Universitários da Unifesspa continuam sem transporte público. Prefeitura não atende reivindicações para criação de uma Rota Universitária

                                              – “Estamos tratando de fazer uma rota exclusiva, que deve começar estar com ela em operação em janeiro como teste e, com força total, em março. Mesmo com o terminal de integração não estando pronto, pretendemos fazer um terminal provisório só para a universidade na Unidade I. Vamos ter um sistema de cartão temporal, que o usuário vai poder trocar de veículo sem custo.  É um projeto piloto que está sendo feito. Esses trabalhos começam em final de novembro, com a parte burocrática. A prática e a técnica, em dezembro e janeiro. De acordo com o número de usuários que formos atendendo, vamos fazendo as adequações”.

 

Declaração acima foi feita por Clécio Siqueira,  representante da Integração Serviços, empresa responsável pelo transporte municipal –  durante reunião, em novembro último, com dirigentes da Unifesspa, e  representantes da Secretaria Municipal de Segurança Institucional de Marabá.

Na ocasião, foram debatidos demandas da área de transporte  público até hoje não solucionadas.

Mais de 3 mil universitários que estudam no Campus 3 sofrem diariamente a falta de ônibus suficiente para atender a necessária mobilidade.

A Secretaria de Infraestrutura da Unifesspa (Sinfra) estima que circulem na Cidade Universitária (Unidade 3), localizada no bairro Cidade Jardim, o mais distante do centro de Marabá, cerca de 3 mil pessoas por dia, nos três turnos.

Na Rota Universitária, aproximadamente 1.500 passagens devem ser emitidas diariamente, considerando ida e volta dos usuários.

Durante aquela reunião, ficou definido que a prefeitura e a empresa concessionária do transporte criariam uma rota exclusiva universitária, contemplando os públicos das três unidades da Unifesspa em  Marabá (Campus 1, 2 e 3), por meio da integração com as demais rotas municipais.

A ideia defendida é que a comunidade pague somente o valor de uma passagem para chegar e sair das dependências da instituição, como também a preocupação com a  acessibilidade a pessoas com deficiência, o conforto e a segurança dos usuários.

A empresa responsável  assumiu o compromisso, como se constata na declaração de Clécio Siqueira, em atender às solicitações.

Na reunião, um grupo de trabalho foi montado com a Divisão de Transportes da Unifesspa destinado a realizar um estudo técnico sobre o quantitativo de usuários, as áreas de impacto do serviço, o tempo de percurso, os horários de circulação, além das adaptações do itinerário.

Depois de muito blablablá, o resumo da ópera continua sem resumo.

Ou seja, nada foi resolvido até agora, passados cinco meses da reunião na Unifesspa.

A prefeitura é quem detém a responsabilidade de fornecer a mobilidade urbana à população de todos os núcleos da cidade, mas não o faz.

Falta vontade política, seguindo a  máxima da Lei de Murici: cada um por si.

O presidente da Comissão de Transportes da Câmara de Marabá, vereador “Dato do ônibus” ficou de conceder entrevista ao blogueiro na tarde desta terça-feira, 12, para tratar do assunto.

Pela manhã, quando foi acionado pelo blog, ele se encontrava  na sessão da CM.