Vai a Algodoal neste Verão? Então vá.! As charretes lhe aguardam com seus animais bem tratados

Publicado em 6 de julho de 2021

Quem conhece a Ilha de Algodoal sabe que lá é proibido a circulação de veículos motorizados.

Para circular o maravilhoso  balneário cercado de praias banhadas pelo Oceano Atlântico,  Baía de Marapanim, e pelo Canal da Mocooca, veículos somente por tração animal e bicicletas.

É tradição o uso de charretespuxadas por animais, e este fato tem gerado polêmicas, principalmente pelas entidades protetoras de animais.

Mas como o transporte faz parte da cultura do lugar, há outros agentes sociais e governamentais que lutam para que a tradição seja mantida  com aplicação de políticas  destinadas a cuidar dos animais.

É o caso do Projeto Carroceiro que tem  como objetivo evitar maus-tratos dos animais, conscientizar os carroceiros e prestar atendimento para reabilitação clínica e cirúrgica.

O programa, que existe desde  2003, já está sendo aplicado desde o 1 de julho, com o início da alta temporada, que estimula o crescimento do turismo na ilha.

“A ação é pré-veraneio, com a intenção de fazer um check-up nos animais da ilha, verificar quais os que estão precisando de atendimento médico urgente e certificar aqueles que poderão ser utilizados no trabalho agora no veraneio”, explica o professor Djacy Barbosa, coordenador do Projeto Carroceiro.

Além de prestar atendimento aos animais, a equipe formada por 13 pessoas – entre técnicos, alunos e médicos veterinários – irá orientar os charreteiros sobre o manejo e cuidados com os animais. O projeto já realiza ações na ilha há 10 anos. O professor Djacy afirma que os resultados têm sido positivos.

Transformada em  APA (Área de Proteção Ambiental) Algodoal/Maiandeua foi a primeira Unidade de Conservação litorânea do Pará, e está dividida em quatro vilas: Camboinha, Fortalezinha, Mocooca e Algodoal, sendo esta última a mais preparada e bem estruturada para receber os turistas.

Cada uma das quatro vilas que formam a ilha de Algodoal/Maiandeua tem um tipo diferente de atividade principal, e também fluxos variados de público.

As vilas são separadas entre si por áreas de maguezais, e também por alguns pontos de canais de maré.

Dentre elas, a mais desenvolvida para o turismo é Algodoal, que absorve o grande número de visitantes durante os períodos de alta temporada.

Zucatelli Julho (1)
Zucatelli Julho (3)
Zucatelli Julho (7)
Zucatelli Julho (6)
Zucatelli Julho (4)
Zucatelli Julho (2)
Zucatelli Julho (5)

As vilas de Mocooca e Fortalezinha são mais próximas à Algodoal.

Mocooca é um núcleo transitório, em frente à Fortalezinha, por onde as pessoas passam durante alguns passeios, ou até mesmo para conhecer um pouco melhor os arredores da vila. Botos, garças e guarás são alguns animais da fauna local que os visitantes podem encontrar em Mocooca.

Já Fortalezinha é uma área com 7 km de extensão, que vem crescendo em ritmo acelerado há cerca de 10 anos, e possui uma estrutura básica para o turismo. A pesca esportiva é um dos atrativos desta vila.

Mais afastada das demais, a vila de Camboinha não desenvolve nenhum tipo de atividade exclusivamente voltada para o turismo. Do ponto de vista de infraestrutura e economia, Camboinha é caracterizada como a vila mais tradicional da ilha, com residências de nativos e a prática da atividade pesqueira.

Se você deseja conhecer Algodoal ou retornar aquela ilha paradisíaca, saiba que ali o bom é andar permanentemente descalço.

Quem chega lá, sente que a ilha é um lugar para se ficar livre,  sem estresse, nem preocupações com violência, porque tudo lá é muito calmo