Um bode na sala

Publicado em 27 de agosto de 2010

O candidato a governador do Pará pelo PSDB, Simão Jatene, vinha escondendo debaixo do tapete o seu candidato a presidente, José Serra, desde que ele começou a cair nas pesquisas. Jatene fugia dessa conexão política como o diabo foge da cruz. Mas, no debate da RBA, na noite de ontem (sexta,26), ele foi surpreendido por uma pergunta estrategicamente colocada pela candidata à reeleição, Ana Júlia (PT), sobre o projeto que Serra teria para o Brasil e o Pará, caso fosse eleito. Jatene se enrolou todo e acabou defendendo, mesmo sem querer – e sem dominar concretamente o assunto – o projeto já popularmente rejeitado de FHC e Serra. Disse, na TV, que o governo tucano fora melhor que o de Lula para Brasil e para o Pará, o que ele, em particular discorda.

Na réplica Ana Júlia fulminou o tucano elencando uma série de grandes obras de infratestrutura que o estado recebe, as grandes empresas que chegam e ajudam o Pará a bater recorde na criação de empregos, tudo com o apoio logístico do presidente Lula. Sem nenhuma dúvida, um grande bode chamado Serra berra agora sem parar na sala-de-estar do Simão Jatene.

Disse Ana Júlia: “Em oito anos de governo do PSDB ,com Fernando Henrique Cardoso, foram gerados 700 mil empregos. No governo Lula, mais de 13 milhões de pessoas tiveram acesso a emprego. A diferença entre o projeto do governo do PSDB e do governo Lula é que nós entendemos, o governo do Lula entende,
que o governo tem que ser indutor do desenvolvimento, enquanto ele preferem vender as empresas públicas.
Por exemplo, aqui no Pará, nós temos a nossa riqueza saindo pelos trens invés de ser industrializada aqui. É isso que nós queremos fazer, como o Lula está fazendo no Brasil, pra gerar emprego, pra gerar recurso e pra gerar mais condições de ter investimento em educação, em saúde e em segurança pra você e sua família”.