Hiroshi Bogéa On line

Vale encaçapa mais uma

Enquanto a Petrobrás pede merreca emprestada aos bancos públicos, o céu é o limite. Pra Vale:

A Vale informa que fechou o contrato de aquisição da Petroleum Geoscience Technology Ltda – PGT, empresa especializada em exploração e produção de petróleo e gás. A aquisição da PGT está alinhada à estratégia da Vale de investir na produção própria de gás natural para suprir suas operações no Brasil e no exterior, que apresentam grande demanda por este insumo energético. O valor total da aquisição é R$ 15 milhões, a ser pago em parcelas anuais até 2013.
“Estamos adquirindo mais conhecimento em exploração de gás natural e petróleo. O objetivo é ampliar as opções de geração energética na Vale”, afirmou o diretor executivo de Não Ferrosos e Energia, Tito Martins. Criada em 2003, a empresa passará a se chamar Vale Exploração e Produção de Gás Natural – E&P e ficará ligada ao Departamento de Energia.
Desde 2007, a Vale vem investindo em participações em consórcios para exploração de gás natural nas bacias sedimentares brasileiras. A empresa já construiu um portfólio composto por 15 blocos.
Na 9ª rodada de licitações da ANP, realizada em novembro de 2007, a Vale adquiriu direitos de exploração sobre blocos nas bacias de Santos, Para- Maranhão e Parnaíba. Além desses blocos licitados na 9ª rodada, o portfólio comporta ainda participações adquiridas de outras empresas do setor nas bacias de Santos e Espírito Santo.
Em nenhum dos blocos a Vale desempenha o papel de operador responsável pela condução das atividades. Sua participação varia entre 10% e 50% e a seleção dos blocos-alvo foi feita com base no seu potencial para a produção de gás natural.
A partir da aquisição da PGT, a Vale construirá sua equipe própria de profissionais especializados. Os sócios-diretores da PGT permanecerão na empresa e ajudarão a implantar e conduzir os processos exploratórios.

Fonte: Assessoria de Comunicação
Post de 

13 Comentários

  1. Anonymous

    2 de dezembro de 2008 - 20:19 - 20:19
    Reply

    El Cid, Dom Quixote!

    Ainda bem que ambos tinham a companhia e amizade dos seus cavalos! Algum tipo de osmose ocorreu entre os cavalos e os cavaleiros que apenas agora, nos nossos conterrâneos homônimos é que está se manifestando!

    O cara culpa o governo até quando este cobra pouco imposto! Deve ser um “neo-liberal” um “neo qualquer coisa”, quem sabe até neo-petista!

    Vive no mundo do PIG, como apelida Paulo Henrique Amorim.

    A VALE, filho, deve muito ao povo brasileiro, deve muito ao povo mineiro, ao povo paraense nem se fala. Deve muito.

    Não fazes idéia do quanto foi investido do povo brasileiro pra ela ser o que é hoje. Se pensas que o que ela hoje colhe é fruto de alguns anos de privatização, estás muito enganado, muito mesmo!

    É fruto de uma cegueira ideológica! Tà na hora de cancelar a assinatura de Veja e perceber que a Globo não tem nada a ver, e vir de vez para a blogosfera! El Cid saia de cima do cavalo, afinal estás morto e o cavalo já tá desconfiando (rs)!

  2. Anonymous

    2 de dezembro de 2008 - 18:38 - 18:38
    Reply

    Só quer trabalhar na VALE quem nunca trabalhou lá, quem já trabalhou sabe como funciona… Trabalhar muito e ganhar pouco,é o mesmo que ela faz com seus fornecedores… exigir muito e pagar pouco… Todos querem porque vivemos de migalhas, infelizmente…Nosso amigo El Cid poderia dar uma volta no DIM de Marabá e perguntar aos ex funcionários da VALE se algum deles tem o desejo de voltar para lá…

    PS: talvez até tenham… com essa crise muitos vão para a rua..

  3. Anonymous

    2 de dezembro de 2008 - 11:16 - 11:16
    Reply

    A VALE não ter responsabilidade social com os povos onde atua é um fato tão óbvio que basta ver Parauapebas, maior centro da exploração mineral da empresa. Pergunto aos defensores da VALE qual o grande projeto social que a VALE encampa em nossa região. Ela se limita a migalhas!

    Gerar empregos, filho, é um consequência do empreendimento dela, já pensaste ela conseguir esgotar nosso solo sem esgostar nosso suor, você acha isso possível, caro amigo trabalhador?!

    Não ser um “grande” admirador da VALE, nem mesmo quando ela era um patrimônio do nosso povo, imagine agora, patrimônio de poucos, que sequer sabemos nominar, filho, não torna ninguém vagabundo ou desocupado.

    Talvez, filho de nossa terra, paraense irmão, devesse você amar mais seu povo e sua terra, além obviamente, de conhecê-la melhor, assim, quem sabe poderias enxergar que a VALE não é uma santinha, que da gente, ela só quer nossos minérios e nosso suor.
    Conhecendo melhor, saberás que a VALE não paga tanto imposto como imaginas, além de pagar as menores taxas de “royalties” do mundo! Nem na África, apesar da necessidade daquele povo, ela consegue tantos benefícios para realizar sua exploração!

    Pois é, caro amigo, não somos vagabundos como diz você, aliás, não é só você, FHC, descuidado presidente, tempos idos, de nossa terra, também pensava assim. Ele entregou a VALE e você doa nosso solo e nosso suor, sem nada pedir.

  4. El Cid

    2 de dezembro de 2008 - 10:46 - 10:46
    Reply

    Que me conste os sócios majoritários da Vale, são brasileiros, o presidente é brasileiro e a sua sede é no Rio de Janeiro. Os funcionários, brasileiros estão muito satisfeitos em trabalharem para Vale, e existem milhares de outros querendo entrar nos seus quadros.
    Se os impostos pagos não são coerentes, a culpa é exclusivamente do nosso governo. Quanto a incentivos fiscais, é um mecanismo necessário ao desenvolvimento.

  5. Anonymous

    1 de dezembro de 2008 - 20:21 - 20:21
    Reply

    Q imposto a VALE paga? Ela tem isenções dos govêrnos Federal, Estadual e Municipal, e ainda é amparada pela Lei Kandir nas exportações? Imaginem se ela pagasse imposto quanto o estado do Pará iria arrecadar? n se iludam esses benefícios q ela faz é trocado perante o faturamento da empresa e ela tem uma mídia muito forte pra enganar q n entende, a alegação é q ela gera muitos empregos, eu pergunto: como ela iria funcionar se n tivesse esses trabalhadores? O q nos temos q ver é : quem pode pagar imposto neste país n paga essa é a nossa realidade.

  6. Anonymous

    1 de dezembro de 2008 - 18:48 - 18:48
    Reply

    Quanto ao comentarista que disse ter orgulho da Vale lembro ao mesmo que a Vale hoje nao é uma empresa brasileira e sim uma empresa que opera no Brasil com sede em Nova Iorque.

  7. Anonymous

    1 de dezembro de 2008 - 18:45 - 18:45
    Reply

    A vale representa hoje o maior crime de lesa pátria feito por FHC e sua quadrilha.
    Vejam a história deste pais e poderao verificar que a Vale foi feita pelos americanos em troca da ida da FEB para a Itália ou seja custou sangue de brasileiros e foi dada para o Bradesco por Us$ 3,3 bi sendo que na época da privatizacao o lucro da mesma era superior a esta cifra.
    O pior de tudo que o Sr. FHC e gangue alem de vender financiaram a mesma com dinheiro do BNDES.

  8. Anonymous

    1 de dezembro de 2008 - 12:57 - 12:57
    Reply

    Quem tem “mamata” é a empresa que possui o direito de explorar a MAIOR MINA DE CÉU ABERTO DO MUNDO. Tem gente que se contenta com pouco, a VALE faz… mas poderia fazer muito mais…É apenas a MINHA opinião…

  9. Dom Quixote

    29 de novembro de 2008 - 20:25 - 20:25
    Reply

    Sou da iniciativa privada, nunca fui beneficiado pela Vale nem por qualquer outra empresa ou instituição. Tudo que conseguimos foi com muito trabalho, e é assim que deve ser.
    Por que temos que exigir da Vale mais do que ela tem feito.
    Temos recebido inúmeros benefícios patrocinados pela VALE, podemos citar: Casa da Cultura, APAE, FICAM, Ponte Rio Tocantins, Estrada de ferro Carajás, Reforma de escolas, eventos culturais e esportivos, etc…
    Porém, mais relevante ainda são os empregos gerados e os impostos pagos, ingredientes propulsores de desenvolvimento, progresso e qualidade de vida.
    E para finalizar, imaginem Marabá depois da implantação da Aciaria.
    Quem viver, verá.

  10. Hiroshi Bogéa

    29 de novembro de 2008 - 18:53 - 18:53
    Reply

    Das 2:47 PM, não havia necessidade de fechar seu arrazoado comentário usando a frase “já gastei muita cera pra defunto vagabundo, como esse tal Anônimo”.
    Se o outro Anônimo tem restrições a Vale, é um ponto de vista dele. O seu,colocado em seguida,pontificou a beleza do contraditório.
    Vamos respeitar os parceiros da caixa de comentários, quando interagem de boa.
    Um abraço.

  11. Anonymous

    29 de novembro de 2008 - 17:47 - 17:47
    Reply

    Sem polêmica, respondendo anônimo como merece um que se esconde no anonimato. Mas a Vale tem responsabilidade social, sim senhor. Quantas pessoas estão empregadas, em uma empresa sólida, com benefícios de todo tipo (vc conhece os benefícios que os empregados da Albras tem, sr. Anônimo?) Qtos projetos de apoio às comunidades são patrocinados por essa empresa? Ou o sr. é daqueles que perderam a mamata de ver esses milhões todos na mão do governo, distribuindo para os apadrinhados, dando emprego a parentes, fechando o ano com prejuízo na empresa, mas sendo bancados pelo Tesouro?
    É bom pensar nisso: as riquezas minerais existem para ser exploradas pelo homem, em benefício da coletividade humana, com empregos, benefícios, impostos, circulação de riquezas, etc. Não para ficar na mão de meia dúzia, como era antes.
    Chega. Já gastei muita cera pra defunto vagabundo, como esse tal Anônimo.

  12. Anonymous

    29 de novembro de 2008 - 14:15 - 14:15
    Reply

    Merreca de 2 bilhões, aquisição de 15 milhões. O céu é o limite para quem gosta do “jeito” VALE de ajudar o Pará!

    A VALE é uma empresa sem qualquer responsabilidade social com os povos das regiões onde atua, quem é o do Pará, sul do Pará, Parauapebas, Marabá e não tem isso claro, a olho nu, terá o céu como limite e a terra como um castigo, não para sí, já que bem aquinhoado pelo destino, mas para seus pares!

  13. El Cid

    28 de novembro de 2008 - 22:43 - 22:43
    Reply

    A VALE hoje, é motivo de orgulho para todos nós brasileiros. Exemplo de competência e arrojo.
    Considero o Sr. Roger Agneli um dos maiores executivos mundiais.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *