Hiroshi Bogéa On line

Vale ignora Alpa na aprovação de investimentos

 

 

Abaixo, o blog transcreve a relação de investimentos de projetos da Vale priorizados para os próximos três anos, aprovados pelo Conselho de Administração da mineradora, semana passada.

Leiam com atenção e depois façam reflexão junto com as anotações do pôster:

 

 

Carajás Adicional 40 Mtpa: prevê a construção de uma usina de processamento a seco, em Carajás, com capacidade nominal estimada de 40 milhões de toneladas por ano (Mtpa). A previsão é de que o projeto inicie em 2013, por meio de um investimento de US$ 2,968 milhões. A licença de instalação (LI) já foi emitida. O projeto está em processo de terraplenagem para instalação de correia transportadora.

Programa Capacitação Logística Norte (CLN) 150 Mtpa: tem como objetivo aumentar a capacidade da ferrovia e do porto do Sistema Norte, incluindo a construção do quarto píer do terminal marítimo de Ponta da Madeira, no Maranhão. Haverá um aumento da capacidade logística nominal da Estrada de Ferro Carajás (EFC) para aproximadamente 150 milhões de toneladas por ano (Mtpa). Os serviços de engenharia civil offshoreno terminal marítimo de Ponta da Madeira continuam e serão instalados viradores de vagão. Até agora, foram investidos US$ 2,3 bilhões neste projeto, que deverá ser concluído no ano de 2014.

Carajás Serra Sul S11D: o projeto tem a finalidade de desenvolver mina e usina de processamento na Serra Sul de Carajás. A capacidade nominal estimada é de 90 Mtpa. Mais de US$ 1 bilhão já foram investidos no projeto, com início de operação previsto para 2016.

Serra Leste: outra usina de processamento está em construção na Serra Leste de Carajás e prevê a capacidade nominal estimada de produção de 6 Mtpa. A intenção é que em 2013 já esteja concluída.

Conceição Itabiritos: dois novos negócios serão realizados no Sudeste de Minas Gerais – a construção de uma usina de concentração, que até 2013 terá a capacidade nominal estimada de produção de 12 Mtpa; e a adaptação da usina para processamento de itabiritos de baixo teor, que produzirá aproximadamente 19 Mtpa, a partir de 2014.

Vargem Grande Itabiritos: está prevista para 2014 a construção de uma nova usina de beneficiamento de minério de ferro, que terá capacidade de produção de 10 Mtpa. Os equipamentos pesados já foram recebidos.

Simandou I – Zogota: a maior iniciativa voltada para minério de ferro integrada com infraestrutura já desenvolvido na África. A primeira fase da sua implantação envolve o desenvolvimento da mina de Zogota, além de uma usina de processamento no Sul de Simandou, na Guiné. A expectativa é que o projeto entre em operação ainda este ano com uma capacidade de produção de 15 Mtpa.

Teluk Rubiah: a construção de terminal marítimo com profundidade suficiente para receber navios de 400 mil toneladas de porte bruto (DWT), como os navios Valemax, e de um pátio de estocagem faz parte do projeto, na Malásia. O pátio de estocagem terá capacidade de giro de até 30 Mtpa de produtos de minério de ferro. As licenças ambientais prévias, de construção e de instalação, foram emitidas. O início da operação é esperado para 2014.

Oitava usina de pelotização: está em construção no Complexo de Tubarão, no Espírito Santo, e terá capacidade nominal estimada de produção de 7,5 milhões de toneladas por ano (Mtpa). A Vale investirá o total de US$ 968 milhões na unidade, que entrará em funcionamento ainda este ano.

Quarta usina de pelotização: expansão da mina e construção de um mineroduto, de Minas Gerais ao Espírito Santo, aumentarão a capacidade da Samarco para 30,5 Mtpa. A Vale tem uma participação de 50% nesta empresa. O projeto será integralmente financiado pela Samarco e deve ser concluído em 2014.

Projeto Moatize II: prevê, até 2014, a construção de uma nova mina e a duplicação da capacidade nominal de produção de carvão de Moatize, em Moçambique, para 22 Mtpa. Por consequência desta expansão das atividades da Mina de Carvão Moatize, será implementado o projeto Corredor Nacala – construção de porto e ferrovia que conectará a mina ao terminal marítimo de Nacala-à-Velha. Serão investidos, no total, US$ 6,512 bilhões na implantação dos dois projetos.

Salobo I e Salobo II: Uma nova mina de cobre será desenvolvida em dois momentos: o projeto Salobo compreende o desenvolvimento de mina, usina e infraestrutura, em Marabá. O começo da produção é esperado para o primeiro semestre de 2012. Já o Salobo II é responsável pela expansão da usina, o alteamento de barragem (atividade relacionada à recuperação de barragem) e o aumento da capacidade da mina. A capacidade nominal adicional estimada de produção é de 100 mil toneladas por ano (tpa) de cobre em concentrado.

Projeto Long Harbour: prevê a operação de uma hidrometalúrgica em Long Harbour, Newfoundland & Labrador, no Canadá. Foi investido US$ 1,7 bilhão para por a hidrometalúrgica em atividade. A unidade terá capacidade nominal estimada de 50 mil tpa de níquel refinado, além de cobre e cobalto associados.

Reabertura da mina de níquel em Sudbury, no Canadá: está prevista no projeto Totten. A estimativa é de que em 2013 a mina já esteja em operação e tenha a capacidade nominal de 8,2 mil toneladas por ano (tpa).

Rio Colorado: é o projeto da Vale responsável por investimentos em um sistema de extração por solução, em Mendoza, na Argentina, além da renovação de uma ferrovia (440 km), da construção de um ramal ferroviário (350 km) e de um terminal marítimo em Bahia Blanca, no mesmo país. A capacidade nominal estimada de produção é de 4,3 Mtpa de potássio. Até 2014, serão investidos US$ 5,915 milhões neste projeto.

Projeto de Biodiesel: O Conselho aprovou também investimentos para o projeto de produção de biodiesel a partir de óleo de palma. As mudas estão sendo plantadas em 80 mil hectares na microrregião do Moju, no Pará. Serão produzidas, em média, 360 mil tpa de biodiesel, a partir do início da operação, previsto para 2015.

Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP): em parceria com a Dongkuk e Posco, está desenvolvendo uma planta de placas de aço no Ceará. A CSP é uma joint venture que tem como acionistas a Vale, com 50% de participação, e as siderúrgicas coreanas Dongkuk Steel e POSCO, com 30% e 20%, respectivamente. A implementação do projeto foi iniciada em dezembro de 2011 e tem previsão de término em 2015.

—————–

 

Nota do blog: propositalmente, o pôster deixou por último, na relação, o Projeto da Companhia Siderúrgica do Pecém. Este investimento, de certa forma, faz concorrência direta com o projeto Alpa, que está fora dos planos da Vale.

Como se vê na relação obtida com exclusividade pelo blog, investimentos para a Alpa não foram aprovados. Também não está na relação aporte de recursos para o Projeto Cristalino, em Curionópolis.

Nem tchum, para os dois empreendimentos

E agora, seu Zé?!!

Post de 

36 Comentários

  1. Abigail

    3 de março de 2012 - 22:12 - 22:12
    Reply

    Cuidado, pode acabar se apaixonando por mim!!!

  2. flavio

    3 de março de 2012 - 12:03 - 12:03
    Reply

    Olha a chuva!! Rsrrsrsrrs. Lembrei! Ja sei qual seu medo. 2012, o mundo vai acabar! Rsrrsrs. Bjo, abigail, bjo! Rsrsrs.

  3. Abigail

    2 de março de 2012 - 21:05 - 21:05
    Reply

    Flávio, se eu continuar discutindo com vc irei mesmo precisar de tratamento psiquiatrico.
    Almodovar e Wood Allen? Normais?
    Personagens bizarros, roteiro complexo, dialogos que mais parecem monologos, para tratamento mental?
    Amigo, você precisa se tratar urgentemente.
    Misturou tudo: peixe cozido, Alpa, psiquitra, usinatermoletrica, chuva acida, Almodovar, Wood Allen…
    Eu que preciso de tratamento?

  4. anonimo

    2 de março de 2012 - 17:32 - 17:32
    Reply

    Alguem viu,soube ou ouviu falar do Deputado Tião do Não defendendo o projeto Alpa para Maraba.

  5. Paraense arrependido de ter nascido no Pará

    2 de março de 2012 - 09:29 - 9:29
    Reply

    Hiroshi,

    Tem nada não, sou marabaense calejado, já ví muita coisa ruim por aqui, mas agora chega, não aguento mais, vou juntar minhas tralhas vou pegar minha galera e vou-me embora pra Parságada.

  6. Flavio

    2 de março de 2012 - 09:01 - 9:01
    Reply

    O que deve ser discutido é o prometido pela empresa pelo passivo ambiental e social que nós pagaremos. Desenvolvimento sustentável é tão complicado quanto política sem corrupção. Todo mundo sabe o que fazer, mas ninguém sabe como fazer. 30 mil novos empregros, especulação imensa imobiliária, migração intensa para essa região (lotação nos hospitais, aumento na criminalidade, invasões transbordando pela lata), investimento no mercado interno, qualificação na mão de obra… E o melhor! Onde estão as condicionantes da ALPA? Cade tudo isso, meu povo?

  7. clamor feminino

    2 de março de 2012 - 08:58 - 8:58
    Reply

    Caro hiroshi pergunto onde estão nossos políticos E o ITALO que sempre afirmou a vinda da ALPA. A VALE é uma empresa privada mas com influencias politicas o que é bom qdo os politicos sao fortes e inteligentes. onde estão nossos deputados: Bernadete; Tião ; João e Asdrubal peço que levantem uma bandeira em prol do desenvolvimento economico do Município. Bernadete vc é do PT e a Dilma tanbem. Depositamos nossas esperanças em vcs. Vamos lá.

  8. Flavio

    2 de março de 2012 - 08:53 - 8:53
    Reply

    A aguá retornará em temperatura ambientae,deixa de esquizofrenia e insisto, tenta buscar ajuda. Peixe cozido, chuva ácida e demais “piadas”: Existem em de filmes de ficção científica. Para doido!! Procure um diretor mais conceituado, tipo Almodóvar ou Wood Allen. Você é uma graça! rsrsrsrs

  9. Abigail

    1 de março de 2012 - 23:25 - 23:25
    Reply

    Flavio, se sua intenção era ofender, conseguiu.
    Um louco não gosta de ser chamado de louco. Como descobriu que sou louca? Me conhece???
    E você é mal- amado, deve estar remoendo alguma amargura, tadinho!!!
    Se preocupe não, se a Alpa não sair seu peixe estará in natura.
    Agora com a Alpa… Peixe cozido, amigo.
    Obrigada pela dica do psiquiatra. Melhor que peixe pescado cozido, né?

  10. ezequias

    1 de março de 2012 - 22:55 - 22:55
    Reply

    Ei hiroschi ouve essa. Já tão falando que lá no terreno da alpa vai dar uma beleza de invasão , já pensou aquele favelao de frente para o rio tocantins. Eu vou é lá tirar meu terreno bem no alto de frente pro rio tocantins. Já não tem máquina alguma trabalhando lá. Daqui a pouco
    nem guarda nem guarita. Aí já era alpa. e sabe qual vai ser ser
    o nome do bairro (ops. Invasão) bairro da alpa.

  11. ORGULHO DE SER PARAENSE

    1 de março de 2012 - 20:59 - 20:59
    Reply

    Tenho orgulho de saber que nosso estado esta entre os mais pobres e desrespeitados do Brasil.
    Tenho orgulho de ter no senado tres grandes politicos Jader,Flexa e o grande intelectual Mario Couto.
    Tenho orgulho de ter nossa assembleia legislativa como uma das mais corruptas do Brasil.

  12. anonimo

    1 de março de 2012 - 20:26 - 20:26
    Reply

    Anonimo das 18:51 para seu governo não sou PT,PSDB,PTB e nem PQP ou seja não sou filiado a nenhum partido.O que me enche o saco e ver politicos que se elegem graças a uma midia perversa do tipo da praticada pela ORM (Liberal) e outras.

  13. flavio

    1 de março de 2012 - 19:58 - 19:58
    Reply

    Abigail, procura um psquiatra. Estas vendo muito filme ou recebendo email em demasia do green peace. Procura medicar sua mente, você nao ta legal.

  14. anonimo

    1 de março de 2012 - 18:51 - 18:51
    Reply

    Esse pesoal do pt, gosta de alardia que o Jatene é inimigo do governo federal e que ele Jatene não tem habilidade de negociar um projeto desta envergadura. Eles petista so não sabem explicar onde eles gastaram toda aquela diheirama toda do tal emprestimo feito pela governadora petista, eles podem ser habilidoso pra outras coisas, pra adeministrar não, um governo que não conseguiu terminar nem a obra do cabelo seco, não tem moral pra cobrar de nem um outro governo.

  15. anonimo

    1 de março de 2012 - 18:36 - 18:36
    Reply

    Ei, anonimo das 17,39h demorou pouco pra tu achar o culpado de tudo isso, que diz respeito a alpa;

  16. Abelardo

    1 de março de 2012 - 18:34 - 18:34
    Reply

    Já fiz alguns comentários a esse respeito, não adianta argumentos, o Govêrno Federal não está nem aih pro Pará, pois não temos nenhuma representatividade política de peso que pudesse influênciar em suas decisões, e nós continuamos a ver pacificamente estas situações e ninguem resolve nada, de que adianta nosso Estado contribuir com quase 50% do saldo da Balança Comercial Brasileira, de que adianta o Pará ter entre os 2.325 municípios do Brasil o 2º lugar em exportação (Parauapebas), de que adianta a Lei Kandir, se o nosso Estado não recebe nada em compensação, e ainda temos uma hidroelétrica como a de Tucuruí que fornece energia para outros estados e os impostos gerados ficam com eles, e ainda pagamos uma energia cara, isso é alguns dos descasos que esse Govêrno tem para com o Pará.
    Reclamamos, reclamamos, é ninguem resolve nada, chega, basta, precisamos reunir a nossa sociedade e tentar resolver de alguma forma essa situação, vamos nos mobilizar e mostrar nossa indignação por tudo isso que estamos vivênciando, se deixar-mos passar o tempo será muito tarde para chorar-mos o leite derramado.

  17. Abigail

    1 de março de 2012 - 18:06 - 18:06
    Reply

    Meu amigo anônimo, você parece que nunca viu a planta da Alpa. A Alpa irá produzir sua própria energia, será tanta energia que sobrará.
    Termoeletrica produz chuva ácida, tonto.
    Quer experimentar uma chuvinha quente, fervente?
    A parte boa da termoeletrica da Alpa é que usará carvão mineral, não vegetal. Uma inovação.
    Mas irão cozinhar alguns peixinhos, pois aquecerão água do nosso rio e depois lançarão de volta.
    Quer pescar o peixe já cozido também, anônimo?
    Existirá radiação envolvida sim, não como uma usina atômica. Existirão riscos ambientais, sem falar no social.
    Estamos preparados para pagar o preço do desenvolvimento?
    Peixe cozido, chuva ácida, diarreias etc…

  18. Eleitor

    1 de março de 2012 - 18:04 - 18:04
    Reply

    Que a ALPA era um engodo político e que alguns empresários ganharam muito dinheiro, eu já sabia… Por isso essa notícia não me deixa exasperado.

  19. anonimo

    1 de março de 2012 - 17:39 - 17:39
    Reply

    Em vez de protestar-mos contra a Vale deveriamos protestar contra o governador Jatene que não tem cacife e nem habilidade para negociar um projeto desta envergadura com o governo federal e Vale,
    Deviamos tambem protestar por estar-mos sofrendo represalias desta envergadura ,pois não foi a nossa região (Caraja) que elegeu um governador despreparado como este .
    Uma coisa e certa caso Maraba eleja o cabo eleitoral do Jatene (Tião) para prefeito as coisas tendem a piorar mais do que esta.

  20. Hudson Jr

    1 de março de 2012 - 17:37 - 17:37
    Reply

    Eu mesmo fui motivo de chacota quando em rodada de amigos dizia que a ALPA iria ser construída e que viriam mais de 200 empresas para Marabá, que a população iriam para quase 700 mil habitantes… Hoje vejo que onde tem política no meio, nunca devemos acreditar. Agora se preparem, em 3 anos parauapebas ultrapassa Marabá e ai meu amigo, investimentos pra cá vai ser -0.

    Agora sei de uma coisa, deveríamos nos mobilizar, favor o político que lê este blog que tome iniciativa e faça mobilização popular.

  21. anonimo

    1 de março de 2012 - 17:01 - 17:01
    Reply

    Parabens ao vereador nagib, mostrou a cara, bateu na vale e por isso, foi chamado de doido e que estava inventando historia pra se promover. O proprio bolg se referiu ao assunto com estoria de castanheiro. O jatene que nao se pronuncia nem toma atitude. Eita governa fraco! para de pescar e trabalha, jateninho.

  22. anonimo

    1 de março de 2012 - 16:48 - 16:48
    Reply

    Abigail de onde voce tirou esta ideia que para contruir a Alpa teria que ser feita uma termoeletrica e que termoeletrica emite radiação.
    Estamos ao lado da hidreletrica de Tucurui que tem energia suficiente para tocar dez Alpas.
    Outra coisa termeletrica não e usina atomica .

  23. anonimo

    1 de março de 2012 - 16:41 - 16:41
    Reply

    Estamos pagando a conta por eleger para governador do Para um inimigo declarado do governo federal e do PT.
    Quando o PT governava o Estado o governo federal representado pelo presidente Lula exigiu a instalação da Alpa inclusive forçando a mudança na presidencia da Vale para que o projeto Alpa fosse viabilizado inclusive com a hidrovia que foi incluida no PAC.
    Com a eleição do Jatene que sempre se declarou inimigo do poder em Brasilia (Coisa que o Governador de MG não fez mesmo sendo do mesmo partido) a presidente Dilma retirou o projeto da hidrovia do PAC pois não iria beneficiar um governo hosti a Brasilial.
    A Vale que queria um alibi para se livrar do projeto Alpa aproveitou a retirada da hidrovia dos planos do governo federal somou a inabilidade do governo Jatene em tentar criar um imposto inconstitucional sobre a mesma e enterrou de vez este projeto sabendo que não teria resistencia de Brasilia.
    Infelizmente enquanto tivermos um governo estadual que acha que investimento no Estado e trazer para o Mangueirão jogo da seleção,provas de atletismo etc. estaremos fadados a ver a africanização do Para e amargar-mos a triste colocação de sermos terceiro lugar em pobreza e IDH do pais superando apenas o Maranhão e Piaui.

  24. Anônimo

    1 de março de 2012 - 15:47 - 15:47
    Reply

    Vamos fechar a ponte

  25. Anônimo

    1 de março de 2012 - 15:46 - 15:46
    Reply

    Agora é hora de fecharmos a ponte, proibir a Vale de tirar toda a riqueza do povo pobre do PARÁ . Pois ela leva nosso minenerio e nos deixa um buraco.
    Vamos fechar a ponte, vamos radicalizar, vamos a luta povo de Marabá. Nos prometeram e agora? Se agente nao fazer isso, nada vai acontecer.
    Convoco a voce HIROSHI PARA ESTA BATALHA.

  26. anonimo

    1 de março de 2012 - 15:25 - 15:25
    Reply

    Hirosche alpa foi um falço projeto criado pelos cardiais do PT, para bomba a campanha da Ana Julia na sua re eleição deu no que deu viu! Até o Aguinele todo poderoso dançou por discordar desse falço PROJETO.

  27. Decepcionado de vez

    1 de março de 2012 - 14:41 - 14:41
    Reply

    Hiroshi,

    E cadê a turma do pt que veio pra cá alardear esse projeto, como lula, ana júlia, dilma, etc. etc, eles também devem ser cobrados por essa situação, pois só o fizeram às vesperas das eleições.
    Quanto à afirmação do vereador nagib, foi apenas um chute, uma vez que ele nunca disse o nome de quem ouviu a referida noticia do cancelamento do projeto, se ele uma vez que sabia de alguma coisa, daria nome aos bois, principalmente sendo homem púbico e tendo satisfação a dar à sociedade.

    É tudo farinha do mesmo saco podre, eu não compraria nem um velocípede de nenhum deles.

  28. Decepcionado de vez

    1 de março de 2012 - 14:41 - 14:41
    Reply

    Hiroshi,

    E cadê a turma do pt que veio pra cá alardear esse projeto, como lula, ana júlia, dilma, etc. etc, eles também devem ser cobrados por essa situação, pois só o fizeram às vesperas das eleições.
    Quanto à afirmação do vereador nagib, foi apenas um chute, uma vez que ele nunca disse o nome de quem ouviu a referida noticia do cancelamento do projeto, se ele uma vez que sabia de alguma coisa, daria nome aos bois, principalmente sendo homem púbico e tendo satisfação a dar à sociedade.

    É tudo farinha do mesmo saco podre, eu não compraria nem um velocípede de nenhum deles.

  29. Pé di ferro

    1 de março de 2012 - 14:28 - 14:28
    Reply

    Hoje em dia se bloqueiam rodovias e estrada de ferro, por motivos sabidos; a falta de respeito com os direitos contitucionais do povo brasileiro.
    Agora sobra motivos para uma mobilização que chame a atenção da opinião mundial, pois tão achando que somos marionetes.
    Paciência tem limites! A VALE tá de brincadeira com nóis, kd nossos governos federal, estadual e municipal, estou pronto a qualquer hora para essa luta.

  30. Olhar Feminino

    1 de março de 2012 - 14:17 - 14:17
    Reply

    Hiroshi vc me fez lembrar de uma amigo que foi para África, pra esse projeto Simandou em Zogotá, ele está na Guiné, e o projeto já está bem adiantado.

  31. Abigail

    1 de março de 2012 - 13:49 - 13:49
    Reply

    Particularmente acho ótimo o fato da Alpa não existir.
    Já pensaram no fumacê que virará Marabá? Principalmente nas localidades próximas ao empreendimento.
    Desenvolvimento não vem apenas com siderúrgicas, temos que nos abrir para novas possibilidades inovadoras.
    Para a Alpa funcionar será preciso construir uma usina termoelétrica, sabem o que isso significa? Radiação. Perigo.
    Com um frigorifico fedido já sofremos, imaginem com uma siderúrgica no porte da Alpa?
    Marabá continuará sendo uma potencia, com Alpa ou sem Alpa, basta sermos criativos, inteligentes e ousados.
    Mas será preciso cobrar uma atitude positiva para com o local onde o empreendimento iria existir. Lá virou um descampado. Não podem abandonar aquilo daquele jeito.

  32. Capitu

    1 de março de 2012 - 13:13 - 13:13
    Reply

    A atitude da Vale é uma represália velada contra o governo Dilma e a ex-governadora Ana Júlia. Não pense que os investidores da empresa tenham gostado da saída do ex-presidente Roger.
    A ALPA para a Vale não dá lucro, só existiu porque queriam a permanência do Roger, a ex-governadora Ana Júlia usou sua influência com o então presidente Lula para pressionar a Vale.
    Há uma luta politica silenciosa. Pois após perder a eleição, Ana Júlia trabalhou contra o que havia lutado, no caso, a ALPA. Tem sido uma peça chave nesse jogo. Não pense que o PT dará um empreendimento desse porte para o atual governador.
    Ana Júlia possui influência junto a Dilma para fazer a hidrovia sair, a Alpa sair, até para fazer a lua sair ao meio dia se quiser. Mas não está interessada, prefere deixar as coisas se desgastarem, saindo ilesa da história.
    Voltando aos investidores: muitos estão migrando da Vale para outros investimentos após a saída do Roger, não querem tanta interferência do governo federal, como entendem, também, que o ex-presidente consegue fazer dinheiro, e é exatamente isso que eles gostam: dinheiro, muito dinheiro.
    O desinteresse do governo federal com a região sul do Pará está resultando nesse cancelamento da Alpa.
    Alpa só saíra sobre pressão política.

  33. Anônimo

    1 de março de 2012 - 12:07 - 12:07
    Reply

    E agora? Agora é hora de radicalizar!! Radicalizar contra o governo do Estado, radicalizar contra a Vale. Cansamos de ser pacíficos e nos confundirem com passivos. Radicalizar contra o governo do Estado por conta das estradas e com a Vale por conta dessa palhaçada da ALPA.

  34. Anônimo

    1 de março de 2012 - 11:33 - 11:33
    Reply

    Onde estão os empreendimentos alardeados em programas globais, revista veja e em toda a grande mídia. A mesma não se pronuncia agora que a mineradora da esse calote no povo. na contra-mão dessa “Sacanagem”, vem todo o ônus social que Marabá a”Abraçou”. Como em um abraço de urso. Empresa sem a menor conciência social e ambiental, e que atrasa nosso município. As filas em hospitais e a violência em Marabá, de forma alguma podem ou devem ser desvinculadas da VALE. O Crescimento desproporcional que se deu depois que A VALE começou a anunciar o novo “EL DORADO”, como tigre da Amazônia e tudo mais, deve ser cobra da irresponsável VALE.
    Pena que ela só ouve alguma coisa quando se fecha a ferrovia. Atitudes extremas, ainda no mundo de hoje, parecem ser solução para maioria insatisfeita

  35. Ulisses Silva Maia

    1 de março de 2012 - 11:18 - 11:18
    Reply

    Hiroshi, eu nunca acreditel neste projeto. E agora coloco, de vez, uma pá de cal em cima.

    Marabá, como sempre, vivendo de “projetos”. Projeto Salobo, Projeto Alpa, Projeto disso, Projeto daquilo.

    E fica a pergunta: quando vão anunciar outro mega-projeto desses para atrair ainda mais gente e encher mais ainda nossas periferias?

    • Hiroshi Bogéa

      1 de março de 2012 - 11:34 - 11:34
      Reply

      Ulisses, pior é reconhecer que quem estava certo era o vereador Nagib Mutran, ao denunciar, ano passado, o Projeto Alpa indo pro fundo do poço. O blog o contestou, mas agora dá a mão à palmatória: esse babado aí está com cheiro de mico.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *