Hiroshi Bogéa On line

Uiversidade: agora sai

 

 

 

As 11 horas desta terça-feira, 16, presidente Dilma Roussef assina termo de criação da Universidade Federal do Sul do Pará.

A classe política de Marabá participa do evento, a convite do prefeito Maurino Magalhães (PR).

Deve-se creditar grande parte dessa conquista a ex-governadora Ana Júlia. Ela teve papel fundamental na evolução do processo.

Post de 

10 Comentários

  1. Claudio Pinheiro Filho

    17 de agosto de 2011 - 19:08 - 19:08
    Reply

    Minha cara Karla! Deixa de lado esse discurso efébico. “Sou nativo, quero um Pará grande e unido,’. Você parace ter sido extraída de um filme romano. daqui a pouco irá falar que é Karlateu, filha de hebreus, irmã de morfeu, casada com Tezeu. Rsrsrrsr. Você tá de brincadeira. Respeito sua opinião contrária ao desmembramento. Contudo, você não possui argumentos. Não tem dados, ou pelo menos não os apresenta, que ratifiquem sua posição. Informe-se, não deixe que lhe emprenhem os ouvidos. Corra, vá atrás de informações.
    Façamos o seguinte: aponte os orgãos estaduais que funcionam a contento na sua região. Veja in loco, depois volteremos a discutir!
    Até mais!!

  2. Karla Muaés

    17 de agosto de 2011 - 11:58 - 11:58
    Reply

    Bom dia J.Beá, o Sr está certissimo! Faço minhas suas providenciais palavras!
    No meu humilde entender, qualquer incentivo que seja à educação, deveria ser bem vindo , louvado , ovacionado, enfim…é fonte de conhecimento!!!
    O Sr. tem toda razão quando fala da carência de cursos tenicos e tecnologicos nas nossas universidades e com certeza sim, daqui ha uns anos estes cursos estarão saturados. O Sr está certo!
    Só fiquei, perplexa , diante da insatisfação , de um marabaense, pela vinda de mais esta Universidade, como se ela nao valesse de nada. Isso é triste! Mas tenho certeza de que ele faz parte de uma minoria privilegiada que pode mandar seus filhos estudarem fora da cidade!! Os jovens nativos agradecerão quando verem seus nomes naquela bendita lista!
    Antes de ter um Hospital Regional , o que tinhamos???
    Antes de ter uma Fit, UBra , UFpa , UEPA, o que tinhamos?
    Então, antes de menosprezar e se desfazer desse previlegio que os marabaenses receberam, deveriam refletir que poderia ser pior. Porisso falei que se não estão contentes, mandem pra ca! Aqui em Santarém tem muita gente ainda fora do universidade por não poder pagar as caras mensalidades das faculdades privadas! Obrigada por suas palavras.
    Sr Claudio, se eu estivesse a favor a do estado do carajas falando horrores do Pará e o do Sr Jatene, com certeza nao falaria besteira., certo?
    Mas infelizmente sou CONTRA e nao vou compactuar com essa politicagem destruidora!
    Fiquem em paz e tenha um bom dia!

  3. J.BEÁ

    17 de agosto de 2011 - 11:02 - 11:02
    Reply

    Caros,

    Apenas pra reforçar meus argumentos colocados em minhas postagens em que falei da falta de professores e de interesse em continuar investindo…

    Vejam esta proposta que previa que universidades pudessem contratar professores sem qualificação. Infelizmente foi aprovada pela Comissão de Educação (?!) do Senado e felizmente passará por revisão acessem: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=78855

  4. J.BEÁ

    17 de agosto de 2011 - 10:13 - 10:13
    Reply

    João Guimarães, Karla e José Filho,

    Por conhecer e viver a região, e trabalhar em uma universidade é que sigo afirmando isso. É necessário direcionar os recursos de forma que sejam bem aproveitados, a região precisa de mais tecnologia. Os cursos que citei irão saturar a região em poucos anos, não precisamos de mais profissionais dessas áreas.

    Procurem o número de vagas que são ofertadas nos vestibulares e a quantidade de graduados, só chegam até o fim menos de 40%. A causa dessa evasão é simples: para estas formações existem poucas oportunidades, aí só seguem no curso os mais aguerridos. Daí a região perde 2 vezes, perdeu o recurso e um profissional que vai atuar em outra área. Não adianta investir dinheiro público pra gerar evasão, precisamos gerar profissionais que precisamos.

    Quem está de fora, acha a coisa simples, mas esta tropa de políticos deveria continuar a dar suporte na sustentação desta nova universidade e não fazer como fazem com a UFPA e a UEPA onde pressionam pra abrir campus e cursos mas não direcionam orçamento, aí é bonito aparecer pra tirar foto cortando a fita de inauguração.

    O que postei foi um receio meu, pode ser que minhas previsões não aconteçam e torço pra isso, mas o histórico tem sido outro, não apenas em Marabá mas em Santarém e outros municípios.

  5. jose n. filho

    17 de agosto de 2011 - 00:13 - 0:13
    Reply

    Caro J. BEÁ, Caso você seja de marabá lamento em parte o seu comentário, pois mesmo que venhamos a ter apenas esses cursos citados por você na (Unifesspa), será mais uma chance dos vestibulandos que ficaram pra traz na disputa por uma vaga nos vestibulares passados, de realizarem seu sonho de ter um curso superior.
    Todos os anos são centenas de jovens que tem a frustração de estudar durante todo um ano e olharem em um mural e não encontram seu nome ali, espero ver mais rostos sorridentes, felizes e fazendo a alegria de seus pais ao ver seu nome na lista de aprovados na (Unifesspa).
    Mas também concordo com você que deveria ter mais cursos de engenharias e o principal professores que é fundamental para os cursos andarem.

  6. Gilberto leite

    16 de agosto de 2011 - 23:24 - 23:24
    Reply

    Karla Maués voce de novo, já não basta os desinformados da terra a respeito da criação da Universidade e la vem voce a fim de tirar onda com a nossa gente, este é um projeto que está ligado aos investimentos previstos em nossa região dos quais a maioria deles voce desconhece, sem alongar muito quero aqui registrar o Apoio do Governo Federal no projeto, dos nossos Senadores, Deputados Federais, Prefeito, Vereadores e alguns Deputados Estaduais, pois esta criação deste Polo de Educação representa uma melhoria acentuada no Ensino Regional e no desenvolvimento de novas Tecnologias. Quanto a preocupação dos novos cursos previsto é so procurar a UFPA, quanto a preocupação de novos contratos para servir o novo polo já faz parte do escopo da Universidade, e por ultimo PARABENS A MARABÁ E REGIÃO DE CARAJÁS, Gilberto Leite

  7. Karla Muaés

    16 de agosto de 2011 - 20:12 - 20:12
    Reply

    Carissimos, não dá pra entender como pessoas ainda criticam e demonstrem insatisfação com a implantação desta Universidade.!!!!!
    Sabe quantas existem no interior do Amazonas?
    Nós somos uns previlegiados. Pense nisso!
    Quanto mais educação , mais consciência crítica, maior qualificação para assumir os cargos em projetos ora sendo implantados, maior possiblidade de que haja uma renovação politica daqui uns anos, com pessoas melhor formadas e com um conceito de ética mais arraigado. Precisamos de bons gestores urgentemente ! Bons e honestos! e nativos rs rs rs rs
    Aliás diante de tanta insatisfação , deveriam ter implantado essa Universidade em Parauapebas. Ou quem sabe em Pau D´arco! Maraba ja tem Ufpa. Hummmmmm ai tem coisa!!! Que privilegio é essse heim???
    Estao achando ruim? Mandem aqui pra Santarém , que “nóis” aceita!!! rs rs rs rs rs . Somos nativos e NÃO ingratos!

  8. João Dias Aragão

    16 de agosto de 2011 - 18:23 - 18:23
    Reply

    “A Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) terá sede em Marabá, onde hoje funciona o câmpus Marabá da Universidade Federal do Pará (UFPA).”

    Lembrar que no meu tempo (anos 70), Marabá tinha apenas o Colégio Stª Terezinha – ensino de 1º Grau (antigo colegial) e, que, para fazer até mesmo o segundo grau (antigo científico), precisávamos pegar o famoso penta, via São Felix, ônibus transbrasiliana, PA-70, Zero e muito lamaçal, que durava até três dias de viagem para estudar em Belém, e constatar que, nos dias hoje, Marabá inaugura uma Unifesspa, para atender a juventude estudantil de toda a região Sul/Sudeste paraense, é motivo de muito orgulho e saudades da galera:
    Epaminondas Chaves; Seu Dega, Pombo, Valfredo, Cachita, Calixto Bogéa, Airton Pereira Reis, Pitical, Wilsom Mutram, Kalil Mutram, Walber, Wisnande (…)
    Fico devendo, e o espaço não caberia relacionar todos aqueles que encararam essas dificuldades com bravura, determinação e objetivos.

    sds e abs
    Um marabaense eternamente saudosista.

  9. João Guimarães

    16 de agosto de 2011 - 17:11 - 17:11
    Reply

    Essa é a visão que “o pessoal de lá” tem da nossa região. Tudo aqui tende a não prestar. Impressionante…É por isso que aqui até hoje não tem nada!

  10. J. BEÁ

    16 de agosto de 2011 - 11:24 - 11:24
    Reply

    Canetadas têm pouco resultado. Quero ver onde arranjarão os professores… Serão mais cursos de Pedagogia, Administração e Direito, não menosprezando estes cursos/atividades mas a região está precisando de outras formações.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *