“Velho é uma conquista. Idoso é uma rendição”

Publicado em 22 de fevereiro de 2012

 

 

A morte tem sido roubada de nós. E tenho tomado providências para que a minha não seja apartada de mim. A vida é incontrolável e posso morrer de repente. Mas há uma chance razoável de que eu morra numa cama e, nesse caso, tudo o que eu espero da medicina é que amenize a minha dor. Cada um sabe do tamanho de sua tragédia, então esse é apenas o meu querer, sem a pretensão de que a minha escolha seja melhor que a dos outros. Mas eu gostaria de estar consciente, sem dor e sem tubos, porque o morrer será minha última experiência vivida. Acharia frustrante perder esse derradeiro conhecimento sobre a existência humana. Minha última chance de ser curiosa.

Há uma bela expressão que precisamos resgatar, cujo autor não consegui localizar: “A morte não é o contrário da vida. A morte é o contrário do nascimento. A vida não tem contrários”. A vida, portanto, inclui a morte. Por que falo da morte aqui nesse texto? Porque a mesma lógica que nos roubou a morte sequestrou a velhice. A velhice nos lembra da proximidade do fim, portanto acharam por bem eliminá-la. Numa sociedade em que a juventude é não uma fase da vida, mas um valor, envelhecer é perder valor.  Os eufemismos são a expressão dessa desvalorização na linguagem.

 

 

Os dois parágrafos compõem belíssimo artigo da jornalista Eliane Brum sobre as expressões “velho” e “idoso”,   traduzindo salutar rebeldia  contra aqueles que tentam roubar a velhice e a morte que, infalivelmente,  nos aguardam.

O talento da escritora e documentarista se consagra de forma definitiva nessa bela crônica  que nos faz aprofundar em reflexões.

Pra ler em sua integridade, clique AQUI.