Hiroshi Bogéa On line

Tempo de saudade

Clic registra o que restou do Pirucaba (*), “depois que retiraram  as pedras do “serrotão” (**) para fazer lastro para a ponte sobre o Itacaiunas, lá pelos idos anos 70″ – recorda bem Plínio.

Registro feito às 6:30 da manhã.

NB: A contribuição é do colaborador vip do blog, advogado Plínio Pinheiro Neto.

——————-

(*) – Pirucaba : corredeira, entre pedrais, situada a poucos metros da ponte sobre o rio.

(**)- Serrotão: o canal propriamente dito da corredeira, por onde barcos e banhistas aventuravam enfrentar a força das águas.

Post de 

3 Comentários

  1. Anonymous

    23 de setembro de 2010 - 00:28 - 0:28
    Reply

    Hiroshi
    Para provar coragem tinhamos que descer o Pirucaba sem outra coisa que não os braços e pernas(e muita sorte e irresponsabilidade).Até hoje tenho no joelho direito a marca da prova.Que tempo cara.
    Abraço
    Antonio Pinheiro

  2. Anonymous

    22 de setembro de 2010 - 16:42 - 16:42
    Reply

    Caro Hiroshi, só quem vivenciou o velho Pirucaba sabe o quanto era gostoso descer as corredeiras sobre uma boia de câmara de pneu de caminhão ou trator por todo o dia; e ao final deste, retornar para casa queimadinho e dormir até o outro amanhecer. Muito triste ver o Itacaiunas em franca degradação. Em 22.09.10, Marabá-PA.

  3. Francisco Pereira

    22 de setembro de 2010 - 11:20 - 11:20
    Reply

    Eu me lembro que ali aonde se encontra a ponte as lavadeira de roupa colocava as sua tábuas para lavar roupas durante o dia, tinha uma senhora que lavava durante a noite a Sra. Chica do Marinho (In memorian)

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *