Hiroshi Bogéa On line

Subindo que nem foguete

E o DataFolha, como se sairá da saia-justa de sua última pesquisa em relação às demais consultas populares realizadas por outros institutos?

Manterá seus números engebrados?

Dilma Roussef, em mensagens no twitter no domingo (16),  não esconde sua satisfação por ter ultrapassado Serra antes do prazo projetado pela coordenação de campanha que era o mês de junho.

Dilma agradeceu as mensagens de parabéns pelo resultado, mas a todos respondeu com um protocolar: “De pesquisa eu não vou falar não”.

——————

atualização às 12:35

Acaba de sair resultado da pesquisa CNT/Sensus.

Dilma à frente: 35,7% contra 33,2% de Serra.

——————-

A propósito desse babado de pesquisas,  Marcos Coimbra, craque na leitura de tendências eleitorais e dono do Vox Populi que já localiza Dilma Roussef à frente de Serra (37 a 34),  não tem boas notícias para o ex-governador paulista.

Pelo menos é o que se constata em seu artigo “A caminho da eleição” publicado na Carta Capital.

A caminho da eleição

por Marcos Coimbra, em Carta Capital

Há uma diferença que assume, neste ano, maior proeminência: a existente entre os que conhecem os candidatos e os que (ainda) não sabem quem são

Os eleitores podem ser divididos e agrupados de várias maneiras. Podemos falar de distinções demográficas, de gênero ou idade, por exemplo. Ou de diferenças socioeconômicas, como as que existem entre as pessoas em função de renda, escolaridade ou situação ocupacional.

A diversidade regional é importante. Na última eleição, houve uma nítida geografia no voto, com o Sul indo para um lado e o Norte/Nordeste para outro. Nesta, algo parecido acontece, ao menos por hora, com José Serra à frente onde Geraldo Alckmin havia ido bem e Dilma Rousseff se distanciando nos lugares onde Lula venceu.

As variações entre cidades pequenas e grandes, especialmente as metrópoles e as capitais, fazem parte de nosso folclore político. No interior, votava-se mais à direita, enquanto o voto urbano tendia a ir mais para candidatos de esquerda e para as oposições. Em seus primeiros anos, isso acontecia claramente com o PT. Hoje, mudou.

Todas essas diferenciações jogam seu papel nestas eleições. Olhando as pesquisas, vê-se que existem diferenças entre o que pensam fazer homens e mulheres, nordestinos e sulistas.

Mas há uma diferença que assume, neste ano, uma proeminência maior que no passado: a que existe entre os que conhecem os candidatos e os que (ainda) não sabem quem são. Essa é uma dimensão sempre fundamental na interpretação das pesquisas pré-eleitorais, mas nunca foi tão importante quanto agora.

A razão para isso é simples e tem a ver com três fatores. Primeiro, que temos um presidente que termina seu mandato com uma aprovação popular que nunca houve em nossa história. Segundo, que esse presidente indica uma candidata e assegura que ela encarnará a continuidade de seu governo. Terceiro, que ela é pouco conhecida, pois só existe, por enquanto, uma candidatura (até pouco tempo atrás, duas) que os eleitores conhecem bem.

Ao contrário das outras diferenciações, a do nível de conhecimento dos candidatos tende a desaparecer ao longo da campanha. À medida que ela avança, a desinformação cai, se aproximando de zero, enquanto se amplia a informação. No dia da eleição, teremos, desejavelmente, o universo de eleitores em condições semelhantes de escolha: todos podem optar entre todos os candidatos, pois têm deles um conhecimento parecido.

Enquanto estivermos distantes dessa situação de homogeneidade, as pesquisas de intenção de voto devem ser lidas com cuidado. Não que sejam menos válidas, mas por misturarem pessoas diferentes em um aspecto essencial da eleição.

É possível, no entanto, contornar esse problema. Basta considerar, em separado, as respostas dos que conhecem e dos que não conhecem os candidatos, de quem sabe e quem não sabe que Dilma é a candidata indicada por Lula. É o mesmo que se faz para comparar o que pensam jovens e velhos, ricos e pobres, moradores de áreas rurais e urbanas e todas as outras diferenciações.

Na última pesquisa publicada do Vox Populi, feita há um mês, a intenção estimulada de voto (considerados apenas três candidatos) do conjunto dos entrevistados foi de 38% para Serra, 33% para Dilma e 7% para Marina. Nesse resultado médio estão, naturalmente, tanto as repostas das pessoas que acertaram a identificação de Dilma como candidata do presidente quanto das que erraram ou não souberam fazê-lo.

Quando, porém, se analisam separadamente as intenções de voto dos dois segmentos, vê-se um quadro diferente.

A tabela mostra que, se levarmos em conta as intenções de voto dos eleitores que sabem que Dilma é a candidata de Lula (que são 70% do total), ela está 11 pontos porcentuais na frente de Serra. O ex-governador lidera no agregado apenas por ter uma imensa vantagem, de 43 pontos, entre os eleitores que não sabem quem ela é (e que são 30% do universo).

Um dia, esses que não sabem vão desaparecer e todos (ou quase todos) vão saber. Para Dilma, a boa notícia é que os que não a conhecem são ainda mais propensos a votar nela que os que já o fazem. Para Serra, só haverá boas notícias se tudo que está em curso mudar.
Post de 

3 Comentários

  1. Alberto Lima

    4 de junho de 2010 - 18:57 - 18:57
    Reply

    Obrigado Hiroshi por sua imparcialidade.
    O que vi foi apenas a sua colocação dos resultados das pesquisas, como fez anteriormente quando o Serrágio tava na frente.

    Já eu, não sou nada imparcial.
    Dilma 2010!

  2. Gilmar

    21 de maio de 2010 - 20:18 - 20:18
    Reply

    Quanto mais alto maoior a queda. Cuidado Hiroshi. Voce esta muito tendencioso.
    Seja mais cauteloso em suas emoções afinal de constas vc é um blogger imparcialpara nós.

  3. Anonymous

    18 de maio de 2010 - 13:58 - 13:58
    Reply

    Aviso aos que não sabem ainda: José Serra,também é Lulista, e vai ganhar a eleição,não foi assim que o Lula fez ? Ahhh esses políticos …e tem otário que não vê.!!!

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *