Hiroshi Bogéa On line

Embala o filho..

A carta da Companhia Vale do Rio Doce encaminhada a Ana Júlia narrando a ocupação, pelo MST, da Estrada de Ferro Carajás, tem nítido objetivo de jogar às costas do governo do Estado a responsabilidade pelo que vier ocorrer na ferrovia, a partir do encontro da governadora com os dirigentes do Movimento dos Sem-Terra. Com esboço bem estudado, conteúdo da carta deixa bem claro que a mineradora ignora totalmente a pauta de reivindicações do MST – em verdade, um enumerado autoritário recheado de boçalidade -, e que deposita na Justiça sua trincheira final para enfrentamento da bagunça.
A bola agora está com o governo.

Post de 

3 Comentários

  1. Anonymous

    27 de outubro de 2007 - 12:40 - 12:40
    Reply

    Têm coisas que nem examino o mérito. Entre a Vale e o MST, fico com o último. Entre a Vale e o guseiros, fico com aquela. No demais, tem opinião pra todo gosto.

  2. Val-André Mutran

    25 de outubro de 2007 - 19:59 - 19:59
    Reply

    O mesmíssimo caminho seguirá os associados dos Sindicatos de Produtores Rurais que estão reféns das invasões de grupos armados em suas propriedades.
    Não são os grandes não! São todos.

  3. Anonymous

    25 de outubro de 2007 - 16:26 - 16:26
    Reply

    Só que a CVRD está muito enganada. Em sua relação com o governo do PT, ela vai ver com quantos paus de faz uma cangalha.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *