Hiroshi Bogéa On line

ACIM e SICOM denunciam discriminação da Vale

 

 

O blog repercute nota liberada esta noite pela Associação Comercial e Industrial de Marabá e  Sicom (Secretaria de Indústria e Comércio de Marabá.  Amanhã, comenta o assunto.

 

 

NOTA SICOM/ACIM

Empresários locais procuraram a SICOM e a ACIM questionando o posicionamento da Odebrecht, terceirizada da VALE, sobre a prestação de serviço na duplicação da ferrovia por parte das empresas locais. A empresa informou que por recomendação da VALE, e por causa do contrato de aliança que possui com a mesma, todos os contratos que saíram do escopo da terceirizada sofrerão alteração de executores, onde os prestadores locais serão retirados em detrimentos de empresas de fora do estado que possuem contrato já alocado para a ferrovia. E, os novos contratos não contemplarão as empresas da região. Esse processo de mudança vem ocorrendo de maneira gradativa desde o ano de 2011, principalmente nos serviços de segurança, transporte de pessoas, locação de veículos, coleta de dejetos e outros.

Como exemplo, em 2011, uma empresa de segurança local perdeu seu contrato para uma outra em presa de segurança de outro estado. Com um valor de contrato superior ao acordado com a local.

————————
Atualização às 09:57 (19/01)

Comentário de “Marabaense de coração” sobre a nova queda de braço entre a Vale e a sociedade da região:

 

“Isso tem que acabar. Não é possível que as autoridades competentes e constituídas não tomem uma posição inexsorável ao assunto. Não podemos abrir margem para que a Vale nos trate dessa forma.
O empresariado e os servidores da região, pode sim, prestar serviços a mineradorada. Chega dessa patifaria de que “Na região não existe mão de obra qualificada” sendo assim: o que diabos estão fazendo os alunos de engenharia de minas de marabá? Eles possuem tanta qualificação, em tese, que qualquer outro, mas a prioridade é sempre dos de fora.
A vale possui obrigações com essa região, mas deixa apenas o ônus para nós.”

Post de 

6 Comentários

  1. Fala Mansa

    27 de janeiro de 2012 - 00:05 - 0:05
    Reply

    VALE, ODEBRECHET, CCM, ENGEVIX, TEMAG, NORTE ENERGIA, DENIT, ora gente vamos parar de hipocrisia, todos esses nomes são apenas personalidades jurídicas, autorogadas e balizadas pelo(s) ex…homem(ns) blindado(s), como o Diretoria de Engenharia da Eletronorte/ Eletrobrás, que faz mais de seis anos que define as contratadas, e nenhum partido é capas de intervir porque todos são agraciados ao se manter de vendas e bocas fechadas, no entanto, as contratações são de empreiteiras já pré-estabelecida pelo ditador/distribuidor Adhemar Palocci, que já esta quase tendo direitos trabalhistas de funcionário efetivo ao cargo de Diretor arrecadador/distribuidor de caixas e caixas $$$ de energia.
    Como a Vale ainda não caiu nas operações batizadas da policia Federal, e nem vai… recebeu seu premio de consolação apenas 9% de ações laranja no Belo Monte, com uma boa dose de Biodiesel nos agricultores familiar PRONAFI-ANUS azeitados de dendê???

  2. Jorge Taiguara

    22 de janeiro de 2012 - 15:05 - 15:05
    Reply

    É impressionante a falta de respeito como somos tratados dentro da nossa própria casa. Os grandes projetos aqui se instalam, exploram o que querem como bem querem, e nos outros sempre ficamos chupando os dedos. A onde estão nossos representantes, será que eles ja não receberam o cala-boca? A sociedade pode sim se organizar, se mobilizar exigir mais respeito, precisa acabar urgentemente com essa prática maléfica de usufruir benefícios e perpetuar miséria. Ou prestigia as empresas e privilegia as pessoas do lugar ou deixa as riquezas ficarem como estão. Esse negócio de só explorar, sempre ouvi dizer que o negócio pra ser bom, deve agradar as partes envolvidas, quando só uma ganha, a balança pende só pra um lado desequilibra e pode até cair de cima do balcão.
    Dona Vale, Dona Vale, o povo do Pará merece mais respeito

  3. ronaldo santos

    19 de janeiro de 2012 - 15:57 - 15:57
    Reply

    cade os politicos da regiao,vereador,dep. estadual e federal sao todos subservientes da mineradora e ainda queriam dividir o estado eles nao tem força no seu proprio quintal

  4. Abigail

    19 de janeiro de 2012 - 12:08 - 12:08
    Reply

    Muito pertubadora a denúncia.
    Bom ser analisada a fundo, essas colocações foram da própria Vale ou da Odebrechet?
    A Vale já foi contatada para responder aos questionamentos levantados?
    Não existe nenhum acordo da Vale com a ACIM no sentido de priorizar as empresas da região? Se não existe, por que não fizeram um acordo nesse sentido?
    Sou a favor do diálogo, chamar os interessados a conversa sempre deve vim antes de atitudes radicais.

  5. Gilberto Leite

    19 de janeiro de 2012 - 11:13 - 11:13
    Reply

    Olá Amigo HIROSHI, saudades de todos, apesar da falta de mobilidade, por aqui em Curitiba tudo correndo bem, e após 9 dias totalmente fóra do ar, e hoje me deparo com mais esta noticia desfavoravel ao empresáriado Marbaense, ocorrêncis como está são muitas, precisamos achar uma forma de dar um basta a ISTO TUDO, quero me colocar a disposição para fazer parte deste TIME, as mudanças terão quer ser para JÁ, nesta nova ordem economica, as estratégias de crescimento para nossa região terão de vir obrigatoriamento da VALE, por diversos motivos, o principal considero eu SEU PASSIVO SOCIAL, portanto aceitar tudo isto com passividade ? NÃO.
    Quero parabenizar ACIM e SICOM pela coragem de expor logo estas feridas a fim de procurarmos o remédio correto para este caso da duplicação da FERROVIA, para que não sabe este projeto envolve recursos na ordem de U$ 12 bilhões de dólares e não beneficia MARABÁ em nada, portanto se não NEGÓCIOS por que amolecer com estes p………
    Para encerrar vejam o despropósito da VALE, ela alega que não tem U$ 400 milhões de dólares para fazer a nossa HIDROVIA com certeza só beneficiará a ela, a partir disto toda enrolação com ALPA.
    Italo, Tatagiba e demais, cacetes nestas empresas, não temos nada a perder.
    Saudades e todos, abração HIROSHI.

  6. Marabaense de coração

    19 de janeiro de 2012 - 09:42 - 9:42
    Reply

    Isso tem que acabar. Não é possível que as autoridades competentes e constituídas não tomem uma posição inexsorável ao assunto. Não podemos abrir margem para que a Vale nos trate dessa forma.
    O empresariado e os servidores da região, pode sim, prestar serviços a mineradorada. Chega dessa patifaria de que “Na região não existe mão de obra qualificada” sendo assim: o que diabos estão fazendo os alunos de engenharia de minas de marabá? Eles possuem tanta qualificação, em tese, que qualquer outro, mas a prioridade é sempre dos de fora.
    A vale possui obrigações com essa região, mas deixa apenas o ônus para nós.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *