalho (MDB-PA) criticou nesta quarta-feira (29), em Plenário, a intenção do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, de alterar as normas do Fundo Amazônia.

O parlamentar afirmou que o governo propôs a utilização do fundo para indenizações por desapropriações de terras em áreas protegidas.

No entanto, os recursos do fundo, geridos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que vêm de doações dos governos da Noruega e da Alemanha, na visão do parlamentar, devem continuar a ser empregados em ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento e de promoção da conservação e do uso sustentável das florestas no Bioma Amazônia.

Se o governo alterar as regras e promover o uso indevido do Fundo Amazônia, poderá, inclusive, levar o Brasil a perder a credibilidade internacional e gerar prejuízos econômicos, ressaltou Jader.

— No Brasil já existe um fundo de compensação por obras públicas, com aproximadamente R$ 1 bilhão, para ser usado prioritariamente em regularização fundiária. Portanto, não há necessidade de utilizar os recursos do Fundo Amazônia para a desapropriação de terras — disse Jader.

—————————————

Nota do blog: senador Jader, é isso aí!

Os paraenses esperamos sempre que o senhor se posicione de forma mais incisiva  contra desmandos que esse desgoverno está promovendo, principalmente atingindo diretamente interesses  da Região Norte.

O  senhor tem um mandato outorgado pelo voto popular que lhe credencia a berrar contra esses loucos aquartelados nos principais cargos decisórios do país.

Saia da submersão e grite.

Seja protagonista nessa legislatura de representantes medíocres.

Coloque a cara à tapa e saia para o abraço, porque os paraenses saberemos reconhecer qualquer ação mais direta que o senhor assuma em favor de nossas causas.

Volte a ser, pelo menos nos plenário, o Jader Barbalho dos anos 80.

Espaço esportivo no bairro Liberdade é garantido ao vereador Marcelo Alves

O prefeito Tião Miranda, ao receber em audiência o vereador Marcelo Alves (PT) garantiu  a construção de um complexo esportivo no chamado “Campo de Futebol Parque São Jorge”.

A obra, solicitada em requerimento pelo próprio vereador, contemplará  a construção de muro, calçadas, vestiário, caixa d´água, estruturas elétricas e hidráulicas, além de gramado.

Prefeito autorizou também a ligação dos refletores, que já foram colocados através de emenda do ex-deputado estadual João Chamon Neto.

Durante encontro, ficou acertado que o vereador convidará os representantes da empresa ganhadora da licitação, desportistas e a secretaria de Obras para apresentação do projeto, reunião que ocorrerá na sala de Comissõe da Câmara Municipal.

As obras do complexo esportivo “São Jorge” começarão nos próximos dias.

Audiência do vereador Marcelo Alves com o prefeito municipal teve a participação também do secretário de Obras Fábio Moreira (foto)