Hiroshi Bogéa On line

Serra ladeira abaixo

A mídia escondeu ou minimizou as declarações de Lula contra Serra, sexta-feira, na Expointer, em Esteio, Rio Grande do Sul. Foram declarações duras, algo que o Presidente da República tentou evitar durante toda a campanha.

Marcam uma mudança de postura do principal ator da disputa eleitoral em jogo no país.

Lula disse que Serra tem dor de cotovelo e o mandou ir para a rua. Alguns dos principais trechos da fala do presidente na Expointer:

Numa das partes da entrevista, fuzilou, defendendo a libertdade na Internet:

“Nosso adversário deveria procurar um novo argumento. Não é possível que um homem que se diz tão preparado para presidir o país, um homem que se diz tão preparado para presidir o destino de 190 milhões de habitantes, queira que o presidente Lula censure a internet. Ele se queixou do que estava acontecendo na internet. Como eu sou vítima disso há muito tempo, sempre achei que a internet livre tem coisa que é extraordinariamente séria e coisa que é leviana. Querer que eu censure a internet…Não é meu papel. Não vou censurar porque briguei contra a censura a vida inteira”.

Mais adiante, outra pauleira de Lula, até então comedido na campanha:

“Eu acho que o Serra precisa saber que a gente ganha uma eleição convencendo os eleitores a votar na gente. Não é querendo convencer a Justiça Eleitoral a impugnar o adversário. Isso já aconteceu em outros tempos de ditadura militar. Em tempo de democracia, o Senhor Serra que vá para a rua, que melhore a qualidade de seu programa, que faça propostas para o nosso país. Hoje ele deve estar com dor de cabeça, pois parece que o PIB, segundo o IBGE, vai crescer mais de 7%. O Brasil vive um momento de ouro e não vou permitir nenhuma futrica menor…O Presidente da República tem coisa mais séria para cuidar ao invés de cuidar da dor de cotovelo do Serra”.
——————-
E  leiam o que escreve o jornalista Marco Aurélio Weissheimer sobre a perda total de compostura de José Serra diante da derrotada anunciada: 
Em queda livre nas pesquisas e conduzindo uma campanha cada vez mais desorientada, José Serra parece ter perdido também toda a compostura. O candidato tucano à presidência da República tornou-se uma caricatura de si mesmo e não hesita sequer em rasgar a própria biografia. O episódio mais recente desse espetáculo melancólico de auto-destruição política é o discurso que Serra fez para militares da reserva e reformados, no Clube da Aeronáutica, no Rio de Janeiro. Serra comparou o governo Lula ao de João Goulart, deposto pelo golpe militar de 1964. Segundo ele, Lula construiu uma “república sindicalista”, expressão usada pelos golpistas contra o governo constitucional de João Goulart. “Eles (PT) fizeram agora uma república sindicalista. Não pelo socialismo, estatismo, mas para curtir”, disse.

Serra, cabe lembrar, era presidente da União Nacional de Estudantes (UNE) em 1964 e discursou no comício da Central do Brasil em defesa da “república sindicalista” que agora refere, criticamente, para tentar ganhar apoio de militares (ver vídeo acima). Como se isso não bastasse, Serra fez outra média com os militares e criticou a retomada da discussão sobre a Lei da Anistia. “Eles reabriram a questão da anistia, que ao meu ver é um equívoco. Uma coisa é o conhecimento do que aconteceu. A lei pegaria a gente dos dois lados”. Além disso, o candidato deu um show de deslealdade ao falar de seu companheiro de partido, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Indagado sobre a ausência de FHC e do Plano Real em seu programa, Serra respondeu que “esses temas não comovem a população”.

Está se transformando em uma figura grotesca e constrangedora.
Post de 

1 Comentário

  1. Anonymous

    5 de setembro de 2010 - 01:38 - 1:38
    Reply

    Caro Hiroshi, o povo não vai aceitar golpe! SERRA O "JENIO", pensa que engana o povo com essas mentiras, na verdade esse homem é um golpista um perdedor. O povo tem repudiado esses DEMOTUCANOS comandados por SERRA< INDIO< RORIZ e Principe dos Sociologos FHC. A resposta nós brasileiro daremos no dia 03 de outubro. DILMA PRESIDENTE

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *