Senador pede continuidade de obras no rio Tocantins

Publicado em 23 de dezembro de 2011

 

 

Em pronunciamento nesta terça-feira (2), o senador FlexaRibeiro (PSDB-PA) pediu que a presidente Dilma Rousseff reveja a decisão de suspender as obras de derrocamento do rio Tocantins às jusantes das eclusas da barragem de Tucuruí. Segundo o senador, o empreendimento, que figura entre as obras do Departamento Nacional deInfraestrutura de Transporte (Dnit) que tiveram a execução suspensa a mando do Executivo, é fundamental para que a hidrovia Araguaia-Tocantins possa ser explorada ao longo dos 12 meses do ano no trecho entre Marabá e Belém.

A continuidade da obra do derrocamento, disse Flexa Ribeiro, que já se encontrava licitada à espera apenas da ordem de serviço para ser executada, é fundamental para o desenvolvimento do Pará, onde a companhia Vale planeja a instalação de uma siderúrgica em Marabá, cuja logística de transporte estaria fundada na hidrovia.

– Nesse caso, a Vale, que já não queria fazer [a obra], vai desistir de vez, não vai ter como escoar a produção – afirmou.

O senador disse ainda que, em novembro de 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, “em seu estilo midiático de lançar projetos luláticos, foi ao Pará e inaugurou as eclusas de Tucuruí, mas até hoje elas não funcionam porque não estavam prontas quando Lula foi lá fazer a inauguração”.

Mesmo que as eclusas estivessem prontas, afirmou FlexaRibeiro, para fazer a transposição da barragem é necessário fazer o derrocamento à jusante do rio, conforme ele próprio disse ter informado a Lula. Caso contrário, “a hidrovia Araguaia-Tocantins, que já estava pela metade de Marabá a Belém, funcionaria oito meses por ano, e não doze meses”, afirmou.

 

Fonte: Assessoria Parlamentar

—————-

Nota do blog: o discurso oportuno do senador Flexa Ribeiro peca pela tentativa dele tentar desqualificar o ato de inauguração das eclusas.

O elevador hidráulico, quando foi ativado pelo presidente Lula, já estava concluído, sim. No período, o que ocorreu foi a demora burocrática para a regularização da transpoisção, pela Marinha,  e de ajustamento de pequenos equipamentos exigidos pelos orgãos afins, visando resguardar a segurança das embarcações no processo de transposição.

As eclusas estão fucionando a contento, inclusive, permitindo o transporte de barcaças carregadas de ferro gusa, de Marabá a Barcarena.