Políticos paraenses que receberam dinheiro da JBS

Este blogueiro “desalmado”, conforme denominação a ele direcionada por comentarista raivoso num dos posts aqui do site, lupou a relação divulgada pela Lava Jato de políticos que receberam dinheiro da JBS.

No Pará, o jabaculê alcançou mãos famosas e outras nem tanto.

No entanto, não menos comprometidas com o esquema montado pelo poderoso grupo empresarial que corrompeu a República.

O campeão de acesso ao dinheiro da JBS é o ministro da Integração Regional, Helder Barbalho, que recebeu  R$ 2.175.850,  conforme garantem os irmãos delatores Wesley e Joesley Batista.

Dos então candidatos a deputado federal, receberam dinheiro da JBS:

Simone Morgado                                                                                                                                         Elcione Barbalho                                                                                                                                               Beto Faro                                                                                                                                                                Zé Geraldo                                                                                                                                                        Wlad                                                                                                                                                                   Jorge Panzera                                                                                                                                                             Mário Moreira                                                                                                                                              Cláudio Puty

 

Candidatos a deputado estadual:

Iran Lima                                                                                                                                                                   Chicão                                                                                                                                                               Carlos Bordalo                                                                                                                                                   Lélio Costa                                                                                                                                                               Airton Faleiro                                                                                                                                                         Pio X                                                                                                                                                         Claudionor Moreira                                                                                                                                                 Francisco Victor                                                                                                                                                       José Maria Tapajós

O atual governador Simão Jatene também aparece na lista, supostamente beneficiado com R$ 499.698.

Nome do radialista Jefferson Lima também está lá.

Como a JBB tem uma planta industrial em Marabá, esperava-se um número bem maio de políticos do município no esquema do grupo empresarial, mas a turma de casa não foi tanto assim priorizada pela empresa.

Na listagem do frigorífico, aparecem apenas o deputado estadual Dirceu ten Caten e o então candidato a vereador  Luiz Bressan.

Detalhe interessante: todos os políticos do PT com mandato receberam contribuição.

Das principais lideranças do Partido dos Trabalhadores, somente Ana Júlia ficou fora.

PF deve informar sobre atividades de empresas de segurança na região
A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal, encaminhou nessa segunda-feira (29) à Polícia Federal (PF) pedido de esclarecimentos quanto à atuação de empresas especializadas em atividades de segurança privada na região do Araguaia paraense.

A solicitação foi feita ao diretor-geral da PF, Leandro Daiello, e pede esclarecimentos acerca de quais são essas empresas e o nome dos respectivos sócios, administradores, diretores, gerentes e vigilantes. A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão também quer saber se a empresa Elmo Segurança Ltda, sediada no Pará, encontra-se em situação regular.

O pedido encaminhado à Polícia Federal se dá no contexto da participação da PFDC em missão emergencial que esteve no município de Redenção, no Pará, onde, na última quarta-feira (24), dez pessoas foram mortas por policiais civis e militares.

A missão também contou com a participação do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH), da Defensoria Pública da União (DPU) e da Procuradoria-Geral de Justiça do Pará

Prefeitura diz “não haver equívoco na cessão de veículos escolares”

A secretaria de Educação de Marabá enviou nota ao blog respondendo às acusações de educadores de ter cedido irregularmente ônibus escolares.

A nota, abaixo, garante que não houve desvio de função.

——————–

 

Nota de Esclarecimento 

Em resposta à notícia sob o título “Educadores de Marabá denunciam desvio de função de ônibus escolares”, publicada por este blog na terça-feira, dia 30 de maio, vimos fazer os seguintes esclarecimentos:

De fato, os veículos (um ônibus e dois micro-ônibus escolares) foram liberados para atender a um evento da UEPA (Universidade do Estado do Pará).

O evento da UEPA para seus alunos ocorreu em um domingo, de 05h30 às 11h30, quando não havia prejuízo aos alunos da rede de ensino municipal.

Entendemos que não há equívoco na cessão dos veículos, tendo em vista que foram requeridos por uma instituição pública ao transporte de acadêmicos, para um evento conjunto da referida instituição.

Os ônibus, assim como foram utilizados pela UEPA, também são empregados para o atendimento do ensino médio. Essas esferas atuam e formam a rede de ensino público. Portanto, entendemos que não há desvio de finalidade.

25 policiais envolvidos na chacina de Pau D´Arco já foram ouvidos

O Ministério Público do Estado informou que já ouviu 25 policiais civis e militares envolvidos na ação que resultou na morte de 10 trabalhadores rurais no último dia 24 na fazenda Santa Lúcia, município de Pau D’arco, sudeste paraense. Entre os ouvidos estão o delegado Renato Batista Toledo Duran e o Cm do 7º Batalhão da PM de Redenção, Carlos Kened Gonçalves de Souza. Os depoimentos continuam até o final da semana.

Nesta segunda-feira (29) não houve depoimentos, pois os promotores precisaram organizar documentos sobre o caso. O MP informou ainda que pediu perícia balística nas armas usadas pelos policiais e aguarda o resultado da perícia do Centro de Perícias sobre as armas recolhidas no acampamento. Duas testemunhas ouvidas pelos promotores na semana passada permanecem em Redenção. Uma delas, atingida no quadril, está hospitalizada e deve ser transferia para um hospital na capital em breve.

No primeiro depoimento, o sobrevivente conta que estava acampando com outras pessoas em um ponto perto da sede da fazenda, quando todos ouviram um barulho e dois deles correram para verificar o que estava acontecendo. Ao regressarem, falaram que a Polícia havia chegado. Todos saíram correndo mata adentro.

A segunda testemunha contou uma versão igual e acrescentou que a Polícia, ao chegar, não mostrou os mandados e nem explicou a situação. O sobrevivente disse também que os acampados não reagiram e que as armas que estavam no acampamento não foram usadas. Ele afirmou ainda que, antes de fugir, ouviu os policiais batendo nas vítimas e rindo bastante após atirar nelas.

Polícia nega

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup) informou ontem (30), durante coletiva à imprensa, que afastou os 29 policiais civis e militares envolvidos na ação. Eles cumprirão rotina administrativa até a conclusão do inquérito policial que apura os episódios envolvendo essas mortes e, se houve de fato, a resistência armada por parte dos acampados, conforme relataram os agentes de segurança que participaram da ação policial. A cúpula da Segurança Pública havia informado na semana passada, logo após o episódio, que os policiais foram à fazenda cumprir mandados de prisão preventiva, busca e apreensão, relacionados à morte de um vigilante da fazenda, em abril passado. Foram apresentadas, também, logo após a operação, 11 armas de fogo, entre espingardas e pistola, com as quais os trabalhadores rurais supostamente teriam reagido à ação dos policiais, “recebidos a tiros”, segundo a Segup.

Durante a entrevista coletiva de ontem, o general Jeannot Jansen admitiu que “não é normal” a morte de dez pessoas em uma operação dessa natureza.

“Nós não temos como pré-julgar o fato, até porque não estávamos lá no momento do conflito. Mas podemos afirmar que não é normal a morte de dez pessoas durante uma operação de mandado de prisão. O nosso interesse aqui é agir com imparcialidade e, se for comprovado o excesso por parte dos policiais, eles vão responder por isso”, disse o secretário, ao ponderar que, de início, as primeiras informações trazidas pelos policiais, era de que os ocupantes da fazenda teriam recebido a Polícia a tiros, mas após um trabalho de investigação ele disse que prefere agir com cautela, já que, segundo afirmou, são necessários os resultados das perícias técnicas do Renato Chaves para revelar o que houve de fato.

Greve de professores deixa mais de 50 mil sem aula

Cerca de 54 mil estudantes de Marabá devem ficar sem aula durante as próximas semanas.

A greve dos professores formalizada pelo Sintepp pretende deixar as escolas fechadas por tempo indeterminado.

Educadores iniciaram o movimento paredista exigindo a manutenção do antigo PCCR  (Plano de Cargos e Carreira), que foi cortado pelos vereadores do município .

A sessão que retirou o direito dos professores foi realizada na semana passada e causou confusão na Câmara de Marabá.

Com faixas e cartazes, a categoria invadiu a sessão e tentou obstruir a sessão. A Polícia Militar foi acionada para controlar a confusão.

Por meio de nota, a assessoria de comunicação da Prefeitura de Marabá disse que o diálogo está aberto com a categoria.