Hiroshi Bogéa On line

Vícios de origem

Quando os 23 alto fornos estiverem operando com a inauguração de mais quatro em fase de conclusão no Distrito Industrial de Marabá, o consumo de carvão deverá superar a cifra de 6 milhões de metros cúbicos/ano. Isso significa a utilização de 16 milhões de metros cúbicos de madeira ou a necessidade de se plantar aproximadamente 65 mil hectares, anualmente.
Durante palestra em Marabá, semana passada, Maurílio Monteiro, secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect), disse existirem, por baixo, cerca de 25 mil pequenos fornos queimando madeira, mas apenas 20% dessa totalidade estão na legalidade.
Típico cenário de esdrúxula situação do Pará criando uma cultura de pessoas fora da lei, porque habituadas a trabalhar sem honrar impostos e à margem da legislação que ordena as florestas. Sem contar que mais de 20 mil vivem em condições insalubres.

Post de 

3 Comentários

  1. Anonymous

    26 de março de 2007 - 01:57 - 1:57
    Reply

    Anonimo das 11:35, voce esta cheio de razao. E o pior é que ninguem sabe tem certeza de que esses usineiros irão se adequarta a legislaçao pois faz tanto tempo que começaram a explorar a atividade sem plantar um pé de pau. Fazem o contrário, estimulam suas derrubadas.
    Maria de Lourdes Maia

  2. Anonymous

    22 de março de 2007 - 02:35 - 2:35
    Reply

    tENHO FICADO PREOCUPADO COM ESSA FABULA DE PREOCUPAÇÃO DELES COM O DESEMPREGO, É PURA POTOCA. ELES DESTROE A MATA, O RIO ITACAIUNAS E AINDA GANHAM MONTANHAS DE LUCROS COM ESSA ATIVIDADE.
    É PRECISO QU EELS SE ADEQUEM A LEGISLAÇÃO ANTES D EPENSAREM EM MONTAR SIDERURGICAS.

  3. Anonymous

    21 de março de 2007 - 16:59 - 16:59
    Reply

    O governo precisa mesmo apertar esses usineiros que ganham fábulas de dinheiro estimulando a destruiçao de nossas matas.
    Fátima Silva Goulart
    Professora

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *