Hiroshi Bogéa On line

Um Natal de sonhos, cores e encantos ainda existe?

 

 

Com a pergunta na cabeça (O que o Natal significa de verdade?) e muitas respostas prontas, resolvi partir para o óbvio: a opinião das crianças. Assim, solicitei às professoras da Escola São José que conversassem sobre o Natal com elas e depois desenhassem, escrevessem, enfim, expressassem de alguma forma como percebem o Natal.

Vitória desenhou (acima) a escola com uma enorme árvore de Natal. A escola e o Natal estão entrelaçados para ela. Motivo: os alunos do PETI, com a professora Eliana, confeccionaram uma enorme árvore de material reciclável, ficou linda!

O pequeno Davi deixou que suas mãozinhas expressassem sua fragilidade de criança (abaixo).

Amo mãos!

Elas concretizam o abstrato, nossos sentimentos: amor (cafuné na cabeça), tristeza (mãos em oração), medo (apertadas uma nas outras). Com as mãos trabalhamos todos os dias, com as mãos escrevo este texto…

Mateus relembrou o Natal do ano passado e sonhou com o deste ano, 2011, pediu empregos, tendo em vista vivenciar o desemprego em sua família.

O que me chamou atenção foi a falta de presentes de Natal. Nenhuma criança pediu ou desenhou presentes (brinquedos), um pensamento maduro?

Mateus sonha em ganhar um prêmio em dinheiro para ficar junto dos parentes que “fazem falta”, seu coraçãozinho anda ferido de saudades!
Sentimento maduro, ideias maduras, atitudes maduras…

Nossas crianças não querem mais ganhar apenas carrinhos, bonecas, bolas, bicicletas etc; querem um algo a mais, algo que talvez o Papai Noel (desaparecido dos relatos) não possa realizar.

Se eu acredito em Papai Noel? Claro, afinal quem, se não o Papai Noel, teria me presenteado durante anos na noite de Natal? O que eu pediria ao Papai Noel? Mesmo adulta, pediria a fantasia de volta ao mundo da infância. Pediria o coraçãozinho acelerado na noite do dia 24 de dezembro, ansioso com a expectativa de acordar no dia 25 com um presente debaixo da cama.

Mandaria uma carta para o bom velhinho com um apelo: que toda criança seja criança, sem as preocupações dos adultos, sem as angustias tão adultas.

As situações sociais que nossas crianças presenciam diariamente se refletem na ausência de fantasias de Natal. A falta de alimento, a enfermidade crônica de um parente, as vestes sempre doadas, a tristeza de um pai desempregado, falam muito mais forte que qualquer sonho natalino.

Compreendo que para restaurar a fantasia do Natal em nossas crianças, da Vila São José e tantas outras comunidades sofridas, será preciso uma mudança na sociedade.

Será preciso fazer valer o direito de cada cidadão a uma moradia digna, a um emprego capaz de propiciar o sustento necessário, ao atendimento médico gratuito e de qualidade, a uma educação empreendedora…

Não pretendo finalizar o artigo com essa triste constatação. Afinal é Natal…

Quero propor um desafio para todos os pais, mães, avós, tios, padrinhos, madrinhas, enfim, qualquer pessoa que estiver incumbida da tarefa de presentear uma criança neste Natal: criem um encanto natalino na entrega do presente.

Se escondam, façam mistérios, guardem segredos…

Fiquem orgulhosos de terem contribuído com uma fantasia de criança, valorizem mais o brilho de alegria nos olhos de um pequeno, por acreditarem que foram visitados por Papai Noel, que o seu próprio orgulho de ter gasto dinheiro na compra do presente.

Sonho em ver todas as crianças da Vila São José sendo visitadas por Papai Noel, perceberem-se crianças com infância e não crianças adultas.

Gostaria de ter o poder de colocá-las em uma redoma, protegendo-as das mazelas sociais, resguardando seus sentimentos, imaginando, ao lado delas, muitos outros natais encantadores, espirituosos, coloridos, saborosos…

 

Obs.: Meu muito obrigada às professoras que viajaram comigo nesse artigo de Natal: Edileuza, Vanessa e Noeme.

Também ao nosso querido artista Uendas, que me salvou das complicações da tecnologia: scanear, formatar etc.

 

Texto de Evilângela Lima, Educadora, Diretora da Escola de Ensino Fundamental São José.

Post de 

3 Comentários

  1. Francisco Sampaio Pacheco

    11 de julho de 2012 - 11:33 - 11:33
    Reply

    Evilangêla,

    O lindo texto que além das palavras colocadas, maior é o significado, coisas que brotam no teu interior! Aí então inevitavelmente fui buscar algumas coisas minhas bem reais:

    O texto me fez lembrar quando menino usando o pêndulo do coqueiro para improvisar uma ÁRVORE de NATAL junto com a meninada na casa do Sr. Pedro Marinho de Oliveira, ex Prefeito, vizinho de cerca.
    Fez-me lembrar o quanto eu esperava com ansiedade esse dia, pensando naquela bola que tinha visto na casa CONTENTE.
    Fez-me lembrar quando passei alguns anos regando uns pinheiros (cipreste) já que o nosso clima não é o ideal, para enfim montar uma árvore de NATAL, bem NATURAL, bem ORIGINAL com uma bola somente, uma bola vermelha agasalhada no interior emitindo uma luz no meio da escuridão, e de longe ficava debruçado na janela a observar.
    Hoje me ponho a olhar os ribeirinhos, lá longe na sua casinha com uma luz da fé, clareando timidamente a escuridão, e me pergunto?Quais são seus sonhos, suas alegrias, suas tristezas e esperanças? Gente humilde longe da civilização que nascem, crescem e depois se vai sem ao menos ouvir falar de PAPAI NOEL, é triste e não me faz bem pensar assim!
    Carinhosamente,
    Parabéns criançada esperta.

  2. Evilângela

    1 de janeiro de 2012 - 21:36 - 21:36
    Reply

    Obrigada, amiga.
    Me lembro desse momento. Até hoje tenho o texto guardado, era uma história de assombração que minha tia contava em nossa infância, quando faltava energia em casa, pra turminha ficar quieta.
    Hoje conto para os meus filhos e eles bolam de rir, pode? Nem uma piscada de medo…
    Bom relembrar isso! Sua opinião me ajudou a continuar escrevendo, pode acreditar!
    Beijão e feliz 2012!!!

  3. Aurelice Queiróz

    30 de dezembro de 2011 - 00:07 - 0:07
    Reply

    Parabéns , querida Evilangela, por nos brindar sempre neste blog com belos, textos, sempre tenho lido, são maravilhosos, consistentes, atuais, me lembro de uma vez que você me apresentou um dos seus textos e me perguntou o que eu achei, falei do fundo do meu coração o que eu achava, que você escreve maravilhosamente bem!!!!!!! Achei que você não tinha ficado muito convencida disso, mas agora fico muito feliz de ver sempre os seus textos em um blog tão importante…Parabéns amiga!!!!! bjss

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *