Volta do cipó de arueira

Cinqüenta congregações da Assembléia de Deus escolheram, democraticamente, dois pré-candidatos a vereador de Parauapebas numa disputa com outros cinco nomes apresentados. O ex-prefeito Chico das Cortinas foi o fona. Ou seja, menos votado.

Fenelon Alves Sobrinho, pastor-comandante da Assembléia de Deus do município, e influente liderança política local, recebeu dos pastores das congregações delegação para negociar a participação do PSC na eleição de outubro.

De cara, Fenelon sabe com quem não sentará para tratar do assunto: Darci Lermen, prefeito do Pebas.

O pastor não esquece sua exoneração da secretária de Obras, pasta conferida a legenda dos evangélicos na formação da coligação que elegeu o atual prefeito, em 2004, depois de submetido a intenso processo de fritura.

Fenelon Alves acha que agora o PSC dará o troco.

Quem também fala em “dar o troco” é o empresário Valmir Mariano, regionalmente conhecido por Valmir da “Integral”, em alusão a Integral, poderosa empresa local dele que emprega cerca de 1.500 pessoas.

Valmir destila arrependimento por ter apoiado Darci Lermen. “Esse moço não cumpre acordos”, diz, referindo-se ao contrato denunciado pela prefeitura de implantação do sistema de água e saneamento da cidade, cuja licitação foi vencida pela Integral, mas teve o contrato rescindido, meses depois.

Atualmente, o Darci me deve mais de R$ 2 milhões, além da ajuda financeira pessoal que lhe dei na eleição de 2004”, revela, sem pedir reservas.

Valmir da Integral, caso não seja candidato a prefeito (probabilidade que não descarta) e o pastor Fenelon Sobrinho caminham para fechar acordo com a pré-candidata Bel Mesquita.